A onda da vez é a explosão da política pública de pacificação social e os métodos extrajudiciais de solução de conflitos nas relações entre fornecedores e consumidores.

Celebramos o dia internacional do consumidor na última semana (15/03) e a data é uma oportunidade para avaliarmos os impactos da legislação consumerista no cotidiano das empresas e dos próprios consumidores no Brasil. Neste ano, a onda da vez é a explosão da política pública de pacificação social e os métodos extrajudiciais de solução de conflitos. E a provocação da vez concentra-se em avaliar como fornecedores e consumidores têm encarado e vivenciado essa perspectiva na resolução de seus impasses.

Os métodos extrajudiciais de solução de conflitos envolvem, no Brasil, a conciliação e a mediação. Busca-se, com estes métodos, que as partes exerçam sua autonomia na resolução dos próprios conflitos, para que, dessa forma, contribuam também para o desafogamento do Poder Judiciário.

A autonomia e a responsabilidade para resolver os próprios conflitos exigem comprometimento e respeito com a legislação consumerista vigente há pouco mais de três décadas no Brasil. Envolve, de fato, muito mais responsabilidade e comprometimento do que simplesmente judicializar qualquer conflito. Isso porque o Poder Judiciário impõe a vigência da Lei nº 8.078/90 e restabelece, assim, a condição de equilíbrio nesta relação, sem se preocupar com as reais intenções e condições das partes. Enquanto que, diante da possibilidade de resolver, de forma autônoma, os próprios conflitos, empresas e consumidores devem primar pelo respeito mútuo, pelo respeito ao Código de Defesa do Consumidor e, estabelecendo o diálogo, podem construir soluções que melhor atendam às reais necessidades e interesses de cada um.

A cultura de paz social, também, e, principalmente, no âmbito consumerista, tem sido absorvida pelas ações de marketing das grandes empresas. Mas, é comum que nem sempre a mesma política seja adotada pela empresa no intuito de resolver eventuais conflitos com o consumidor. Ainda que todo avanço nesse sentido deva ser reconhecido e celebrado. É certo que as políticas de "acordo" para resolução extrajudicial precisam ser aprimoradas. Percebemos que as empresas estabelecem modelos engessados de resolução do conflito e esperam uma simples adesão pelo consumidor.

E, neste viés engessado, contudo, as empresas perdem grande oportunidade, pois inviabilizam que se estabeleça qualquer diálogo com o consumidor. Demonstram, dessa forma, verdadeiro desinteresse na questão de como determinada situação pode contribuir para aprimorar o seu desempenho no mercado, com vistas à eliminar intercorrências naquele sentido e otimizar, inclusive, a sua margem de lucro.

Nota-se, então, que muito ainda pode ser feito para que a integração da política pública de pacificação social dentro das grandes empresas. É fundamental adequar a política de solução de conflitos de sua empresa, não apenas para "cumprir" a legislação consumerista, mas sim, com vistas à evolução e desenvolvimento da sua cadeia de produção e de vendas, ouvindo o consumidor e eliminando intercorrências excessivamente frequentes para otimizar a própria margem de lucro do negócio.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso