Os grupos sociais seguem uma programação pelo sistema dominante.

Pode parecer até uma correlação louca, proposta por um nerd ficcionado em filmes cyberpunk, mas o sistema capitalista contemporâneo apresenta grandes similaridades com a simulação vivida pelas personagens do filme Matrix (produção dirigida por Lana Wachowski, Lilly Wachowski) quando se trata da simulação apresentada no enredo e a questão da mobilidade social dentro do mundo real.

Baseado nessa comparação (digamos que única) entre o filme e a mobilidade social, busca-se nesse trabalho aproximar a filosofia embutida no filme com os aspectos sociológicos reais, passeando levemente pelo campo dos direitos básicos do cidadão.

Realizado essa explicação, inicia-se, aqui, a tentativa de levar o leitor a uma compreensão e construção da essência desse trabalho que é falarmos da mobilidade social dentro da sociedade brasileira.

Primeiro, devemos explicar o que é mobilidade social.

Esse fenômeno é definido como o movimento de indivíduos em um sistema social hierárquico, geralmente definido pela estratificação social.

Já a estratificação social é um conceito sociológico usado para analisar e interpretar a classificação dos indivíduos e grupos sociais, com base nas suas condições socioeconômicas. Trata-se da usual pirâmide social.

Tipos de mobilidade social:

  • Vertical (crescente/decrescente): quando um indivíduo ou o grupo cresce na hierarquia e ascende uma classe superior a que estava antes ou quando decresce na hierarquia e passa a integrar uma classe social inferior à que estava antes.

  • Horizontal: Há apenas a uma mudança na posição que o indivíduo ou grupo ocupa na sociedade.

Mobilidade Social e Capitalismo

No capitalismo, embora haja mobilidade social, é visível um padrão hierárquico entre as camadas sociais, de modo que os grupos sociais seguem uma programação pelo sistema dominante, ou seja, pobres tendem à pobreza assim como os ricos tendem à riqueza.

Isso ocorre porque a classe alta detém os meios de produção, o poder político e econômico, em contrapartida aos pobres que compõem a classe operária.

Além disso, o sistema capitalista contemporâneo induz às classes mais pobres um sistema de consumo mais caro e oneroso, criando um ciclo de programação socioeconômico permanente (matrix).

Por que Matrix?

The Matrix é uma distopia, ou seja, uma narrativa passada em um universo opressivo, totalitário, onde o indivíduo não tem liberdade nem controle sobre si mesmo. Na obra, a humanidade está aprisionada por uma simulação, embora não tenha consciência disso. Essa realidade virtual, chamada "A Matriz" (o modelo), foi criada pelas máquinas para manter a população humana sob seu domínio e sugar a sua energia. (culturagenial.com)

Em nossa sociedade, temos uma visão equivocada do capitalismo no qual, com o trabalho árduo e com muito esforço, podemos ascender socialmente dentro da pirâmide social. Em tese, isso é o que defende a filosofia da meritocracia.

No entanto, a realidade mostra-se diferente pois, enquanto os mais favorecidos economicamente possuem melhor acesso às oportunidades de crescimento econômico, os mais pobres não conseguem acessar tais oportunidades com a mesma facilidade, perdendo acesso à educação de qualidade, mercado de trabalho e formação de alto nível.

Isso remonta à Matrix, onde a pessoa possui a ilusão de estar em um mundo onde ele é livre para movimentar-se socialmente sem notar os vários empecilhos impostos por esse mesmo mundo tido como livre.

Chegando a Zion!

Ainda citando o filme, há a famosa cidade de Zion, onde todas as pessoas sabem que o Mundo apresentado pela Matrix é apenas uma ilusão. Em Zion, os seres humanos são libertos de qualquer manipulação, sendo capazes de perceber um mundo tóxico e destruído pelas máquinas.

Pessoas em vulnerabilidade que possuem ciência de que o modelo capitalista contemporâneo limita o crescimento econômico e social (embora não o anule) possuem as mesmas características das personagens que vivem em Zion: eles sabem que isso é uma verdadeira guerra e conhecem a realidade.

Voltando à essa mesma realidade, estima-se que um brasileiro nascido no patamar mais baixo de renda, levaria cerca de nove gerações para chegar à renda média do país. Em comparação, na Dinamarca, isso seria possível em apenas duas gerações (dados do Fórum Econômico Mundial).

Em ambos os cenários, a principal causa para a grande desigualdade social e a baixa mobilidade entre as classes se dá pois ainda não temos qualidade na educação, saúde e segurança dentro do nosso país.

Sem tais políticas públicas, não há desenvolvimento social nos lugares de vulnerabilidade e, consequentemente, não há a criação de melhores oportunidades para todas as classes sociais.

Sem educação, as classes mais baixas permanecem com um senso crítico baixo sobre a sua realidade e acabam por sufocarem-se em uma bolha gerada por essa programação social de que o rico permanece rico e o pobre permanece pobre, sujeitando-se à mera felicidade de ter um emprego para sustento de sua família.

A verdade é que o sistema não programa o pobre para ser rico, assim como a Matrix não programa a sua pilha para enxergar a realidade. Dessa forma, ambos empregam o controle necessário para manter as coisas como estão.

A diferença na ficção para a realidade é que a mobilidade social, se aumentada, provoca maior crescimento econômico pois tende a elevar pessoas mais carentes à patamares econômicos melhores (fato que nem todos querem que aconteça).

Enquanto Zion tenta destruir as máquinas e libertar os seres humanos da simulação, a mobilidade social consciente frente ao capitalismo busca apresentar uma possibilidade de ascensão menos romantizada como é apresentada pelos os amantes da meritocracia dentro do sistema capitalista contemporâneo.


FONTES BIBLIOGRÁFICAS

Portal Politize. O que significa mobilidade social?. Disponível em https://www.politize.com.br/mobilidade-social/

Portal Uol. Mais pobre levaria 9 gerações para atingir renda média do país, diz estudo. Disponível em https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2020/01/22/ranking-social-global-brasil-mobilidade-social.htm

Portal Cultura Genial. Filme The Matrix, das irmãs Wachowski. Disponível em https://www.culturagenial.com/filme-the-matrix/


Autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

MATA, Leandro Ferreira da. Mobilidade social e o filme Matrix (1999). Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 26, n. 6731, 5 dez. 2021. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/95244. Acesso em: 26 jan. 2022.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso