A grandeza do povo brasileiro contrasta com a baixa qualidade de ensino que recebe e a democracia mascarada que suporta. Buscou-se compreender as origens dos vícios sociais.

RESUMO

O trabalho alterca sobre a influência que a colonização e o processo de independência têm na política, cultura e religião de cada país. O Brasil aceita milhares de haitianos em seu território e o Haiti recebe milhares de brasileiros para auxílio humanitário. A grandeza do povo brasileiro contrasta com a baixa qualidade de ensino que recebe e a democracia mascarada que suporta. Buscou-se compreender as origens dos vícios sociais e concluiu-se que a cultura tem barrado o desenvolvimento nacional e o Executivo governa com os olhos vendados. Teve como base o brilhante estudo do sociólogo Dr. José Murilo de Carvalho e entrevista com um dos brasileiros que auxiliou na missão humanitária da ONU no Haiti.

Palavras-chave: Vícios. Brasil. Haiti.

ABSTRACT

The work debate about the influence that colonization and the independence process have in politics, culture and religion of each country. The Brazil accepts thousands of Haitians in its territory and Haiti receives thousands of Brazilians to humanitarian aid.  The greatness of the Brazilian people contrasts with the low quality of education you receive and the masked supporting democracy. We sought to understand the origins of social vices and concluded that culture has barred national development and the Executive governs blindfolded. It was based on the brilliant study of Dr. José Murilo de Carvalho sociologist and an interview with one of the Brazilians who helped the UN humanitarian mission in Haiti.

Keywords: Vices. Brazil. Haiti. 

Introdução:

 

            Abordar-se-á a história política do Haiti, as migrações e sua cultura. Também, momentos desde a colonização do Brasil até os movimentos sociais mais atuais que vive. O liame entre estas duas nações faz-se presente na medida em que se influenciam historicamente e, todos os dias, haitianos servem brasileiros em restaurantes, fazem o serviço braçal na construção civil, retiram o lixo do litoral brasileiro. O Brasil aceita milhares de haitianos em seu território e o Haiti recebe milhares de brasileiros para auxílio humanitário. Clama a necessidade de saber mais sobre este povo que tem integrado a população do Brasil.

            Ademais, indaga-se se falta mão-de-obra ou o Governo Brasileiro está facilitando a entrada dos haitianos, concedendo mais de 100 vistos por mês, por ser mais barato e não gerar problemas. Esta é apenas uma das questões que está agravando cada dia mais a situação econômica do país e será estudada ao longo do presente trabalho.

            O Brasil tem vivido uma fase de incertezas e insatisfações com o Governo e o povo tem ido às ruas protestar. Conhecendo a história e analisando os movimentos reivindicatórios da atualidade, se pode compreender e necessidade de sanar vícios sociais político-culturais que países como o Brasil e o Haiti enfrentam todos os dias.

           

História

A colonização determina como será a economia, a cultura e a religião de cada país. O povo local fica aprisionado aos ditames de seus dominadores e no Brasil não foi diferente, o peso do passado interfere assiduamente em seu presente:

“Ao proclamar sua independência de Portugal em 1822, o Brasil herdou uma tradição cívica pouco encorajadora. Em três séculos de colonização (1500-1822), os portugueses tinham construído um enorme país dotado de unidade territorial, linguística, cultural e religiosa. Mas tinham também deixado uma população analfabeta, uma sociedade escravocrata, uma economia monocultora e latifundiária, um Estado absolutista. À época da independência, não havia cidadãos brasileiros, nem pátria brasileira. ” (CARVALHO 2010, 17-18)

O processo de independência foi, de certa forma, pacífico. O apelo social da elite brasileira, combinado com o desgaste econômico e os altos impostos exigidos pela Coroa Portuguesa, garantiram a autonomia do país. Não existiram grandes guerras armadas, apenas batalhas curtas ocorridas no Rio de Janeiro, Bahia e Maranhão.

Mesmo após a emancipação, permaneceu, por longos anos, uma multidão de escravos – mais de um milhão em 1822. Outro dado importante é que em 1872, apenas dezesseis por cento da população sabia ler e escrever e, para adentrar num curso de ensino superior, os brasileiros tinham que ir para Portugal, pois não existiam universidades no país.

O grande receio dos proprietários rurais era que acontecesse no Brasil o que acontecera no Haiti, entre 1791 a 1804, onde os escravos proclamaram sua independência e baniram a população branca: “O ‘haitianismo’, como se dizia na época, era um espantalho poderoso num país que dependia da mão de obra escrava e em que dois terços da população eram mestiços.” (CARVALHO 2010, 27)

O Haitianismo não foi necessariamente a revolução escrava, mas a consequência que a mesma gerou. O Haiti foi isolado do restante da América, política e economicamente. Antes era o maior produtor de açúcar do mundo e hoje sofre de uma miséria absurda.

“As elites brancas e criollas que dominavam todo o continente passaram a ignorar o pequeno vizinho do Caribe, dando início a um calvário de isolamento político e econômico, que foi denominado pelos historiadores de haitianismo. Esse isolamento econômico provocou o enfraquecimento da infraestrutura produtiva do Haiti empobrecendo o país, que também sofria com lutas internas entre as próprias facções políticas haitianas.” (Haiti - entre um sonho de liberdade e a tragédia do mundo real 2015)

A Revolução Negra, como também era conhecida, teve uma repercussão mundial em face da escravidão, sendo a primeira nação independente da América Latina e a segunda das Américas.

As revoluções ocorridas na Bahia (Revolta dos Malês - 1835) e no Pará (Cabanagem – 1835/1840) foram inspiradas diretamente na revolução dos escravos haitianos; assim como a Lei Eusébio de Queirós, que proibiu o tráfico negreiro e, consequentemente, acabou incentivando a imigração de mão de obra branca europeia. O dinheiro que era usado para comprar escravos foi então utilizado nas primeiras indústrias brasileiras.

Acontece que, depois de formada uma sociedade, torna-se muito difícil sanar vícios que estão encalacrados em sua estrutura basilar. A única forma para mudar uma realidade já estabelecida no surgimento de determinada nação é através de movimentos sociais e reivindicatórios.

O Brasil teve um número maior que o Haiti em episódios marcantes: Revolta da Vacina (1904), Revolução de 1930, Revolução de 1932, Intentona Comunista (1935), Redemocratização (1943), Marcha da Família com Deus pela Liberdade (1964), Golpe Militar (1964), Diretas já! (1983), Ocupação da reitoria da UFRN (1980), Caras-pintadas (1992), Revolta do Busão (2012), Vem pra rua (2013).


Democracia no Brasil

Os progressos obtidos ao longo da história, apesar de significativos, ainda são insuficientes. O descontentamento do povo brasileiro está esculpido em cada rosto. Critica-se sobremaneira a ditadura militar, mas não há quem acredite na democracia política atual. Excessos são execráveis, omissões também.

A legislação interna do país é condenada por muitos, quando na verdade o grande problema está na ineficácia de sua aplicação. A única solução que resta ao homo medius é protestar, manifestando sua indignação pelo fardo que carrega sem pedir. A Constituição Federal de 1988 protege este direito:

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

[...]

IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato; 

[...]

XVI - todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

[...] (BRASIL 1988)

            A legitimidade das reuniões – leia-se manifestações – está claramente prevista na Carta Magna, o que possibilita que todos os cidadãos brasileiros se expressem, exercendo a democracia em sua esfera mais pura. O Presidente da OAB de Rondônia, Andrey Cavalcante, reafirma a ideia sobre a mobilização social no país:

“A capacidade de mobilização e a participação política são referenciais importantes para o aprimoramento e reafirmação do Estado Democrático de Direito, na medida em que o Estado abre possibilidade para a atuação no sentido não só de representação popular, como é o caso de eleições, mas possibilidades que permitem a participação efetiva da sociedade civil, rompendo as fronteiras existentes entre o Estado e os cidadãos e aproximando-os. Ou seja: as manifestações populares repousam no manto do exercício da democracia. ” (CAVALCANTE 2015)

            Em 2013, iniciou-se o movimento social VEM PRA RUA. Parafraseando este nome, milhares de vozes gritavam VEM PRA URNA, VEM. Ora, até que ponto exercer o direito de voto resolve algum problema? Este foi apenas um dos direitos conquistados em movimentos anteriores, importante evolução na democracia, mas não solução para a situação do país.

            Nas palavras de José Murilo de Carvalho, grande estudioso das ciências sociais, a representação política não funciona para resolver os grandes problemas da população:

“O papel dos legisladores reduz-se, para a maioria dos votantes, ao de intermediários de favores pessoais perante o Executivo. O eleitor vota no deputado em troca de promessas de favores pessoais; o deputado apoia o governo em troca de cargos e verbas para distribuir entre seus eleitores. Cria-se uma esquizofrenia política: os eleitores desprezam os políticos, mas continuam votando neles na esperança de benefícios sociais. ” (CARVALHO 2010, 223-224)

            Partindo destes pressupostos, o cidadão precisa votar para exercer a democracia, mas tal exercício não valerá de nada, pois descobrir a índole de um político é impossível, sendo este um grande ciclo vicioso.

            Talvez o que todos acabem esquecendo é que, para a evolução de um país, não basta a existência de candidatos e eleitores. Todos têm seus níveis de corrupção e, como diz o ditado, “todos têm seu preço”. Porque o pai que pede justiça nas ruas, na grande maioria das vezes ensina, através do exemplo, seu filho a jogar lixo nas ruas, ficar com o troco que lhe deram errado, burlar o sistema. Talvez se este mesmo pai tivesse o poder de um influente político, cometesse tantas desonestidades quanto as que reivindica ativamente.

            O problema social do país não pertence ao deputado X ou ao senador Y, pertence a todos.  O ensino pertence ao Estado, mas a educação pertence a sociedade. Professores estão sendo obrigados a educar, ensinar as matérias disciplinares e ainda implorar por salários dignos; isto é uma questão cultural que deve ser resolvida. A criança virtuosa de hoje será o deputado ou senador honesto de amanhã.

            O foco em movimentos coletivos tem sido tão grande, que a cultura brasileira perdeu o rumo. Observando a história, percebe-se que as questões levantadas em protestos anteriores eram mais definidas, lutava-se por um direito específico, como por exemplo o direito ao voto, a igualdade entre homens e mulheres, direitos dos trabalhadores etc. Atualmente, pedem apenas que as pessoas compareçam às urnas, exercer um direito que já é seu. Boa parte dos manifestantes não sabiam sequer o que estavam pedindo, mergulhados em sua própria ignorância.

“Aqui no Brasil, a campanha das Diretas-Já — o maior movimento de massas da história do país — mobilizou dezenas de milhões de brasileiros nas ruas e praças públicas em torno de uma palavra de ordem límpida, clara e de compreensão imediata: acabar com a farsa do Colégio Eleitoral que “elegia” generais e fazer com que o povo voltasse a escolher o presidente da República.

Movimentos com dezenas de reivindicações perdem o foco e podem morrer na praia. Como ocorreu com o fenômeno realmente impressionante dos “indignados” na Europa, em 2011.” (SETTI 2013)

            Perderam-se os valores. Esta seria uma grande bandeira a ser levantada. Pais, mães e responsáveis sendo inspirados a criar pessoas dignas, capazes de exercer solidariedade, justiça e honestidade. Sempre existirão maus entre os bons, mas grande parte da futura sociedade pode ser mudada através do ensino e da educação.

            A cultura é essencial na formação de valores de uma comunidade. Discorrer sobre a cultura de determinada nação é algo muito complicado. O correto para alguns pode ser errado para outros, a referência é o ponto determinante.

“Cultura e nação são dimensões de referência necessárias para se entender o mundo contemporâneo. Observem que mesmo o confronto entre as classes sociais e seus interesses tem a cultura e a nação como marcos e panos de fundo inevitáveis, já que ambas lhe fornecem arenas institucionais, códigos de ação, projetos de desenvolvimento. Do mesmo modo não se pode compreender as tendências constatáveis na atualidade de fortalecimento de vínculos internacionais e de formação de uma civilização mundial, sem levar em consideração a ambas. Podemos observar com clareza que o confronto entre as classes sociais transforma tanto a cultura quanto a nação, mas não se pode dizer que prescinda delas, que a possa ignorar. Antes, a transformação da sociedade exige sempre que o potencial tanto da cultura quanto da nação seja considerado.” (SANTOS, PEREIRA e FEIJÓ 1994, 48-49)  

           

            O Brasil é um país democrático, culturalmente desigual. É necessário expandir a cidadania social, conforme explica a socióloga Maria Victoria Benevides, em sua brilhante observação:

“A expansão da cidadania social implica, além de uma ação efetiva dos poderes públicos e da pressão popular, num tipo de mudança cultural, no sentido de mexer com o que está mais enraizado nas mentalidades marcadas por preconceitos, por discriminação, pela não aceitação dos direitos de todos, pela não aceitação da diferença. Trata-se, portanto, de uma mudança cultural especialmente importante no Brasil, pois implica a derrocada de valores e costumes arraigados entre nós, decorrentes de vários fatores historicamente definidos: nosso longo período de escravidão, que significou exatamente a violação de todos os princípios de respeito à dignidade da pessoa humana, a começar pelo direito à vida; nossa política oligárquica e patrimonial; nosso sistema de ensino autoritário, elitista, e com uma preocupação muito mais voltada para a moral privada do que para a ética pública; nossa complacência com a corrupção, dos governantes e das elites, assim como em relação aos privilégios concedidos aos cidadãos ditos de primeira classe ou acima de qualquer suspeita; nosso descaso com a violência, quando ela é exercida exclusivamente contra os pobres e os socialmente discriminados; nossas práticas religiosas essencialmente ligadas ao valor da caridade em detrimento do valor da justiça; nosso sistema familiar patriarcal e machista; nossa sociedade racista e preconceituosa contra todos os considerados diferentes; nosso desinteresse pela participação cidadã e pelo associativismo solidário; nosso individualismo consumista, decorrente de uma falsa ideia de “modernidade”. ” (BENEVIDES 2015)

            Percebe-se uma enorme insatisfação do cidadão consigo mesmo. Isto não é observado apenas pelos estudiosos, mas em todas as classes sociais. O grande problema é como resolver esta questão cultural que, como disse BENEVIDES, está enraizada nas mentalidades.

 

Atual situação política brasileira

            Vinte anos depois do movimento estudantil “Caras Pintadas” (1992), uma sequência de protestos, iniciada pelo movimento “Revolta do Busão” (2012), apertou o gatilho do ativismo brasileiro.

            A internet tem sido o meio de comunicação chave para demonstrar sua indignação.

“O crescimento das redes sociais no Brasil é cada vez mais evidente e as mesmas se propagam de forma assustadora. Todas elas se tornaram grandes ferramentas – não só para os usuários fazerem amizades, mas também para reclamarem e protestarem contra situações que julgam errado. As redes sociais funcionam hoje em dia como uma espécie de “arma” na hora de reivindicar direitos, expor ideias ou simplesmente elogiar determinada ação.

Nesses sites, os usuários criam conteúdo e compartilham com sua rede de amigos. Os manifestos sociais acontecem da mesma forma: o usuário que não gostou de algo expõe sua indignação na rede e seu protesto é repassado para todos aqueles que compartilham o mesmo pensamento.

Para o analista de mídias sociais Vinícius Pinto, os internautas têm reclamado de uma forma que dificilmente fariam na “vida real”. “Eles têm um sentimento de que estão ´blindados´ pela tela do computador, pensam que o que eles falam não vai ter impacto em sua vida offline”, observa o analista.” (PINTO 2015)

           

            Existem três formas para protestar através das redes sociais: 1.divulgando seus ideais ou compartilhando pensamentos alheios; 2. Marcando e divulgando o evento através da rede e, posteriormente, reunindo multidões nas ruas do país; 3. Pactuando com determinada atitude e praticando-a individualmente.

É impressionante o quanto as redes sociais têm influenciado na vida de todos os brasileiros. Tanto positiva quanto negativamente. A ampla divulgação pode ser perigosa, visto pode funcionar como uma espécie de “telefone sem fio”, espalhando informações erradas ou distorcidas. Pior ainda, podem ser apenas ineficazes, conforme relata a socióloga TUFEKCI:

“A socióloga turca Zeynep Tufekci, em sua palestra na TEDGlobal, destacou o papel das mídias sociais nos protestos que ocorreram em vários países nos últimos anos. De acordo com ela, o problema é que, ao mesmo tempo em que se torna muito fácil reunir as pessoas em torno de uma causa, como ocorreu na Turquia, no Barein, com os Indignados na Espanha ou o Occupy Wall Street nos Estados Unidos, a mobilização por meio das redes sociais ainda não foi capaz de trazer as mudanças profundas que os ativistas e manifestantes desejavam. “ (OERJ 2014)


            Diante disto, manifestantes são considerados a nova geração do movimento de 1992, intitulando-se os “novos caras-pintadas”. Eles se reúnem através de eventos criados em páginas do Facebook.

“[...] será outro momento histórico para o país. Márcia participa no Facebook de grupos que se denominam como “novos caras-pintadas” e pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff, reeleita no fim de 2014.

Tais grupos explicam que a diferença entre os caras-pintadas antigos e os atuais é que, em 1992, as pessoas eram contra um político: o ex-presidente Fernando Collor, senador pelo PTB-AL, e suas atitudes, e hoje são contra um partido, no caso o PT e a também a corrupção.” (GOMES 2015)

            Ora, percebe-se a falta de solicitações objetivas, com fundamentos constitucionais válidos para terem eficácia. Pede-se o impeachment da Presidenta Dilma Rousseff, mas pouquíssimas pessoas sabem que este processo deve ser solicitado também ao Vice-presidente Michel Temer. Caso contrário, é ele quem assume e assim o país continuaria a ser governado pelo Partido dos Trabalhadores – PT. O impeachment ocorrendo nos dois primeiros anos do mandato, é realizada uma nova eleição; nos dois últimos anos quem assume é o representante do Congresso Nacional.

          “Pesquisa Datafolha publicada neste sábado (11) pelo jornal Folha de São Paulo revela que quase dois terços dos brasileiros (63%) afirmam que deveria ser aberto um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, diante da revelação da Operação Lava Jato.

          A pesquisa mostra ainda, que a maioria, no entanto, desconhece o que vem depois do impeachment. Dos que defendem a saída de Dilma, só 37% sabem que o cargo seria ocupado pelo vice-presidente. Quando perguntados sobre o nome do vice atual metade errou. Isto significa dizer que somente 12% dos eleitores brasileiros favoráveis ao processo de impeachment contra Dilma conhecem realmente o que vez depois.

          A pesquisa Datafolha ouviu 2.834 pessoas. A margem de erro é de dois pontos. Embora a maioria da população apoie a saída de Dilma, 64% não acredita realmente que ela saia. O levantamento mostra ainda que 75% apoia os protestos contra a presidente. 57% acredita que Dilma sabia da corrupção na Petrobras e deixou acontecer.

          A pesquisa mostra também que a corrupção passou a ser uma das maiores preocupações da população. Para 23% o maior problema do país é a saúde e para 22% é a corrupção. Se Dilma fosse cassada e fossem realizadas novas eleições, o senador Aécio Neves (PSDB­MG) alcançaria 33% das intenções de voto contra 29% do ex-­presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “ (RAULINO 2015)

            A ignorância caminha junto à indignação. Os temas são, em grande parte, superficiais. Preocupa-se apenas com a corrupção e com a figura presidencialista. Os problemas vão muito além. Tanto isto é verdade que o

            Não houve avanço na tão sonhada reforma tributária, reforma da gestão pública ou aumento do investimento e da produtividade. Vê-se um enorme país, mergulhado numa ignorância que começa num diálogo infundado e termina com altos impostos.

            Dentre os principais impostos cobrados no Brasil, estão o imposto sobre importação, imposto sobre operações financeiras, imposto sobre produto industrializado, imposto de renda pessoa física, imposto de renda pessoa jurídica, imposto sobre a propriedade territorial rural, contribuição de intervenção no domínio econômico, contribuição para o financiamento da seguridade social, contribuição provisória sobre movimentação financeira, contribuição social sobre o lucro líquido, fundo de garantia do tempo de serviço, instituto nacional do seguro social, programas de integração social e de formação do patrimônio do servidor público, imposto sobre circulação de mercadorias, imposto sobre a propriedade de veículos, imposto sobre a transmissão causa mortis e doação, imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana, imposto sobre serviços, imposto sobre transmissão de bens inter vivos.

            Lógico que a necessidade do pagamento de impostos é inegável, visto que o dinheiro que pertence ao Estado nada mais é que a circulação dos valores de cada cidadão, que devem ser revertidos em seu próprio benefício e em benefício da sociedade.

            Acontece que poucos se atentam para a origem do problema, a massa percebe apenas as consequências que ele gera.

            Hipoteticamente, pensando na economia de uma família pertencente à classe média brasileira, que tenha uma renda média mensal de dois salários mínimos nacionais (R$788 x 2 = R$1.576), some R$100 na conta de luz, R$50 na conta de água e esgoto, R$150 com telefone e internet, R$500 no financiamento de uma casa simples, R$100 com a parcela do IPTU, considerando que tenha um carro popular com uma parcela de financiamento de R$ 400 e de IPVA de R$ 90, tenha que gastar R$ 400 com combustível para ir ao trabalho e R$ 800 no mercado.

            Mesmo que esta família tivesse seus filhos estudando em escola pública e nunca comprasse uma peça de roupa, nem um par de calçados, não tivesse atividades recreativas como ir ao cinema ou tomar um sorvete, não comprasse um presente de natal nem remédios, estaria devendo R$1.014 reais todo mês.

            Infelizmente esta é a realidade do país: baixos salários, alta inflação, altos impostos e pouco retorno em saúde e ensino. E a realidade da grande massa brasileira é viver afundada em dívidas e juros altíssimos, o que causa um inadimplemento absurdo no país e quebra muitas empresas de pequeno porte.

            Foi isso que aconteceu no Governo do PT, puramente assistencialista. Sem dúvidas, sua política retirou milhares de brasileiros da miséria, mas a um custo exorbitante às outras classes. Não houve uma redistribuição de renda e sim um endividamento que levou o Estado a uma crise financeira, mascarada há mais de uma década.

“O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) está complementando a renda, por meio do Bolsa Família, de 14,1 milhões de famílias em todo o País em abril. O pagamento, que começa a ser liberado na terça-feira (15), segue até o dia 30. Ao todo, o governo federal está investindo mais de R$ 2,1 bilhões.” (Cidadania e Justiça 2014)

            Foram mais de dois bilhões de reais gastos com o Bolsa Família. O governo injetou muito dinheiro em determinados projetos e faltou para investir em infraestrutura, ou seja, tira daqui e coloca lá.

            No Brasil, mais de 25 milhões de famílias estão inscritas em programas sociais, ou seja, 40% da população brasileira. Veja alguns dos principais programas:

“• Programa Bolsa Família: programa de transferência de renda que atende famílias em situação de pobreza e extrema pobreza. Para participar, a família deve ter renda de até R$ 140 por pessoa e fazer o acompanhamento das condicionalidades de educação e saúde.

• Programa Brasil Carinhoso: benefício complementar ao Programa Bolsa Família para garantir que famílias extremamente pobres, com crianças ou adolescentes entre 0 e 15 anos, vivam com renda mínima igual a R$ 70 por pessoa.

• Aposentadoria para pessoa de baixa renda: pessoas que se dedicam ao trabalho de casa (do lar) que não têm renda própria e que fazem parte de famílias com renda mensal de até dois salários mínimos podem contribuir para a Previdência Social com 5% do salário mínimo, para obter aposentadoria

• Isenção de pagamento de taxa de inscrição em concursos públicos: candidatos de baixa renda que estejam no Cadastro Único têm o direito de não pagar taxa de inscrição em concursos públicos realizados pelo Poder Executivo Federal.

• Telefone Popular: oferta de linha de telefone fixa com tarifas mais baratas para todas as famílias de baixa renda que estejam com o cadastro atualizado. O beneficiário do Telefone Popular tem direito a 90 minutos por mês para fazer ligações para outros telefones fixos da mesma cidade, pagando até R$ 15 por mês.

• Bolsa Verde: benefício pago a cada três meses para famílias extremamente pobres que morem em áreas protegidas e conservem florestas nacionais, reservas extrativistas federais, projetos de assentamento florestal, projetos de desenvolvimento sustentável ou projetos de assentamento agroextrativista, entre outras áreas.

• Carteira do Idoso: destinada às pessoas com 60 anos ou mais que não tenham como comprovar renda, para passagem de graça ou desconto nos bilhetes de ônibus, trem e barco entre estados diferentes. Podem participar idosos que tenham renda individual de até dois salários mínimos.

• Programa de Cisternas: beneficiam a população rural de baixa renda com construção de cisternas na região do semiárido brasileiro.

• Carta Social: famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família têm direito a enviar a carta social – peso máximo de 10 gramas, cobrado o valor de R$ 0,01.

• Passe Livre para pessoas com deficiência: pessoas com deficiência com renda familiar por pessoa de até um salário mínimo por mês têm direito a viagens gratuitas em transporte coletivo, entre estados diferentes por ônibus, trem ou barco.

• Programa Minha Casa Minha Vida e outros Programas Habitacionais do Ministério das Cidades: programas que ajudam famílias de baixa renda na compra da casa própria. Para o Programa Minha Casa Minha Vida, voltado para a baixa renda, a família precisa ter renda mensal total de até três salários mínimos.

• Tarifa Social de Energia Elétrica: desconto na conta de luz para famílias com renda de até meio salário mínimo por pessoa ou que tenham algum beneficiário do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC). O desconto varia de 10% a 65%, sendo maior quanto menor for o consumo de luz da casa. Famílias indígenas e quilombolas com renda de até meio salário mínimo por pessoa têm direito a 100% de desconto na conta de luz, até o limite de 50 KWh/mês de consumo.” (Departamento do Cadastro Único/Senarc/MDS 2012)

            Além do Auxílio-gás, Bolsa Atleta, Bolsa estiagem, Brasil sem Miséria, Luz no Campo, Mais Médicos, Programa Fome Zero, Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC), Programa Universidade para Todos (PROUNI), Projeto Casa Brasil, e tantos outros programas sociais que tem um custo elevadíssimo.

            Convenhamos que, se 40% da população brasileira depende de programas sociais, quem arcará com todo o custo será o restante da população, composto em sua grande maioria pela classe média.

            O problema político-social vai muito além disso, pois se todos os programas funcionassem corretamente e perpetuamente ainda vá lá, mas no início de 2015 o Governo deixou de repassar os valores do Bolsa-família, cortou os financiamentos do Minha Casa Minha Vida, bloqueou o site com inscrições para o PROUNI, aumentou a dificuldade para aquisição do seguro-desemprego e várias outras conquistas que levaram centenas de anos para alcançar e aumentou drasticamente os impostos.

            Não é questão de ser contra programas sociais, pelo contrário. Eles são a garantia de que as pessoas terão o mínimo para sobreviver. Acontece que não se pode fornecer mais do que se tem, sob pena de quebrar o quinto maior país do mundo em extensão territorial.

            Grande parte da responsabilidade pertence aos cidadãos brasileiros, que tem originariamente uma cultura imediatista, preocupam-se exclusivamente com o hoje, abrem os olhos apenas quando falta dinheiro na carteira.

            Consciência leva a protestos legítimos e o conhecimento amedronta o Governo, que consequentemente fica obrigado a mudar de posição e promover as almejadas reformas tributária e de gestão pública.

Haiti

Considerado um dos países mais pobres do mundo, o Haiti respira momentos de instabilidades políticas e sociais assim como o Brasil. Consolidou sua independência em 1804, sendo reconhecida apenas em 1825. Desde então, o país praticamente parou no tempo, esquecido numa pequena ilha, mal localizada geograficamente, caminho de vários furacões e tempestades, dividindo limites territoriais a leste com a República Dominicana e com os Oceanos Atlântico e Pacífico.

            Seu território era ocupado por índios aruaques. Em 1492, Cristóvão Colombo chegou até a rica ilha. Batizada de Hispaniola, ocupava o oriente do território. No século XVI, os índios foram escravizados e muitos morreram.

            Em 1697, foi assinado o Tratado de Ryswick, entre a Espanha e a França. A parte do território ocidental (atual Haiti), ficou com a França, chamando-se assim Saint Domingue. Foi lá que ocorreu o cultivo de açúcar, utilizando a mão de obra escrava africana.

            Em 1791, os escravos africanos influenciados pela Revolução Francesa, rebelaram-se. Estes foram liderados por Toussaint L’Ouverture, que foi nomeado governador 1801. Após, os franceses prenderam Toussaint, que morreu em 1803, depois de ser enviado como prisioneiro para a França. Jean-Jacques Dessalines, escravo livre, deu continuidade aos passos de L’Ouverture, alcançando a independência do país em 1° de janeiro de 1804, passando assim a se chamar Haiti.

            A elite de mulatos não estava satisfeita com a política do país. Em 1806, tomou o poder e matou Dessalines. O Haiti então foi dividido, ficando o norte sob domínio de Henri Christophe e o sul por Alexandre Pétion. Em 1820, sob o governo de Jean-Pierre Boyer, o país uniu-se novamente.

            Um dos períodos mais difíceis teve início em 1957. Naquele ano, o médico François “Papa Doc” Duvalier foi eleito presidente. Ele instalou um regime ditatorial baseado na repressão militar. Perseguiu a Igreja Católica e sua guarda pessoal – tontons macoutes ou bichos papões massacravam os que se opunham ao sistema.

            O Papa Doc morreu em 1971 e seu filho Jean-Claude Duvalier, conhecido como Baby Doc, assumiu a presidência. As perseguições continuaram e os protestos contra o sistema ditatorial foram ficando mais intensos. Então Baby Doc fugiu para a França, mas deixou no poder o general Henri Namphy.

            Em 1990, realizaram eleições presidenciais livres. Sessenta e sete por cento dos eleitores optaram pelo padre Jean-Bertrand Aristide. O grande problema é que, no mesmo ano, ele sofreu um novo golpe militar, voltando a ditadura no país. A Organização das Nações Unidas impôs sanções econômicas ao Haiti, tentando com que Aristides voltasse ao poder e, quatro anos depois, Aristide retornou ao cargo presidencial. Acontece que os problemas continuaram e Aristide fugisse para a África dez anos depois. Além de toda a história política sofrida, os haitianos sofrem vários problemas socioeconômicos. Atualmente, o Haiti é o país mais pobre das Américas, mais da metade de seu povo está desnutrido, vivendo com menos de um dólar por dia.

            A ajuda humanitária, particularmente organizada pela ONU, é essencial para que esta república sobreviva aos elevados índices de pobreza e insegurança. O Brasil, país que ainda possui suas próprias instabilidades, é integrante fundamental do processo humanitário, ajudando de forma decisória para a sobrevivência haitiana desde 2005, enviando seus homens e mulheres para servir no Haiti diuturnamente.

            Além da pobreza, o país também presencia um elevado índice de violência. Cite Soleil foi considerada pela ONU (2005) a cidade mais perigosa do país, principalmente por abrigar criminosos que fugiram de grandes penitenciárias, dificultando muito o acesso a ajuda.

            Para auxiliar na missão humanitária de estabilização da paz no Haiti, LEONARDO CHEROBIM[2] conviveu aproximadamente 7 (sete) meses em solo haitiano durante o ano de 2012, e explicou o que observou durante sua experiência pessoal. Segundo ele, a preparação teve início um bom tempo antes da partida, sendo essencial para o bom cumprimento da missão.

''Ao desembarcar em solo haitiano rapidamente é possível observar quão grande é a pobreza. Em meio aos escombros ocasionados pelo intenso terremoto em 2010, haviam pequenos barracos. O terremoto castigou severamente e deixou marcas que perduram até hoje. No primeiro momento, duas coisas me chamaram atenção: a temperatura térmica elevadíssima e o alto nível de miséria. Os haitianos que passavam calmamente pelo comboio despertaram em mim um sentimento muito forte de pena.

O contato com a população era realizado dia-a-dia. A cultura e a guerra interna atingem principalmente as crianças, principal tesouro do país, mas que são habitualmente maltratadas pelos próprios habitantes e pela miséria. São pobres vítimas do fracasso nacional.

Saneamento básico existe apenas nas mansões e hotéis de luxo, numa cidade chamada Petion Ville, que talvez nunca tenha sido mostrada pela imprensa para esconder o yin yang[3] do país: de um lado a miséria absoluta e do outro a fartura e a riqueza; não existe um meio termo nessa grande desigualdade social.

Compreendi muito claramente a diferença entre a nossa cultura e a deles ao presenciar uma criança, de aproximadamente quatro anos de idade, recebendo um alimento e indo rapidamente entregar para seu pai comer. O pai do menino avistava tudo de longe e, sem se preocupar com a fome do pequeno haitiano, ingeriu grande parte do alimento e o resto devolveu à criança, que aguardava ansiosa. Outro fato que chamou muito a minha atenção foi a grande parcela de homens sentados nas ruas estreitas sem fazer absolutamente nada, enquanto as mulheres equilibravam grandes balaios em suas cabeças, cheios de mercadorias para venda.” (CHEROBIM 2012)

                                                            Foto: Arquivo pessoal de Leonardo Cherobim, 2012

           

            O Haiti é estruturado num sistema semipresidencialista[4]. O poder executivo é marcado pela corrupção, o que deixa o país à mercê de outros países no que tange a proteção de sua própria economia. O país convive, quase que diariamente, com grandes manifestações populares retratando a grande insatisfação com o atual presidente Michel Martelly, conforme explica CHEROBIM:

“Era muito comum presenciar marchas revolucionárias. Dava para observar que, em meio à massa de manifestantes, haviam alguns elementos que não sabiam sequer o motivo daquilo. Ou seja, enquanto muitos exibiam cartazes com escritas ''aba Martelly'' (fora Martelly), outros passavam sorrindo, como se estivessem felizes por estarem em meio às movimentações.” (CHEROBIM 2012)

            Além dos brasileiros estarem presentes na reconstrução do Haiti – no início de 2010, um terremoto de magnitude 7,0 na escala Richter atingiu o país, matando mais de 120 mil pessoas – muitos haitianos têm vindo para o Brasil, mas por motivos diferentes. O povo brasileiro é muito querido e bem aceito por lá, sendo este um fator predominante para que haja uma migração tão alta para o solo brasileiro.

Consequências da imigração haitiana para o Brasil e seus problemas sociais

            Ao chegarem no Brasil, os haitianos se deparam com a dificuldade para sobreviver no país, contrastando com a facilidade em adquirir trabalhos pesados, que não exigem grau de escolaridade.

“A entrada de haitianos no Brasil ganhou força depois que um terremoto devastou o país caribenho em 2010, matando cerca de 300 mil pessoas. A maior parte dos haitianos chega pela cidade de Brasiléia, no Acre. Só em 2015, foi registrada a entrada de mais de 7 mil pessoas.

Atualmente, o Brasil emite mais de 100 vistos por mês para cidadãos do Haiti, conforme o Ministério da Justiça.

O crescimento da imigração de haitianos preocupa, sobretudo, autoridades do Acre. O governador do estado, Tião Viana (PT), defende que a responsabilidade pela recepção dos imigrantes seja “compartilhada” por outros estados.” (RAMALHO 2015)

            Uma das questões que faz agravar os problemas econômico-sociais, além de influenciar diretamente na cultura brasileira é a entrada de um grande número de haitianos no Brasil. Será que falta mão-de-obra ou o Governo está facilitando a entrada dos haitianos, concedendo mais de 100 vistos por mês, porque sai mais barato e não gera problemas?

            A densidade populacional está aumentando dia após dia. O quanto maior a oferta de mão-de-obra, menores serão os salários e a valorização profissional dos brasileiros. Existe também um aumento significativo dos encargos da segurança social com a entrada dos imigrantes.

            Em alguns locais, os imigrantes dão origem a favelas, com escassez de infraestruturas habitacionais, podendo aumentar o número de pedintes, roubos e situações de miséria caso não consigam um emprego.

            Além disso, pode gerar grandes problemas sociais de integração. Entretanto, quando a integração é pacífica, pode existir enriquecimento e aumento da pluralidade cultural. 

Considerações Finais

            Vício é definido como o costume de fazer sempre a mesma coisa, sinônimo de defeito, problema. Percebe-se que ao longo deste trabalho, vícios sociais foram tratados como hábitos problemáticos praticados por cidadãos pertencentes a uma comunidade. Coube discorrer sobre os diversos problemas existentes no Brasil, no Haiti e na junção social destas nações.

            O Brasil é um país extenso e acolhedor. Sofreu muito ao longo de todo o processo de colonização, independência e construção de sua identidade cultural, política, econômica e linguística. Atualmente, sofre diversos problemas financeiros, com sua economia sem rédeas.

            Os últimos três anos foram marcados por intensos movimentos reivindicatórios, a fim de mudar todo um sistema político e administrativo. Milhares de pessoas foram para as ruas, gritando e cantando, vestidos de verde e amarelo.

            Além das diversas questões que já afligem o país desde os primórdios, a intensa imigração de haitianos para o Brasil pode piorar as coisas. Sem ter um limite usual quanto aos vistos, sua entrada está acontecendo de forma desenfreada. Salienta-se que o Brasil não se omite quanto ao auxílio humanitário estabelecido pela ONU, pelo contrário, envia centenas de militares todos os anos para cumprir esta nobre missão.  

            O Haiti, por sua vez, encontra-se numa miséria infinita. Um dos mais ricos países do mundo, em pouco tempo tornou-se um dos mais pobres. Cenário de belas praias e revoltas internas diárias, trata suas mulheres e crianças de forma indigna, sendo este um dos mais sérios problemas culturais.

            Com isto, grande parte de sua população tem vindo residir no Brasil, em busca de condições de vida mais dignas e trabalho remunerado. Daí surgem diversos problemas como a alta densidade populacional, a desvalorização da mão-de-obra brasileira devido à grande oferta de mão-de-obra estrangeira (barata e sem muito custo para os empregadores) e a necessidade de ampliar serviços públicos que não são suficientes sequer para os brasileiros.

            Claro que não se deve focar na figura cruel do etnocentrismo, pensando no Brasil como o padrão referencial, enquanto os haitianos são levados à condição de invasores, que apenas colocam em risco a segurança e a estabilidade do país. Pelo contrário, a imigração possibilita diversos diálogos, como a política de imigração, a distinção sem abusos, as relações internacionais, além da pluralidade gigantesca cultural. Emigrar não é algo tão recente o povo do Haiti, mas para o Brasil é uma experiência relativamente nova, iniciando a migração da massa há bem menos de uma década. A escolha do país acontece por vários motivos, diferente do que pensa o Governo Brasileiro ao atribuir esse fenômeno apenas ao terremoto de janeiro de 2010.

            Agora, não é porque existem prós que deve-se esquecer dos contras. É cediço que a migração em excesso pode vir a elevar ou até mesmo causar diversos outros problemas, sendo necessário limitar não só a imigração de haitianos como também de outros países, principalmente da América do Sul (devido à grande proximidade e facilidade em adentrar ao país).

            Inicialmente, a medida correta a ser tomada seria controlar os vistos emitidos para estrangeiros, caso contrário, o país afundará ainda mais em dívidas e desemprego. Turismo fortalece a economia, alta densidade populacional com baixa qualidade de vida leva à bancarrota.

            Em segundo plano, campanhas federais mais eficazes, mesmo que repetitivas, com o objetivo de sanar vícios sociais que têm impedido o Brasil de avançar culturalmente. Dentre elas, o foco na educação realizada pelos pais, dentro do ambiente familiar, em assuntos como a probidade, a igualdade de raças, a paz dentro das escolas (evitando o bullying e desrespeito aos professores), o incentivo ao estudo, a não discriminação.

            Faça um teste: quantas campanhas do Governo Federal vêm à sua cabeça neste exato momento? Provavelmente pensou em uma ou duas, talvez a Campanha do Ministério da Educação divulgando o ENEM. Justamente, não existe nada forte o bastante para mudar a mentalidade brasileira.

            Um país ignorante não avança, incentivo é a palavra-chave. É impossível lutar contra algo abstrato e vencer. Mesmo parecendo prepotência, é mais coerente definir objetivos e soluções do que buscar por algo que não existe.

            Diversas situações têm abalado a estrutura do país. Após estudar a história, percebe-se que os vícios não surgiram do dia para a noite e a solução também não surgirá. É essencial que políticas públicas sejam criadas para ‘N’ fatores que têm influenciado a sociedade, para isto, o Governo e todo seu sistema devem arrancar as vendas de seus olhos, admitirem os problemas e solucioná-los. Além disso, é de suma importância que as famílias exerçam seu poder familiar e também participem ativamente com seus filhos nas decisões do Governo, ensinando-os a estudar, pensar, e agir; afinal, formadores de opinião com visão própria e alicerçada mudam o mundo.

           

Referências

7graus. O que é Yin Yang. 07 de 04 de 2015. http://www.significados.com.br/ying-yang/.

BENEVIDES, Maria Victoria. A Questão Social no Brasil. 04 de 05 de 2015. http://www.hottopos.com/vdletras3/vitoria.htm.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. 5 de outubro de 1988. (acesso em 08 de junho de 2015).

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil - o longo caminho. 13. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

CAVALCANTE, Andrey. Corrupção e revolta. 11 de março de 2015. http://www.tudorondonia.com.br/noticias/corrupcao-e-revolta-por-andrey-cavalcante,50705.shtml (acesso em 05 de junho de 2015).

CHEROBIM, Leonardo, entrevista feita por Karoline Eloise Manjinski Cherobim. Haiti Ponta Grossa, Paraná, (2012).

Cidadania e Justiça. 20 de abril de 2014. http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2014/04/bolsa-familia-atende-a-mais-de-14-1-milhoes-de-familias-em-abril (acesso em 13 de maio de 2015).

Departamento do Cadastro Único/Senarc/MDS. “Cartilha do Cadastro Único.” Cartilha. 2012.

DONATO, Hernâni. Dicionário das batalhas brasileiras. 2. São Paulo: Ibrasa, 1996.

GOMES, Amanda. De 1992 a 2015: conheça os ideais dos "novos caras-pintadas". 14 de 03 de 2015. http://noticias.terra.com.br/brasil/politica/de-1992-a-2015-conheca-os-ideais-dos-novos-caras-pintadas,a66635459051c410VgnVCM3000009af154d0RCRD.html (acesso em 15 de 03 de 2015).

Haiti - entre um sonho de liberdade e a tragédia do mundo real. 13 de 03 de 2015. http://www.educacional.com.br/reportagens/haiti/parte-03.asp.

MILANI, Aloisio. Revolução Negra. janeiro de 2008. http://www2.uol.com.br/historiaviva/reportagens/revolucao_negra_5.html (acesso em 23 de 03 de 2015).

OERJ. Mobilização pela internet ainda não trouxe mudanças profundas. Rio de Janeiro, RJ, 08 de outubro de 2014.

PINTO, Vinicius. Redes sociais se tornam importantes ferramentas de protesto. 2015. http://viniciuspinto.com/midias-sociais/redes-sociais-se-tornam-importantes-ferramentas-de-protesto/ (acesso em 07 de 06 de 2015).

Principais revoltas no Brasil. 23 de junho de 2013. http://tribunadonorte.com.br/noticia/principais-revoltas-no-brasil/253718.

RAMALHO, Renan. Governo vai aumentar vistos para haitianos virem ao Brasil, diz ministro. 04 de 06 de 2015. http://g1.globo.com/politica/noticia/2015/06/governo-vai-aumentar-vistos-para-haitianos-virem-ao-brasil-diz-ministro.html (acesso em 04 de 06 de 2015).

RAULINO, Marcelo. Na véspera dos protestos, 63% dos brasileiros apoiam impeachment de Dilma. 12 de 04 de 2015. http://www.cearaagora.com.br/site/2015/04/na-vespera-dos-protestos-63-dos-brasileiros-apoiam-impeachment-de-dilma/ (acesso em 12 de 04 de 2015).

SANTOS, José Luiz dos, Carlos Alberto M. PEREIRA, e Martin Cézar FEIJÓ. Primeiros Passos. 14. São Paulo: Círculo do Livro, 1994.

SETTI, Ricardo. PROTESTOS: O movimento não tem um foco definido e pode ter o mesmo fim dos "indignados" na Europa: não deu em nada. 21 de junho de 2013. http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/politica-cia/protestos-o-movimento-nao-tem-um-foco-definido-e-pode-ter-o-mesmo-fim-dos-indignados-na-europa-nao-deu-em-nada/ (acesso em 02 de 06 de 2015).


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso