Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

ArtigoDestaque dos editores

Natureza jurídica das contribuições sociais

No presente artigo vamos falar sobre a natureza jurídica das contribuições sociais, ressaltando as controvérsias da doutrina e jurisprudência.

No presente artigo vamos falar sobre a natureza jurídica das contribuições sociais, ressaltando as controvérsias existentes na doutrina e jurisprudência.

Segundo, o ilustre autor Carlos Alberto Pereira de Castro[1], várias teorias se formaram para definir a natureza jurídica das contribuições sociais, porém as mais significativas são: teoria fiscal, a teoria parafiscal e a teoria da exação sui generis.

A Teoria Fiscal, sustenta ser a contribuição social uma obrigação tributária, ou seja, uma prestação pecuniária compulsória paga ao Estado (lato sensu), com a finalidade de constituição de fundo econômico destinado ao fomento do Sistema de Seguridade Social. Logo, a aludida contribuição é um tributo.

A aludida tese, apesar de certa consolidação, é criticada, pois, segundo alguns doutrinadores, não se pode enquadrar a contribuição em nenhuma das espécies tributárias (impostos, taxas ou contribuição de melhoria).

A Teoria Parafiscal, na verdade, é um complemento à Teoria Fiscal, pois sustenta-se a mesma natureza tributária da contribuição social, mas com a característica de estar destinada a um fim em específico, ao contrário de um imposto, consistente no futuro benefício previdenciário.

A chamada Teoria da Exação sui generis, sustentada pelos doutrinadores que se especializaram no Direito Previdenciário, afirma que a contribuição social é uma imposição estatal atípica, cogente, prevista no texto constitucional e na legislação ordinária. Por não ser tributo, seria uma exação sui generis, uma exigência com previsão em lei.

Com o advento da Constituição de 1988 concretizou a natureza tributária das contribuições sociais ao estabelecer, com base em seu art. 149, que estas só poderiam ser exigidas por meio de lei complementar, respeitando-se os princípios da irretroatividade da lei e da anterioridade (art. 150, inciso III, alíneas a e b). Ainda, o aludido artigo 149 exige a observância ao inciso III do art. 146 da Carta Magna (exigência de observância a Lei Complementar para fixação do fato gerador, base de cálculo e contribuinte). Trata-se, portanto, da estrita observância a institutos de natureza também tributária.

Roque Carraza citado por Carlos Alberto Pereira Castro e João Batista Lazzari[2], também defende a natureza tributária das contribuições a seguridade Social: “(...) as ‘contribuições’ são, sem sombra de dúvida, tributos, uma vez devem necessariamente obedecer ao regime jurídico tributário, isto é, aos princípios que informam a tributação, no Brasil. Estamos, portanto, que estas ‘contribuições sociais’ são verdadeiros tributos (embora qualificados pela finalidade que devem alcançar)”.

Por outro lado, Marco Aurélio Greco citado pelo eminente Professor Juraci Altino de Souza[3], destoa dessa linha de pensamento, sustentando que o texto constitucional aponta para uma natureza não tributária das contribuições, argumentando da seguinte forma:

“De fato, se o art. 149 determina seja aplicada a disciplina típica do Direito tributário, se manda aplicar as normas gerais de Direito tributário, se impõe limitações da legalidade, anterioridade e irretroatividade para as contribuições, é porque elas não estão dentro do âmbito tributário. Não pertencem a este gênero. Se estivessem, não precisaria mandar observar tais ou quais regras e critérios; se a intenção fosse dar-lhes a natureza tributária, bastaria incluir um item IV ao art. 145 e toda a sistemática e regime tributário seriam automaticamente de observância obrigatória. Ou então, bastaria determinar a aplicação integral do regime tributário e prever as edições que julgasse pertinentes, com faz com os impostos.”

Também trilhando o mesmo entendimento de que as contribuições sociais não são de natureza tributária, Marçal Justen Filho, citado pelo Professor Juraci Altino[4], afirma que ao prever, como regra geral, a submissão das contribuições ao regime jurídico tributário, Constituição confirmou a inexistência de identidade total e rigorosa entre as duas figuras, eis que, se assim fosse, não teriam sentido as regras do art. 149 e 154, sendo insuficiente a disciplina geral sobre os tributos. Desta forma conclui o autor, “as contribuições especiais sujeitam-se ao regime tributário, mas com determinados temperamentos, derivados de suas características.”

No mesmo sentido Wladimir Novaes Martinez, citado por Carlos Alberto Pereira castro [5] sustenta que tal exação não possui natureza jurídica tributária: “Abrigando-se a existência de um sistema Exacional Nacional, persistentes regras universais comuns às espécies tributárias e securitárias e inexistente menção à contribuição social previdenciária no art. 149 da lei Maior – em face da especificidade da Previdência Social, o aporte ora cogitado econômico-financeiramente é salário socialmente diferido, e juridicamente, exação não tributária.”

O eminente professor Juraci Altino de Souza[6], conclui dizendo que:

“O próprio Supremo Tribunal Federal já reconheceu a natureza jurídica tributária das contribuições quando, ao se manifestar sobre a Contribuição Social sobre o lucro, dispõe que não é inconstitucional a instituição da contribuição social das pessoas jurídicas, cuja natureza é tributária.”

Carlos Alberto Pereira Castro e João Batista Lazzari[7], que também filiaram a orientação que predominou na doutrina e jurisprudência após a Constituição de 1988, de que as contribuições destinadas ao financiamento da Seguridade Social possuem Natureza Jurídica Tributária, pois estão sujeitas ao regime constitucional peculiar aos tributos, ressalvada apenas a previsão do parágrafo 6º. Do art. 195 da Carta Magna. Finalizam dizendo o seguinte:

“Em nível jurisprudencial, destacamos a orientação firmada pelo Supremo Tribunal Federal no sentido de que a contribuição de Seguridade social não só se qualifica como modalidade autônoma de tributo (RTJ 143/684), como também representa espécie tributária essencialmente vinculada ao financiamento da Seguridade Social, em funçao de específica destinação constitucional (ADC8-MC, Rel. MIn. Celso de Mello, julgamento em 13.10.99, DJ de 4.4.2003).

Esse também é o entendimento do ilustre professor Oscar valente Cardoso[8]. Vejamos:

“o custeio da Previdência Social se dá por meio do recolhimento de tributos, e as contribuições previdenciárias constitui espécie do gênero contribuições sociais, previstas nos arts. 149 e 195 da Constituição. O STF reiteradamente reconhece a natureza tributária das contribuições previdenciárias, como no RE 138284/CE (Pleno, rel. Min. Carlos Velloso, j. 01/07/1992, DJ 28/08/1992, p. 134561 e no RE 556664/RS (Pleno, rel. Min. Gilmar Mendes, j. 12/06/2008, Dje 13/11/2008), entre outros julgados.

PELO EXPOSTO, constata-se que embora haja divergência quanto à natureza jurídica das contribuições sociais, alguns argumentando que se trata de natureza fiscal, parafiscal ou exação sui generis, a doutrina majoritária e jurisprudência concluíram que sua natureza é de tributo. O próprio Supremo Tribunal Federal consolidou em sua jurisprudência no sentido de que a natureza jurídica das contribuições sociais é tributária, sendo portanto inquestionável a sua natureza jurídica.


BIBLIOGRAFIA

CARDOSO, Oscar Valente. Contribuições Sociais: natureza jurídica e aspectos controvertidos. Fonte: IEPREV (instituto de ensino previdenciário), site fechado de previdenciário que somente libera os textos para assinantes. Material de Aula 1ª. Da Disciplina: Financiamento e Custeio da Seguridade Social, ministrada no Curso de Pós- Graduação Televirtual de Direito Previdenciário – Anhanguera–Uniderp / Rede LFG, 2011.

CASTRO, Carlos Alberto Pereira de e LAZZARI, João Batista. Manual de direito previdenciário. 13ª Ed. São Paulo: Conceito, 2011.

SOUZA, Juraci Altino de. O Regime Jurídico das contribuições Especiais no Direito Brasileiro. Fonte: IEPREV (instituto de ensino previdenciário), site fechado de previdenciário que somente libera is textos para assinantes. Material da Aula 2ª. Da Disciplina: Financiamento e Custeio da Seguridade Social, ministrada no Curso de Pós-Graduação Televirtual de Direito Previdenciário – Anhanguera - Uniderp / Rede LFG, 2011.


[1] CASTRO, Carlos Alberto Pereira de e LAZZARI, João Batista. Manual de direito previdenciário. 13ª Ed. São Paulo: Conceito, 2011, pg. 236.

[2] Op. Cit, pg. 237

[3] SOUZA, Juraci Altino de. O Regime Jurídico das contribuições Especiais no Direito Brasileiro. Fonte: IEPREV (instituto de ensino previdenciário), site fechado de previdenciário que somente libera is textos para assinantes. Material da Aula 2ª. Da Disciplina: Financiamento e Custeio da Seguridade Social, ministrada no Curso de Pós-Graduação Televirtual de Direito Previdenciário – Anhanguera - Uniderp / Rede LFG, 2011, pg. 6

[4] ibidem, pg.6

[5] Op. Cit, pg. 237-238

[6] Op. Cit, pg. 6

[7] O. Cit, pg. 238

[8] CARDOSO, Oscar Valente. Contribuições Sociais: natureza jurídica e aspectos controvertidos. Fonte: IEPREV (instituto de ensino previdenciário), site fechado de previdenciário que somente libera os textos para assinantes. Material de Aula 1ª. Da Disciplina: Financiamento e Custeio da Seguridade Social, ministrada no Curso de Pós- Graduação Televirtual de Direito Previdenciário – Anhanguera – Uniderp / Rede LFG, 2011, pg. 3-4

Assuntos relacionados
Sobre a autora
Imagem do autor Neudimair Vilela Miranda Carvalho
Neudimair Vilela Miranda Carvalho

NEUDIMAIR VILELA MIRANDA CARVALHO, sócia fundadora do escritório VILELA CARVALHO, em Goiânia, Goiás, Brasil, iniciou sua trajetória jurídica em 2007, é especialista em Processo Civil, Mediação e Conciliação judicial e extrajudicial, Direito do Trabalho e Previdenciário, atua em diversas áreas Cíveis: Família e Sucessões, Contratos, Consumidor, Empresarial, Trabalhista e Previdenciário. O Escritório atua no âmbito juridico consultivo e contencioso para pessoas físicas e jurídicas, oferecendo soluções jurídicas modernas, eficazes e adequadas, sob os princípios da ética e da justiça, com excelência técnica e foco nos resultados que importem na tranquilidade, segurança, transparência e a satisfação do cliente, a fim de fidelizar os clientes através da construção de sólidos relacionamentos.

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

CARVALHO, Neudimair Vilela Miranda. Natureza jurídica das contribuições sociais. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 26, n. 6683, 18 out. 2021. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/92498. Acesso em: 29 jun. 2022.

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!