Elaboração do parecer devido a solicitação de professora de processo penal da faculdade de ios

Ilustríssima Senhora Professora de Direito da Faculdade de Ilhéus

Parecer Jurídico

RELATÓRIO

Trata-se de uma consulta elaborada pela professora Taiana Cordeiro, acerca da constitucionalidade da redução da maioridade penal, os pontos favoráveis e desfavoráveis acerca dessa redução, a necessidade de reformulação ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e possíveis soluções caso não haja a aprovação do senado para a PEC 171.

FUNDAMENTAÇÃO

A discussão acerca da maioridade penal não é nova. Tal temática já vem sendo discutida no cenário brasileiro desde 1993, onde em 19 de agosto do referido ano, o Deputado Benedito Domingos apresentou a proposta de emenda constitucional nº 171, popularmente conhecida como PEC 171.

Essa discussão voltou à tona devido a grande onda de violência praticada por menores de 18 anos que tem assolado o país, fato este que tem causado grande revolta por parte da população devido à ausência de medidas punitivas para a prática de crimes por esses indivíduos.

Entretanto, a crescente sede por justiça pode acabar se confundindo com sede por vingança. Ora, a vontade de impor a menores infratores a pena privativa de liberdade tem sido observada apenas na sua ótica punitiva e preventiva, mas pouco, ou quase nada, tem sido avaliada a sua mais importante finalidade: a reeducação social, ou seja, a capacidade do individuo passar pelo sistema carcerário e voltar, após o cumprimento de sua pena, pronto para uma vida fora da criminalidade.

Assim, a sociedade, parte dela sob muita influência midiática, tem sido levada a pensar somente no viés punitivo, em formas de endurecer as penas, mas não tem refletido acerca das raízes da criminalidade, ou seja, os motivos pelos quais aquele menor foi levado a praticar delitos.

A PEC 171, como já mencionado, voltou a ser discutida com força hodiernamente, tendo sido aprovada em 2

 º turno pela câmara dos Deputados, em 19/08/2015, com quórum de 320 votos a favor e 152 contra, estando aguardando votação no senado federal. Contudo, a mudança da maioridade penal não abrange a todos os crimes previstos no Código Penal, estando limitada aos crimes de homicídio doloso, lesão corporal seguida de morte e crimes hediondos, como o estupro.

Ressalta-se ainda, que a redução da maioridade penal tem sido um assunto bastante discutido entre os legisladores, juristas e principalmente, entre a população. Assunto este que gera polêmica e uma divergência enorme de posicionamento sejam eles favoráveis ou não acerca da PEC 171.

 Embora não seja o posicionado adotado para a elaboração do presente parecer, o entendimento favorável adotado por parte dos juristas e da população entende que se um jovem de 16 anos pode votar, assumir responsabilidades civis, também tem o discernimento necessário para responder penalmente pelos seus atos.

Há de se falar ainda, que possuindo esse discernimento, a falta de uma punição mais gravosa, gera mais violência, isto é, a certeza que não será punido, faz com que o menor sinta maior liberdade para cometimento de delitos.

Muito se fala das penas brandas trazidas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), uma vez que, esse estatuto não possui grande efetividade, o que traz para a sociedade a sensação de impunidade, porque se acredita que as instituições que acolhem o menor não cumprem sua principal finalidade de ressocialização, o que faz com que o menor, ao tornar-se adulto, acabe na vida da criminalidade e por fim, envolto no sistema carcerário.

Já coadunando com o entendimento que envolve esse parecer, estão os posicionamentos desfavoráveis a redução da maioridade penal de 18 anos para 16 anos, uma vez que reduzir a maioridade penal, não vai acarretar grandes mudanças na redução da violência.

Não obstante a mídia coloque a culpa da violência relacionada ao adolescente, esse fato não é verdade, uma vez que menos de 10% dos crimes são cometidos por adolescentes, sendo que dessa porcentagem aproximadamente 75% dos crimes cometidos por adolescentes são de caráter pecuniário, isto é, crimes relacionados a economia, como roubo e furto.

Entretanto, com a intensificação dos crimes cometidos por jovens e adolescentes que tem passado na mídia, realmente parece que o problema da violência está na faixa etária que não responde pelo código penal, mas sim pelo ECA.

Ainda que seja importante a criação de regras rígidas, mais importante que isto é necessário que se dê um “remédio” a sociedade como um todo e não no adolescente. É necessário que haja uma mudança na raiz do problema, e não apenas no que está superficialmente exposto. A educação é muito mais eficiente que a punição, logo, é melhor que se faça investimento na educação do menor do que investimento em mais prisões para os mesmo, uma vez que o problema da criminalidade será resolvido mais facilmente através de uma mentalidade educada de que tal conduta é errada, ou seja, melhor educar pelo amor, do que pela dor.

Há de se falar ainda, que o sistema carcerário brasileiro é um caos, há superlotação de presídio, e os mesmo são considerados uma faculdade para a criminalidade, já que o índice de reincidência dos que entram nesse sistema é enorme, cerca de 70% dos presos ao serem reinseridos na sociedade, voltam a praticar crimes. Entretanto, o índice de reincidência entre jovens internos da fundação Casa é de apenas 16%, assim, resta claro, que inserir jovens e adolescentes no sistema carcerário brasileiro não vai diminuir a criminalidade, podendo, todavia, aumentar, uma vez que o índice de reincidência entre os presos são alarmantes.

Coadunando com esse pensamento, tem-se que o jovem e adolescente ainda estão em fase de formação psicológica, ou seja, a influência que sofrerão em meio ao sistema carcerário será de maior valor para a sua formação como pessoa, adquirindo desta maneira, características das pessoas com quem convive, ou seja, afundando-se cada vez mais no mundo caótico da criminalidade.

O ECA, é um dos melhores estatutos no que tange a proteção da criança e do adolescente, faltando para tanto meios que tornem possível sua aplicação e efetividade.

Ante o exposto, resta claro, que a solução da redução da violência, não está ligada a redução da maioridade penal, mas em um investimento governamental, na educação das crianças e dos jovens. Além do que, toda a problemática envolvendo a criminalidade brasileira está ligada a diferença social, onde aqueles que não possuem educação de qualidade estão mais suscetíveis à vida criminosa.

Acerca da redução da maioridade penal questiona-se ainda a constitucionalidade dessa redução, uma vez que entende-se que o disposto no artigo 228 da Constituição Federal é um cláusula Pétrea, o que de imediato impossibilitaria essa redução, por se tratar de uma norma de natureza imutável.

Assim, além de todo ponto negativo explanado, a redução da maioridade penal é inconstitucional, consoante o estabelecido no artigo 60, parágrafo 4º, Inciso IV, da Constituição Federal, que aponta que direitos e garantias individuais não podem ser objeto de deliberação de emenda constitucional. Desta forma, o artigo 228, da CF que constitui que são inimputáveis os menores de 18 anos, trata-se de um direito e garantia individual, sendo desta forma cláusula pétrea e imutável.

Destarte, o disposto no artigo 228, CF não esteja contido no artigo 5º da carta magna, trata-se de uma garantia assegurada constitucionalmente, já que o parágrafo segundo do artigo 5º, aponta que os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte.

Conjugando o referido parágrafo e o artigo 228, CF pode-se entender que não há um esgotamento dos direitos e garantias individuais, ao contrário, os direitos e garantias podem estar além da carta magna, portanto, é perfeitamente possível considerar a imutabilidade do artigo 228, cf.

Diante do exposto, resta comprovada que a inimputabilidade penal compreende norma pétrea, por se manifestar como garantia da pessoa menor de 18 anos, portanto, no Brasil, a maioridade penal somente poderá ser alterada se criada uma nova Constituição, todavia, se aceita a PEC 171, cairia por terra toda a sua validade, tornando possível, que seja alterada por emenda constitucional a qualquer tempo, o que geraria uma instabilidade e perda da segurança jurídica.

CONCLUSÃO

Em face ao exposto, OPINO PELA NÃO REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL.

Melhor que reduzir a maioridade penal, seria a aplicação de um outro projeto que também esta tramitando no congresso, o PL nº 1895/2011, de autoria do Deputado Alexandre Leite, o qual não prevê alteração constitucional, mas somente a mudança no ECA para aumentar a internação máxima de três.

Este projeto propõe a aplicação excepcional do Estatuto da Criança e do Adolescente, nos casos expressos em lei, estabelecendo exceções ao período máximo de internação de 3 anos (previsto no ECA), nos seguintes casos:

- Se o adolescente praticar ato infracional com emprego de violência ou grave ameaça, o período de internação será de três anos, findo o qual haverá reavaliação, pelo juiz competente, o qual autorizará a sua liberação, ou o encaminhamento para o regime de semiliberdade ou de liberdade assistida.

- Se o adolescente realizar pluralidade de atos infracionais com violência ou grave ameaça, o período de internação de três anos será por cada ato infracional cometido.           

- Se do ato infracional, com emprego de violência ou grave ameaça, resultar morte ou lesão corporal de natureza grave, o período de internação será seis anos, findo o qual haverá reavaliação, pelo juiz competente, que autorizará a sua liberação, ou o encaminhamento para o regime de semiliberdade ou de liberdade assistida.

Medidas como essas diminuiria o anseio da sociedade que tem uma resposta de punição para os crimes de acordo com a periculosidade e reincidiva do menor. Mas também respeitando a Convenção sobre os Direitos da Criança da ONU, de 1989, a qual o Brasil ratificou, e, que define como crianças, genericamente, todas as pessoas com menos de 18 anos de idade e estabelece que devem receber tratamento especial e totalmente diferenciado dos adultos, principalmente nos casos de envolvimento criminal.

Não podemos esquecer que o ECA utiliza o termo “medidas socioeducativas”, isso não retira o caráter punitivo de sua aplicação. Tratando-se apenas de nomenclatura adotada pelo legislador para diferenciar as espécies de punição aplicadas no sistema penal de adolescentes daquelas do sistema penal de adultos. Portanto, em ambos o caráter penal estaria presente.

No entanto, aumentar as medidas punitivas definitivamente não solucionam a problemática da onda de violência e insegurança que estamos vivendo em nosso país. Cabe ao governo criar medidas que se preocupem em dar soluções “macro”, que visem melhorar a sociedade como um todo, com programas para a educação e ações sociais, alicerçando a família, base constitutiva da sociedade. As alterações no âmbito penal, que no tocante do Direito deveria ser a “ultima Ratio”, somente leva a sociedade a uma falsa sensação de segurança social.

         Assim sendo, reiteramos a posição contrária à redução da maioridade penal, inclusive reforçamos que um dos principais fatores agravantes para delinquência de adolescentes é a falta de escolarização adequada. É dever de todos, promover a reintegração desses jovens à sociedade, com as medidas socioeducativas adequadas e propiciando os meios necessários para a ressocialização.

É O PARECER, S.M.J.

Local, data.

______________________________

Advogado – OAB-BA


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso