Capa da publicação Princípios implícitos das licitações e da anulação e revogação

Princípios implícitos das licitações públicas e da anulação e revogação

Exibindo página 1 de 2
Leia nesta página:

Resumo: Este artigo trata dos princípios implícitos das licitações públicas e da anulação e revogação, à luz da Constituição Federal, da doutrina e jurisprudência majoritárias. O Estado com a pretensão de adquirir, alienar, realizar obras e serviços, bem como o particular, necessita firmar um contrato. Pode-se definir contrato como um acordo de vontades que cria direitos e obrigações recíprocas. Diante da habitualidade e importância de a administração pública celebrar contratos, a Carta Magna estabeleceu a obrigatoriedade de realizar licitação pública para a aquisição e alienação de bens, obras e prestação de serviços. Em seu Art. 22, inciso XXVII a Constituição Federal determinou a União a competência privativa para legislar sobre normas gerais de licitação e contratos administrativos. A matéria é regida pela Lei nº 8.666/1993, cuja aplicação abrange os poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios. Os princípios não positivados nas licitações públicas, neste caso, tem uma grande relevância porque constitui um dos principais instrumentos de controle. Sendo assim o gestor público deve estar ciente que ao licitar existem princípios implícitos e o não cumprimento desses pode causar a nulidade e prejuízo a população brasileira.

Palavras-chave: Licitações Públicas. Princípios implícitos. Anulação e revogação.


INTRODUÇÃO

Este trabalho tem por objetivo fazer uma revisão bibliográfica mostrando a importância dos princípios implícitos e da anulação e revogação.

O Art. 3º da Lei de Licitações Públicas estabelece os princípios norteadores da licitação, quais sejam: legalidade, impessoalidade, moralidade, igualdade, publicidade, probidade administrativa, vinculação ao instrumento convocatório e julgamento objetivo.

A doutrina apresenta outros princípios não expressos no caput do Art. 3º da lei nº 8.666/1993 quais sejam: da competitividade, do procedimento formal, do sigilo das propostas e da adjudicação compulsória. E o artigo 49 traz hipóteses de anulações revogação das licitações públicas. Estes dois são os objetos do estudo, tamanha a sua importância que a desobediência aos princípios implícitos das licitações públicas é uma das irregularidades mais frequentes em licitações e contratos da administração pública é a inobservância desses princípios, geralmente ocorre associada à transgressão de formalidade previstas na Lei nº 8666/1993.

Essas transgressões aparecem associadas ainda e, com certa frequência à ocorrência de fraudes e de desvios de recursos públicos no Brasil.

Por isso a importância dos princípios implícitos e aplicações da anulação em licitações públicas que reprovar a conduta praticada pelo sancionado, e desestimular a sua reincidência, bem como, prevenir sua prática futura de mais licitantes e contratados.

Primeiramente, a fim de subsidiar o trabalho, serão discorridos aspectos teóricos sobre o conceito de licitações (Lei nº 8666/93) e suas modalidades. Em seguida são apresentados os princípios implícitos com uma breve explanação nos princípios positivados e, finalmente, serão expostos o que é anulação e revogação.

1 PRINCÍPIOS IMPLICITOS APLICADOS À LICITAÇÃO PÚBLICA

1.1 LICITAÇÃO PÚBLICA

Não se pode falar de princípios implícitos administrativos concernentes à licitação pública sem que antes fale de sua conceituação e modalidades do que seja licitação. Segundo Maria Sylvia Zanella Di Pietro (2011, p. 251).

Licitação pública é o procedimento administrativo pelo qual um ente público, no exercício da função administrativa, abre a todos os interessados, que se sujeitem às condições fixadas no instrumento convocatório, a possibilidade de formularem propostas dentre as quais selecionará e aceitará a mais conveniente para celebração de contrato.

No Art. 37, XXI da Constituição Federal dispõe:

XXI Ressalvados os casos específicos na legislação, as obras, serviços compras e alienações serão contratados mediante processo de licitação pública que assegure igualdade de condições a todos os concorrentes com cláusulas que estabeleçam obrigações de pagamento, mantidas as condições efetivas da proposta, nos termos da lei, o qual somente permitirá as exigências de qualificação técnica e econômica indispensável à garantia do cumprimento das obrigações.

Já no Art. 22 da Lei nº 8666/1993, conceitua as modalidades de licitação, que são:

  1. Concorrência: É a modalidade de licitação entre quaisquer interessados que na fase inicial de habilitação preliminar comprovem possuir os requisitos mínimos de qualificação exigidos no edital para a execução do seu objetivo.
  2. Tomada de preços: É a modalidade de licitação entre interessados devidamente cadastrados ou que atenderem a todas as condições exigidas para cadastramento até o terceiro dia anterior À data do recebimento das propostas, observada a necessária qualificação.
  3. Convite: É a modalidade de licitação entre interessados do ramo pertinente ao seu objeto, cadastrados ou não, escolhidos e convidados em número mínimo de 3 (três) pela unidade administrativa, a qual afixará, em local apropriado, cópia do instrumento convocatório a o estenderá aos demais cadastrados na correspondente especialidade que manifestarem seu interesse com antecedência de até 24 (vinte e quatro) horas da apresentação das propostas.
  4. Concurso: É a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para escolha de trabalho técnico, científico ou artístico, mediante a instituição de prêmios ou remuneração aos vencedores, conforme critérios constantes de edital publicado na imprensa oficial com antecedência mínima de 45 (quarenta e cinco) dias.
  5. Leilão: É a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para a venda de bens móveis inservíveis para a administração ou de produtos legalmente apreendidos do penhorado, ou para a alienação de bens imóveis previstas no art. 19, a quem oferecer o maior lance, igual ou superior ao valor da avaliação.

A Lei nº 10.520, de 17 de julho de 2002 institui no âmbito da União, Estados, DF e municípios a modalidade de licitação denominada pregão. Tal modalidade de licitação destina-se à aquisição de bens e serviços comuns, qualquer que seja o valor estimado da contratação. A disputa pelo fornecimento é feita por meio de propostas e lances em sessão pública.

Na definição de Jair Eduardo Santana, o pregão é a modalidade de licitação que se realiza presencial ou eletronicamente, na qual há disputa para se ofertar a administração pública o melhor preço entre os licitantes, verbalmente ou não, visando à contratação de bens e serviços comuns.

A Lei nº 12.462/2011, Regime Diferenciado de Contratações públicas, criada com o intuito de dar novos ditames a algumas das regras licitatórias do país, exclusivamente para a realização dos eventos desportivos.

Logo o RDC se apresenta como uma lei especial em relação à Lei nº 8666/1993 e a Lei do Pregão. Nesta condição de lei especial não revoga qualquer disposição das leis existentes, mas inovando o sistema jurídico, confere especial tratamento para as situações de fato que regula. (FERREIRA: SANTOS, 2012).

Sobre os intuitos de legislador ao criar o diploma legal em estudo, Gasparini (2012, p. 761) traz nas seguintes palavras:

O RDC foi concebido com os objetivos legalmente declarados de ampliar a eficiência nas contratações públicas e a competitividade entre os licitantes: Promover a troca de experiências e tecnologias em busca de melhor relação entre custos e benefícios para o setor público: e incentivar a inovação tecnológica.

No Art. 3º da Lei nº 8666/1993, caput, tratou de conceituar licitação, em conformidade com os conceitos doutrinários já vistos:

A licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da isonomia, a seleção da proposta mais vantajosa para a administração e será processada e julgada em estrita conformidade com os princípios básicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e os que lhes são correlatos.

1.2 PRINCIPIOS IMPLICITOS

1.2.1 Adjudicação compulsória

Adjudicação obrigatória ao vencedor em decorrência do princípio da adjudicação compulsória, concluída todas as fases do processo licitatório, a administração obriga-se atribuir o objeto da licitação ao vencedor do certame.

Destaca-se, enquanto dependente de adjudicação válida, a administração não poderá abrir nova licitação para o mesmo objeto. Não é ainda a celebração do contrato. A adjudicação compulsória apenas garante ao vencedor da licitação que, quando da celebração do contrato, ele será o contratado.

O procedimento licitatório encerra-se com a homologação e a adjudicação. Seguindo-se ao contrato, merece atenção quanto à possibilidade de anunciação ou revogação da licitação desde que haja motivos justos e suficientes para fazê-lo, nesse caso, não há que se focar em direito subjetivo do vencedor à adjudicação.

Em atenção ao princípio da adjudicação. O licitante vencedor se obriga pelo prazo de 60 (sessenta) dias, quando o mesmo fica liberado dos compromissos assumidos. Nesse sentido, o § 3º, Art. 64 da Lei nº 8666/93, assim dispõe: Decorridos 60 (sessenta) dias da data da entrega das propostas, sem convocação para a contratação, ficam os licitantes liberados dos compromissos assumidos. Em suma, adjudicação compulsória consiste na atribuição ao objeto ao vencedor da licitação.

Ao ignorar tal preceito, a administração burla a um só tempo menos 8 (oito) outros princípios básicos da administração todos devidamente elencados na Lei 8666/93. Quais sejam: legalidade, impessoalidade, moralidade, igualdade, publicidade, probidade administrativa, vinculação ao instrumento convocatório e julgamento objetivo do que lhes são correlatos.

A legalidade é infringida na medida em que a letra da lei é completamente desrespeitada: a impessoalidade por sua vez deixa de existir, em vista de eu haverá privilégio indevido a licitante. Preterido aquele que de fato ganhou o certame ou que já é titular de contrato com a administração nesta esteira, os demais princípios caem por terra.

Cite-se caso prático para melhor compreensão da matéria determinada empresa é titular de contrato com a administração em plena vigência. Neste interim, a mesma administração que contratou esta empresa, realiza pregão presencial, para cotação de preços com sociedades outras interessadas no objeto já adjudicado, obtendo preços melhores do que o praticado. Com as cotações em mãos, a administração comunica a sociedade que já realiza o serviço que caso não reduza o preço dos serviços ao patamar obtido através do pregão, rescindirá o contrato. Contratando a empresa que cotou, em pregão, preço melhor. Em outros casos, sequer concede tal prerrogativa, rescindindo de pronto o contrato e firmando novo pacto com a empresa participante do pregão. Tal procedimento nada mais é do que maneira de intimidação e redirecionamento do objeto licitado a quem bem entender o administrador, em total contrariedade da lei, poder-se-ia argumentar que a rescisão do contrato é uma prerrogativa da administração também se poderia argumentar que o prejudicado terá os meios legais para reaver o prejuízo. Não obstante, é de ciência geral a dificuldade para ressarcimento do prejuízo nos tribunais pátrios.

Havendo tais indícios, deverá o ente administrador fazer uso de analogia a qualquer ato concreto da administração ao melhor e mais eficaz remédio jurídico o mandado de segurança que terá caráter preventivo, ou isto, ou anos a fio acompanhando e sofrendo de ação comum indenizatória.

1.3 COMPETITIVIDADE

O princípio da competitividade é um dos princípios basilares do procedimento licitatório.

A licitação tem por objetivo a escolha mais vantajosa para a administração. Assim, quanto mais interessados em firmar um contrato com a administração, maiores chances ela terá de alcançar a proposta mis vantajosa, uma vez que os interessados competirão entre si com o objetivo de oferecer a melhor proposta. Se não há possibilidade de competição, não há que se falar em licitação.

A competitividade verifica-se quando da apresentação das propostas. Todavia, antes dessa fase ocorre a habilitação dos licitantes, aqueles que não atenderem os requisitos para a habilitação serão desclassificados. Nessa situação pode ocorrer de apenas um licitante encontrar-se habilitado, circunstância em que não haverá competição quanto às propostas ofertadas a administração.

O Art. 90 da Lei nº 8666/1993 dispõe:

Frustrar ou fraudar, mediante ajuste, combinação ou qualquer outro expediente, o caráter competitivo do procedimento licitatório, com o intuito de obter, para si ou para outrem, vantagem decorrente da adjudicação do objeto da licitação:

Pena - detenção, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

1.4 PROCEDIMENTO FORMAL

A licitação será sempre um procedimento formal. O Art. 4º, parágrafo único da Lei de Licitações: O procedimento licitatório previsto nesta lei caracteriza ato administrativo formal, seja ele praticado em qualquer esfera da Administração Pública.

Na lição de Hely Lopes Meirelles o princípio do procedimento formal é o que impõe a vinculação da licitação às prescrições legis que a regem em todos os seus atos e fases.

1.5 SIGILO NA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS

As propostas são absolutamente sigilosas, com vistas a resguardar a competitividade, sendo públicas somente após a sua abertura.

Violação das propostas antes do momento determinado para abertura dos envelopes constitui crime, conforme dispõe o Art. 94 da Lei de Licitações. Devassar o sigilo de proposta apresentada em procedimento licitatório, ou proporcionar a terceiro o ensejo de devassá-lo: Pena - detenção, de 2 (dois) a 3 (três) anos, e multa.

Assine a nossa newsletter! Seja o primeiro a receber nossas novidades exclusivas e recentes diretamente em sua caixa de entrada.
Publique seus artigos

Observa-se esse princípio nos seguintes dispositivos da lei: A licitação não será sigilosa, sendo públicos e acessíveis ao público os atos de seu procedimento, salvo quando ao conteúdo das propostas, até a respectiva abertura. (Lei nº 8666/1993, Art. 43 § 1).

A abertura dos envelopes contendo a documentação para habilitação e as propostas será relacionada sempre em ato público previamente designado do qual se lavrará Ata circunstanciada assinada pelos licitantes presentes e pela comissão. (Lei nº 8666/1993, Art. 43 § 1).


2 PRINCÍPIOS POSITIVADOS NA LEI 8666/1993

2.1 LEGALIDADE

O princípio da legalidade é o princípio fundamental do regime jurídico administrativo decorrente do texto constitucional ninguém será obrigada a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude da lei Esse princípio expressa a ideia de que a atuação da administração pública depende de previsão legal, ou seja, o administrador só pode fazer aquilo que a lei permite.

Na lição de Hely Lopes Meirelles enquanto na administração pública só é permitido fazer o que a lei autoriza.

Com efeito, esse princípio vincula a administração pública e os licitantes às legais estabelecidas.

No que toca à licitação e contrato públicos, o princípio da legalidade encontra-se previsto no Art. 4º da Lei nº 8666/1993 o qual dispõe:

Todos quantos participem de licitação promovida pelos órgãos ou entidades a que se refere o art. 1º têm direito público subjetivo à fiel observância do pertinente procedimento estabelecido nesta lei, podendo qualquer cidadão acompanhar o seu desenvolvimento, desde que não interfira de modo a perturbar ou impedir a realização dos trabalhos.

2.2 IMPESSOALIDADE

O princípio da impessoalidade relaciona-se com o princípio da finalidade, significa que atuação administrativa deve visar o bem comum.

Em suas decisões, administração deve observar critérios objetivos previamente estabelecidos, afastando a discricionariedade e o subjetivismo.

Se a ação administrativa buscar qualquer fim diverso do interesse público estará violando o princípio da impessoalidade ou finalidade. Essa situação denomina-se desvio de finalidade.

2.3 PROBIDADE E MORALIDADE ADMINISTRATIVA

Os princípios da probidade e moralidade administrativa referem-se a atuação ética dos agentes da administração em todas as etapas do procedimento licitatório.

A probidade administrativa é dever de todo administrador público. Exige que este atue de forma honesta e proba com os licitantes, centralizando suas ações na escolha da proposta mais vantajosa possível.

Ser proíbo é ser concreto com o trato da coisa pública. Não se desviando da finalidade da lei nem se beneficiando da qualidade de ser um agente administrativo.

Os atos de improbidade, disciplinado da Lei nº 8.429/1992, importação: a suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário.

2.4 IGUALDADE ENTRE OS LICITANTES

O princípio da isonomia ou da igualdade nos procedimentos licitatórios é reconhecido como igualdade entre os licitantes no procedimento licitatório e obrigação da administração pública, além de buscar a proposta mais vantajosa tratar isonomicamente todos os que participam da disputa, vedadas quaisquer discriminações.

Decorre do princípio da igualdade, entre os licitantes, a obrigação de administração oferecer oportunidade de participar da licitação quaisquer interessados que tenham condições de assegurar o futuro comprimento do contrato.

O princípio da isonomia é condição fundamental para garantir a competição no procedimento licitatório.

Celso Antônio Bandeira de Mello ensina que o princípio da igualdade conforta tratamentos distintos para situações distintas, sempre que exista uma correlação lógica entre o fator discriminante e diferença de tratamento.

2.5 PUBLICIDADE

As ações administrativas devem ser praticadas de forma transparente, o que pressupõe que os atos administrativos devem ser praticados com observância ao princípio da publicidade. A publicidade consiste em requisito para a eficácia do ato.

O princípio da publicidade não é um princípio absoluto, uma vez que a constituição garante o direito à inviolabilidade da intimidade e da vida privada. Assim dispõe o artigo 5º, inciso LX da CF/1988: A lei só poderá restringir a publicidade dos atos processuais quanto a defesa da intimidade ou o interesse social o exigirem.

Quanto ao procedimento licitatório, a Lei nº 8666/1993 dispõe expressamente que a licitação não será sigilosa, salvo quanto ao conteúdo das propostas até a respectiva abertura.

A licitação não será sigilos, sendo públicos e acessíveis o público os atos de seu procedimento, salvo quanto o conteúdo das propostas, até a respectiva abertura (Lei nº 8666/1993, Art. 3º §3º).

2.6 VINCULAÇÃO AO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

O edital é a lei interna da licitação, vinculando-se a ele tanto a administração quanto os licitantes.

Encontra-se explicitação concreta da vinculação convocatória no Art. 41 da Lei nº 8666/1993, que dispõe: A administração não pode descumprir as normas e condições do edital, ao qual se acha estritamente vinculada.

Vale lembrar que quando se tratar da modalidade convite, o instrumento convocatório será a carta-convite.

É direito de qualquer cidadão a impugnação do edital por irregularidade na aplicação da lei, devendo protocolar o pedido até 5 (cinco) dias úteis antes da data fixada para a abertura dos envelopes da habilitação. A administração deverá julgar e responder a impugnação em até 3 (três) dias úteis.

Também é direito do licitante impugnar o edital, desde que o faça em até 2 (dois) dias úteis anteriores a abertura dos envelopes.

2.7 JULGAMENTO OBJETIVO

O julgamento objetivo, na lição de Hely Lopes Meirelles, é aquele que se baseia no critério indicado no edital e nos termos específicos das propostas. Esse princípio tem por finalidade afastar a direcionariedade no julgamento. O julgamento objetivo vincula-se ao conceito de tipo de licitação que deverá ser explicitado no instrumento convocatório.

Assuntos relacionados
Sobre o autor
Ronaldo Domingos Lopes Ribeiro

Tecnólogo em Gestão Pública, formado no Centro Universitário Internacional (UNINTER), Pós Graduação de MBA em Administração Pública e Gerência de Cidades.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos