A presente pesquisa tem como objetivo analisar, com base na criminologia, a música “100% feminista”, que retrata a violência doméstica contra a mulher no Brasil.

1 INTRODUÇÃO 

A criminologia é a ciência que estuda o crime juntamente com a reação social a ele, estuda também a vítima e o autor, não ficando somente na interpretação e aplicação das leis. Nas palavras de Shecaira (2004), criminologia

É um nome genérico designado a um grupo de temas estreitamente ligados: o estudo e a explicação da infração legal; os meios formais e informais de que a sociedade se utiliza para lidar com o crime e com atos desviantes; a natureza das posturas com que as vítimas desses crimes serão atendidas pela sociedade; e, por derradeiro, o enfoque sobre o autor desses fatos desviantes.

A música "100% feminista", que será analisada nessa pesquisa, retrata a realidade da violência doméstica contra a mulher no Brasil, traz o movimento feminista como empoderador e tenta tirar a sociedade da cegueira branca - não uma cegueira física, mas sim um estado de alienação onde é impossível enxergar a realidade ao redor. (SARAMAGO, 1995).

2 DESENVOLVIMENTO 

A violência doméstica contra as mulheres "é tudo que tira os direitos humanos numa perspectiva de manutenção das desigualdades hierárquicas existentes para garantir obediência, subalternidade de um sexo a outro” (SAFFIOTI, 2001), caracterizando-se, assim, como uma forma de dominação permanente. É reflexo de uma ideologia de gênero produzida e reproduzida por homens e mulheres, onde o homem é a figura dominante e faz com que a mulher, dominada, perca a sua autonomia, sua liberdade de pensar, querer, sentir e agir por vontade própria. Essa ideologia naturaliza a mulher como inferior devido à maternidade, que torna a mulher um ser para os outros.[1](CHAUÍ, 1985). Assim, a mulher se torna um ser dependente, sem voz; o que resultará em desigualdades hierárquicas. Na música, os versos "Mulher oprimida, sem voz, obediente” e "Me ensinaram que éramos insuficientes” retratam essa condição de inferioridade das mulheres em relação aos homens. 

Segundo Pierre Bourdieu (1998), a dominação do homem é possível porque

A ordem social funciona como uma imensa maquina simbólica, tendendo a ratificar a dominação masculina na qual se afunda: é a divisão social do trabalho, distribuição muito restritiva das atividades atribuídas a cada um dos dois sexos, de seu lugar, seu momento, seus instrumentos…

Sendo assim, a mulher sofre uma violência simbólica, que naturaliza sua condição de inferioridade.

Violência simbólica, violência suave, insensível, invisível à suas próprias vítimas, que se exerce, essencialmente, pelas vias puramente simbólicas da comunicação e do conhecimento ou, mais precisamente, do desconhecimento, do reconhecimento ou, em ultima instância, do ‘sentimento’. (BOURDIEU, 2012, p. 8, negrito nosso).

A violência simbólica vai além da violência física, psicológica ou sexual. Ela está dissolvida nas praticas sociais, incorporada ao habitus, de forma tão sutil e enraizada que a vitima reproduz os padrões sociais da classe dominante como se fossem sua própria verdade - uma sociedade mergulhada na cegueira branca. A violência simbólica naturaliza a cultura, as ideias e os valores dos dominantes como se fossem universais, legitimando a superioridade masculina. Os versos "Eu tinha uns cinco anos, mas já entendia que mulher apanha se não fizer comida” e "Tentam nos confundir, distorcem tudo que eu sei” da música "100% feminista” retratam a incorporação da ideologia dominante como sendo a correta, a natural. 

Para que ocorra a manutenção da violência simbólica e para que as relações de poder entre os gêneros sejam mantidas e fortalecidas, é necessário o uso de alguns instrumentos, como a violência física, que “é estrutural, constitutiva dos sistemas de dominação e exploração, e sua utilização é um dos mecanismos também empregados para conservar as relações de poder” (ROCHA, 2007, p. 13).

Na música de Mc Carol e Karol Conka, a violência doméstica física contra a mulher é explicitada nos versos "Presenciei tudo isso dentro da minha família, mulher com olho roxo, espancada todo dia” e "Mulher apanha se não fizer comida”. No Brasil, a Lei Maria da Penha (2006), no seu artigo 7º, tipifica a violência física como uma das formas de violência doméstica, sendo “entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal”. No primeiro semestre de 2015, a Central de Atendimento à Mulher - Ligue 180 registrou 32.248 relatos de violência contra mulher, sendo 51,16% relatos de violência física. Em 70,71% dos casos, quem cometeu as violências tem ou tinha algum vinculo de afeto com a vitima, seja companheiro, cônjuge, amante. 

Com objetivo de empoderar as mulheres e de mudar a sua situação passiva frente à cultura de dominação masculina, surge o movimento feminista.

O feminismo busca repensar e recriar a identidade de sexo sob uma ótica em que o indivíduo, seja ele homem ou mulher, não tenha que se adaptar-se a modelos hierarquizados, e onde as qualidades “femininas” ou “masculinas” sejam atributos do ser humano em sua globalidade. Que a afetividade, a emoção, a ternura possam aflorar sem constrangimentos nos homens e serem vivenciadas, nas mulheres, como atributos não desvalorizados. Que as diferenças entre os sexos não se traduzam em relações de poder que permeiam a vida de homens e mulheres em todas as suas dimensões:no trabalho, na participação política, na esfera familiar, etc… (ALVES; PITANGUY, 1985, p. 9-10, negrito nosso).

O feminismo como forma de libertação da mulher é o cerne da ideia da música, que traz a figura feminina quebrando o habituse as relações de poder onde o homem é o dominante - "Quando eu crescer eu vou ser diferente. Eu cresci, prazer Carol bandida, represento as mulheres, 100 por cento feminista”, "Eu que mando nessa porra, eu não vou lavar a louça”, "Sou mulher independente não aceito opressão, abaixa sua voz, abaixa sua mão”, "Mais respeito, sou mulher destemida”, "Tô no mar crescente porque eu faço diferente”.

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS 

A violência doméstica contra a mulher vai muito além da violência física. Ela é também uma violência simbólica, que esta diluída na cultura, nas relações de poder, em todos os aspectos sociais, e é reproduzida tanto pelos dominantes quanto pelos dominados. A mulher assume involuntariamente um papel de inferioridade, que pode ser revertido através do empoderamento que o feminismo proporciona. A música "100% feminista” retrata os fatores sociais do crime, reconhece que a violência doméstica está enraizada na cultura e mostra a mulher vitimada quebrando essas barreiras sociais de gênero e se impondo perante seu agressor, exigindo respeito e igualdade. 

4 REFERÊNCIAS

ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jacqueline. O que é feminismo. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 11.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

______. O poder simbólico. 7.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

 BRASIL. Central de Atendimento a Mulher Ligue 180 - Balanço 1º semestre 2015. 2015. Disponível em: <http://www.spm.gov.br/assuntos/violencia/ligue-180-central-de-atendimento-a-mulher/balanco1sem2015-versao-final.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2017.

______. Lei no 11.340. 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm>.

CHAUí, Marilena. Participando do Debate sobre Mulher e violência. apud. SANTOS, Cecilia Macdowell; IZUMINO, Wânia Pasinato. Violência contra as Mulheres e Violência de Gênero: Notas sobre Estudos Feministas no Brasil. Estudios Interdisciplinarios de América Latina y El Caribe. vol.16, 2005. Disponível em: <http://eial.tau.ac.il/index.php/eial/article/view/482/446>. Acesso em: 25 ago. 2017.

MC CAROL; CONKA, Karol. 100% feminista. Rio de Janeiro: Heavy Baile Sounds & Skol Music, 2016. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=W05v0B59K5s>.

ROCHA, Lourdes de Maria L. N. Casas-abrigo: no enfrentamento da violência de gênero. São Paulo: Veras Editora, 2007.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. O poder do macho. 11.ed. São Paulo: Moderna, 2001.

SARAMAGO, José. Ensaio sobre a cegueira. 1.ed. São Paulo: Companhia Das Letras, 1995.

SHECAIRA, Sérgio Salomão. Criminologia. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.


[1]Definida como esposa, mãe e filha (ao contrário dos homens para os quais ser marido, pai e filho é algo que acontece apenas), são definidas como seres para os outrose não como seres com os outros”. (CHAUÍ, 1895).



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0