A atividade judiciária não pode ser "pautada" pelas necessidades midiáticas do espetáculo. Juiz que não cumpre e não faz cumprir fielmente a Lei deve ser punido, qualquer que seja o Tribunal onde atue.

 Hoje é dia da consciência negra, mas como abuso não tem cor e sempre deve acarretar punição reproduzo abaixo representação enviada hoje ao CNJ contra o ilustríssimo presidente do CNJ e STF:

“Esta semana tornou-se notório o fato de que o representado mandou recolher a prisão alguns dos réus do processo vulgarmente denominado Mensalão. A ordem foi expedida mediante Mandado e não mediante Carta de Sentença como determina expressamente a Resolução  nº 113/2010 do CNJ . Este fato também se tornou notório (doc. 1 anexo).

Não só isto, a ordem de prisão expedida para José Dirceu e José Genuíno em regime fechado é ilegal, pois da condenação consta que ambos teriam direito ao regime semi-aberto. A Comissão de Direitos Humanos da OAB desautorizou expressamente a conduta do representado (doc. 2 anexo).

Por fim, também se tornou notório o fato de que o representado mandou prender alguns dos réus do Mensalão deixando em liberdade co-réus que foram igualmente condenados no mesmo processo  (doc. 3 anexo). Esta distinção de tratamento não se justifica, pois o Estado é obrigado a tratar todos os réus da mesma maneira e com o mesmo rigor.

Como presidente do CNJ, o representado deveria cumprir fielmente as Resoluções de órgão. Só assim e pelo bom exemplo, o representado inspiraria os demais Juízes a cumprirem as mesmas. Não foi o que ocorreu no presente caso. Em razão da notória violação da Resolução 113/2010 do CNJ pelo representado, doravante todos os Juízes se sentirão a vontade para ignorar os atos administrativos e normativos expedidos pelo órgão, com grave prejuízo para a administração da Justiça e execução das sentenças criminais.

O mesmo pode-se se dizer do desprezo devotado pelo representado à CF/88, que ele mais do que ninguém – pois infelizmente é o presidente do STF - tem o encargo de cumprir e fazer cumprir. Os princípios da legalidade e da igualdade perante a Lei que constam expressamente da CF/88 não são facultativos. Nenhum Juiz pode ignorá-los. Mas doravante todos se sentirão tentados a fazê-lo, pois a mais elevada autoridade judiciária brasileira pisoteou-os ao mandar prender alguns réus deixando outros em liberdade.

A conduta do representado pode ser considerada indigna do cargo que ele ocupa. Afinal, ele deveria agir como um guardião da CF/88 e desrespeitou-a acintosamente ao tratar com mais rigor alguns réus (os petistas José Genuíno e José Dirceu) e com bastante generosidade outro co-réu igualmente condenado (o petebista Roberto Jefferson, por exemplo).  Sua alegação de que o petebista está doente é irrelevante, pois um dos petistas (José Genuíno) também era acometido de grave doença noticiada nos autos e correu risco de morte ao ser preso enquanto o outro foi poupado do espetáculo.

O cumprimento das decisões judiciais tal como foram proferidas também é garantida pela CF/88. Não foi o que ocorreu no caso em tela.  Como já se disse aqui o representado transformou o regime semi-aberto em regime fechado à revelia da condenação e do dispositivo constitucional que obriga a respeitá-la. Na verdade o representado parece se comportar como se estivesse acima da Lei, das Resoluções do CNJ e da CF/88. Sua conduta, que tem sido estimulada pela imprensa à qual o representado parece gostar de fornecer notícias e espetáculos deletérios, é própria de um tirano que crê ser a única fonte da legalidade.

Tudo bem pesado, a conduta do representado foi incompatível com a que se exige de uma autoridade judiciária que deveria se submeter amorosa e voluntariamente a Lei, Resoluções do CNJ e CF/88. À sua infração deve corresponder o castigo, pois numa República todos devem responder pelos seus atos.

Por fim, a transferência imediata dos presos para Brasília também não se justificava. A pena deve ser cumprida no local onde residem os réus. A ordem espetaculosa e ilegal proferida pelo representado, que foi provavelmente inspirada no seu desejo pessoal de glória e visibilidade midiática, gerou despesa pública desnecessária. Portanto, o representado deve devolver a quantia correspondente aos cofres públicos.

Face ao exposto, requer o processamento da presente representação, a qual deverá ser julgada PROCEDENTE, impondo-se ao representado a pena de advertência e obrigando-o a devolver aos cofres públicos a quantia que fez o Estado gastar desnecessariamente.”

Os interessados podem acompanhar o requerimento no website do CNJ:

Nº Requerimento:

100013835840597-13546



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

6

  • 0

    Nerci Antonio Spohr

    Ainda que a representação, para muitos, possa soar como apologia à corrupção, entretanto, de fato, as autoridades máximas também devem respeitar a legislação vigente. Aliás, não posso dizer que o dito mensalão inexistiu, infelizmente, creio que existiu, mas o julgamento foi severo se compararmos à outras legendas. Não estou defendendo corruptos........

    Não obstante, quero chamar atenção, também, que o que realmente faria diferença na vida dos brasileiros, se o STF tivesse a mesma presteza em julgar as Ações que versam sobre os Expurgos da Poupança e Desaposentação. A grande maioria dos beneficiários dessas ações já terá morrido quando julgadas........

    As autoridades também precisam cumprir as leis, inclusive o paladino da justiça, JB!

  • 0

    Fernando Goiabeira

    Fábio de Oliveira Ribeiro, agora que me dei conta do quanto você erra ao pronunciar o nome do mensaleiro condenado e preso, José Genoino.

    O tempo todo no seu texto você pronuncia o nome do presidiário Genuíno, isto reforça minha desconfiança de que sua representação não é genuína.

  • 0

    Fernando Goiabeira

    Fábio de Oliveira Ribeiro, você é uma vergonha para nós cidadãos que queremos que diminua a corrupção com a devida punição de quem foi processado, julgado e condenado por vários crimes.
    Por que você não vai representar juízes que põe na cadeia pessoas que furtam uma simples lata de manteiga e lá fica por 2 anos a fio no fechado, porque você não vai representar o órgão competente que mantém presos várias presidiários que já "pagaram o que deviam" e ainda estão trancafiados, por que você não vai impedir que soltem, mesmo por terem cumprido a pena, chefes de facções criminosas.
    Você está sendo usado pelos grandes advogados dos mensaleiros para essa vergonhosa e inútil empreitada.











Veja todos os comentários

Livraria