As vicissitudes da atuação de dois juízes simultaneamente na mesma Vara do Trabalho

Na Justiça do Trabalho do TRT da 3a. Região, tem sido comum a atuação de 2 juízes, simultaneamente, principalmente nas de maior volume processual.

Na minha opinião este fato vai de econtro à redução de servidores, uma vez que apenas há reposição quando a entrada do novo servidor não acarretar aumento da folha de pagamento. Ou seja, só há reposição quando o servidor pede exoneração ou quando morre sem deixar dependentes.

Sou juíza titular há cerca de 7 anos e percebo claramente a dificuldade da secretaria lidar com 2 juízes ao mesmo tempo. Primeiro, teríamos que ter 2 secretários de audiência, o que não ocorre, devido à escasez de servidores. E os assistentes? Aí a coisa piora. Segundo, porque um juiz pode mandar penhorar um bem pela manhã e outro juiz determinar o levamentamento da penhora à tarde, no mesmo dia. Virou bagunça! E a Vara do Trabalho que se vire para lidar com posições contrárias de dois juízes.

Entendo que o juiz titular precisa ter soberania para gerir a vara bem como suas decisões. O trabalho é árduo. Muito! Mas 2 juízes na mesma vara nao resolvem o problema, mas podem até piorar.

O juiz substituto é extremamente necessário na ausência do titular, nas férias, licenças, etc, mas atuar de forma conjunta é extrememente complicado e desgastante.

Este é apenas um pequeno relato e desabafo para que a carreira possa refletir sobre a situação.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso