Principais aspectos relacionados ao conceito de poder familiar para o Código Civil.

1. Do conceito

1.1 – Poder Familiar

 Ab initio, cumpre esclarecer que o poder familiar é originado do denominado pátrio poder, que advém do Código Civil de 1916, assim como do Estatuto da Criança e do Adolescente. Tal termo era referente ao poder do pai perante os filhos e a família, demonstrando uma hierarquia da figura masculina em detrimento da mulher.

Já no código civil de 2002, surgiu o poder familiar trazendo a ideia de que este poder deve ser exercido por ambos os pais, ou seja, tanto o pai quanto a mãe têm direitos e deveres no tocante aos filhos menores.

Nesse liame, tem-se que os filhos, enquanto menores, estão sujeitos ao poder familiar, com direitos e deveres recíprocos, composto de um rol taxativo, nos termos do artigo 1630 do Código Civil 2002:

 Art. 1.630. Os filhos estão sujeitos ao poder familiar, enquanto menores.

1.2 – Direitos e deveres de quem detém o poder familiar

A despeito disso, o artigo 1634 do mesmo Codex, com as alterações trazidas pela Lei nº 13.058, de 2014, traz, no que consiste o poder familiar dos pais, o seguinte: 

Art. 1.634.  Compete a ambos os pais, qualquer que seja a sua situação conjugal, o pleno exercício do poder familiar, que consiste em, quanto aos filhos:      (Redação dada pela Lei nº 13.058, de 2014)

I - dirigir-lhes a criação e a educação;

II - exercer a guarda unilateral ou compartilhada nos termos do art. 1.584 ; 

Neste caso, as modalidades de guarda podem ser requeridas, por consenso, pelos pais ou decretada pelo juiz, sendo que na guarda unilateral, um dos pais possui a guarda de fato e outra a companhia, enquanto na guarda compartilhada, ambos os pais possuem a guarda do filho.

III - conceder-lhes ou negar-lhes consentimento para casarem; 

A partir dos 16 (dezesseis) anos de idade – até a maioridade – o adolescente pode se casar, desde que haja consentimento dos pais. Na hipótese de não haver este consentimento, há a ação de suprimento de autorização para casamento, na qual o juiz, caso entenda, pode suprimir a vontade dos pais.

IV - conceder-lhes ou negar-lhes consentimento para viajarem ao exterior;      

 V - conceder-lhes ou negar-lhes consentimento para mudarem sua residência permanente para outro Município; 

Neste caso, assim como nos dois acima, também é necessário o consentimento dos pais. Todavia, o juiz pode suprir a vontade de um dos pais, caso haja motivação. Por exemplo, os pais da criança são divorciados e a guarda está com a genitora, que passou em um concurso em outra cidade e deve se mudar para o local a fim de exercer a profissão, comprovando, inclusive, que tem as condições necessárias para continuar criando o filho. Ocorre que o genitor não aceita a mudança, porém, o juiz pode suprir essa vontade, vez que há real motivação para tal mudança da genitora com o filho.

VI - nomear-lhes tutor por testamento ou documento autêntico, se o outro dos pais não lhe sobreviver, ou o sobrevivo não puder exercer o poder familiar;  

VII - representá-los judicial e extrajudicialmente até os 16 (dezesseis) anos, nos atos da vida civil, e assisti-los, após essa idade, nos atos em que forem partes, suprindo-lhes o consentimento;

Em tal caso, os pais representam o filho até os 16 (dezesseis) anos e assistem-no a partir desta idade até os 18 (dezoito) anos de idade. Vejamos na prática: o menor com 16 (dezesseis) anos pretende vender uma fazenda, sendo representado pelos pais, os quais irão assinar pelo filho. Por outro lado, o filho maior de 16 e menor de 18, que pretender vender uma fazenda, será apenas assistido pelos genitores, ou seja, o menor e os pais assinarão o contrato.

VIII - reclamá-los de quem ilegalmente os detenha;     

Vamos elucidar através de um exemplo: o genitor detém a guarda unilateral do filho. No entanto, a genitora toma conhecimento de que o pai da criança está, na verdade, morando sozinho, enquanto o filho reside com os avós em outra residência. Neste caso, ela pode propor uma ação de modificação de guarda, cabendo ao juiz analisar a motivação e determinar se haverá a mudança da guarda.

IX - exigir que lhes prestem obediência, respeito e os serviços próprios de sua idade e condição.


2. Das causas de suspensão, perda e extinção do poder familiar

2.1 - O Código Civil de 2002 traz, ainda, as hipóteses de suspensão, perda e extinção deste poder familiar. Vejamos:

2.2 – Das causas de suspensão do poder familiar

Nestas hipóteses de suspensão, o poder é apenas suspenso, ou seja, não é definitivo, mas sim, uma “pausa” no poder familiar, sendo que o filho sempre voltará para os pais.

Só suspenderá o poder familiar dos pais em relação àquele filho que sofreu alguma das causas de suspensão, sendo que o Ministério Público, ou qualquer outra pessoa interessada, pode mover a ação.

O artigo 1637 do Código Civil traz as causas em que devem ser adotadas as medidas para a segurança do menor, inclusive suspendendo o poder familiar, se necessário. Vejamos quais causas são essas:

· Quando o pai abusar de seu poder;

· Quando o pai faltar com seus deveres;

· Quando o pai arruinar os bens do filho;

O parágrafo único do artigo susomencionado traz, também, a hipótese de quando houver condenação por sentença penal transitada em julgado com pena superior a dois anos. Ressalte-se, nesta hipótese, que a pena da suspensão será de dois anos (mesmo tempo da condenação).

2.3 – Das causas de perda do poder familiar

Esta é considerada a mais grave situação de afastamento do poder familiar determinada por decisão judicial.

Para comprovar isso, basta observamos o artigo 1638 do Código Civil:

 Art. 1.638. Perderá por ato judicial o poder familiar o pai ou a mãe que:

I - castigar imoderadamente o filho;

II - deixar o filho em abandono;

III - praticar atos contrários à moral e aos bons costumes;

IV - incidir, reiteradamente, nas faltas previstas no artigo antecedente.

V - entregar de forma irregular o filho a terceiros para fins de adoção. 

Destaque-se que, no caso do inciso IV, onde está a expressão "reiteradamente", não se sabe precisar quantas vezes configuraria tal frequência, vez que não há unanimidade na jurisprudência sobre essa questão. Ressalte-se, também, que detentor do poder familiar que agrida um filho, perderá o poder familiar de todos os outros.

Perderá o poder familiar, ainda, quem praticar, contra outrem ou contra o próprio filho ou descendente, “[...] homicídio, feminicídio ou lesão corporal de natureza grave ou seguida de morte, quando se tratar de crime doloso envolvendo violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher; [...] estupro, estupro de vulnerável ou outro crime contra a dignidade sexual sujeito à pena de reclusão.”

2.4 – Das causas de extinção do poder familiar

A extinção do poder familiar é uma interrupção definitiva deste poder, que pode ser causada por fatos imputáveis, ou não, aos pais, assim como preceitua o artigo 1635 do Código Civil. Vejamos:

 Art. 1.635. Extingue-se o poder familiar:

I - pela morte dos pais ou do filho;

II - pela emancipação, nos termos do art. 5 o, parágrafo único;

III - pela maioridade;

IV - pela adoção;

V - por decisão judicial, na forma do artigo 1.638  - o qual trata das causas de perda do poder familiar.

Frise-se que o fato de o genitor ou a genitora contrairem novas núpcias não é razão para a perda do poder familiar, sendo que o pai ou a mãe continuará exercendo esse poder sobre o filho, sem a interferência do novo cônjuge.


3 – Conclusão

O presente artigo tem o fito de trazer, de forma cristalina e objetiva, o conceito de poder familiar no âmbito do Direito Civil – mais especificadamente no Direito de Família – bem como apresentar as suas causas de suspensão, perda e extinção.

Impende ressaltar, ainda, que este artigo trouxe de forma geral o assunto exposto. No entanto, o tema é de extrema relevância e requer um estudo mais aprofundado para seu entendimento.


4 – Referências

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10406compilada.htm

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso