De forma sintética e didática busco levar o leitor a uma compreensão racional e análise sobre o preconceito.

Na mais ampla definição preconceito é o ato de julgar, juízo pré-concebido. Segundo dados a maior parte das pessoas tem de três a cinco áreas de preconceito, o que nos permite afirmar que o preconceito é democrático. As pesquisas ainda revelam que o preconceito atinge 99,3% do ambiente escolar, o que é fácil explicar já que nesse mesmo ambiente convivem indivíduos muito diferentes entre si, onde deveria ser um meio de inclusão social entre indivíduos diferentes acaba sendo justamente o contrário, os indivíduos em si já apresentam determinas formas de pensamento, seja esta adquirida pelo convívio com a família, pelos amigos, pela mídia (principalmente pelos filmes da Disney) ou até mesmo pelos brinquedos da infância. Tudo isso acaba por influenciar o individuo antes que este tenha uma experiência comunitária, ele limita seu convívio aos que são‘parecidos’ com ele próprio.

Já com relação de intensidade do preconceito, o estudo avaliou que 38,2% têm mais preconceito com relação ao gênero e que isso parte do homem com relação mulher. Com relação geração(idade), 37 9% têm preconceito principalmente com relação aos idosos. A intensidade da atitude preconceituosa chega a 32,4% quando se trata de portadores de necessidades especiais e fica em 26,1% com relação orientação sexual, 25,1% quando se trata de diferença socioeconômica, 22,9% étnico-racial e 20,65% territorial. O estudo indica ainda que 99,9% dos entrevistados desejam manter distância de algum grupo social. Os deficientes mentais são os que sofrem maior preconceito com 98,9% das pessoas com algum nível de distância social, seguido pelos homossexuais com 98,9%, ciganos (97,3%), deficientes físicos (96,2%), índios (95,3%), pobres(94,9%), moradores da periferia ou de favelas (94,6%), moradores da área rural (91,1%) e negros(90,9%).

O preconceito tem uma base irracional, onde não há conhecimento, argumentos e raciocínio quefundamentem tais atitudes, que podem ser desde xingamentos, insultos, acessos de raiva,
hostilidade, ou agressões físicas.Todos nós possuímos algum tipo de preconceito e esta declaração é claramente preconceituosa,alguns em grau menor ou maior, com manifestações extremas ou exclusão social. Isso está associado a uma ‘naturalização’ da sociedade, algo que é executado no piloto automático, em geral as pessoas não assimilam que estão sendo preconceituosas, o fazem por que cresceram vendo isso acontecer e apenas reproduzem, sem questionar, esses não questionamentos de atitudes encontra alojamento quando se apoiam em ideologias pré-estabelecidas por uma cultura social programada, que se acentua no sistema atual vigente de caráter capitalista mercantil em meio à globalização.


Quem é vitima de preconceito quase nunca se enquadra nos padrões ditos como ideais pela sociedade; normalmente esses padrões são colocados pela mídia e tendem a ser atualizados de
tempos em tempos; por isso acabam fazendo de tudo para se ‘encaixar’ no modelo ideal. Como eliminar os índices de vítima de preconceito se quase sempre a vitima também é preconceituosa? E o que fazer para mudar a mente do individuo preconceituoso?Em primeiro lugar torna-se necessário identificar o preconceito, logicamente através de umaautoanalise, modificando as formas de pensamento moldadas pela herança cultural histórica de um país ou região e pela mídia. O combate ao próprio preconceito também é necessário, afinal é praticamente impossível aceitar outra pessoa quando há dificuldades de aceitar-se. O meio escolar também deve ter participação neste processo, bem como os pais, já que é na fase inicial da vida acadêmica e social que o caráter do individuo ganha formação.Apenas podemos visualizar de maneira correta certas situações quando nós mesmos temos uma experiência concreta sobre o mundo que nos cerca, sem ‘disse me disse’, ou seja, viver em comunidade para acabar com as ideias pré concebidas. Desta forma se não mudarmos o mundo, ao menos o nosso grupo social será atingido por nossa iniciativa produtiva.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria