Trata-se de modelo de petição de ação de divórcio litigioso c/c alimentos (abandono do lar pela genitora).

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DA VARA DE FAMÍLIA E SUCESSÕES DE xxxxxx .

AÇÃO DE DIVÓRCIO LITIGIOSO c/c ALIMENTOS 

xxxx, brasileiro, supervisor, casado em regime de comunhão parcial de bens portador do CPF: xxx, residente e domiciliado a rua Engenheiro José Valter, n.x, bairro São José, Juazeiro do Norte\CE. CEP xx. TEL: xxxxx, sem endereço eletrônico, vem através do seu advogado (mandato em anexo) propor, perante Vossa Excelência, a presente  AÇÃO DE DIVÓRCIO LITIGIOSO, em face de xxxxx, brasileira, técnica de enfermagem, casada em regime de comunhão parcial de bens, portadora do  CPF: desconhecido, residente e domiciliada a rua São José, n.º 1005, bairro Lagoa do Toco, xxx. CEP: desconhecido TEL: (88) xxx, sem endereço eletrônico, pelos fatos e fundamentos que passa a expor:


DA JUSTIÇA GRATUITA

Inicialmente, a parte autora declara-se pobre na forma da lei, tendo em vista não ter condições de arcar com as custas e demais despesas processuais sem prejuízo do sustento próprio ou de sua família, razão pela qual comparece assistido(a) pela Defensoria Pública do Estado do Ceará, autorizada a atuar por força dos artigos 1º e 4º inc. IIII da Lei Complementar Federal nº 80/94.

Assim, requer(m) preliminarmente os benefícios da gratuidade judiciária      (artigo 3º da lei nº 1.060/50), tendo em vista enquadra-se na situação legal prevista para sua concessão (artigo 4º da lei nº 1.060/50[1] e artigo 98 caput e §1º,§5º do CPC/15[2]), bem como a observância das prerrogativas processuais do defensor público ao final assinado, sobretudo (I) a intimação pessoal e (II) prazos processuais em dobro, tudo em conformidade com o artigo 128 da Lei Complementar Federal nº. 80/94.[3]


DOS FATOS

No dia 30 de janeiro de 2009, o requerente xx constituiu laço matrimonial com a requerida xxx em regime de comunhão parcial de bens conforme consta a certidão de casamento, desta união sobreveio 01 (uma) filha xxx, nascida em 02 de setembro de 2007.

Após anos consecutivos ininterruptos, a companheira saiu para trabalhar em Russas-CE, voltando para ver o marido e a filha duas vezes ao mês. Passados alguns meses, a mesma não voltou ao Juazeiro, deixando a filha com o pai.

O autor da ação alega que a senhora xxx encontrou outro companheiro para se relacionar em Russas, esse seria o motivo pelo qual ela teria abandonado ambos. O senhor xxx diz que a filha menor do casal tenta contato com sua genitora, mas a mesma nunca atende o celular e quando atende sempre promete vir vê-la e não aparece.

A última vez que ela viu a filha e teve contato com o marido foi no aniversário da criança no dia 02 de outubro de 2016, onde chegou a Juazeiro pela manhã e retornou a tarde para Russas. 

Dos bens

Inexistência; 

Dos filhos

xxx, nascida em 02 de setembro de 2007.

Do uso do nome

Quando casaram-se, não houve modificação do nome.

 Dos alimentos

     xxxxx, conforme faz prova na certidão de nascimento em anexo, foi fruto do relacionamento amoroso entre a requerida e seu genitor, que viveram ao longo de 6(seis) anos casados.

     A menor que atualmente reside com seu genitor, tem necessidades que é obrigação dos pais atendê-las como alimentação, escola, vestuário, saúde, higiene e lazer.

     O senhor xx, genitor e possuído da guarda da menor, é assalariado e não está em condições de suportar sozinho os encargos alimentares e não tem condições de sustentá-la sozinho.

     A requerida trabalha de carteira a assinada de técnica de enfermagem na cidade de Russas-CE e não colabora com o sustento nem exerce o direito de visita.

     Visando à necessidade da menor e a possibilidade da requerida, o requerente pede alimentos no valor de 30%(trinta por cento) do salario minimo vigente, atualmente equivale a R$ 264,00 (duzentos e sessenta e quatro reais), valor esse que deve ser pago por deposito em conta judicial.


DO DIVORCIO

DOS ALIMENTOS ENTRE CÔNJUGES:

Não há necessidade de fixação de alimentos entre as partes, uma vez que as partes desenvolvem atividade econômica remunerada que lhes assegura o sustento próprio.

DO NOME:

Não houve modificação


DO DIREITO 

DO DIVÓRCIO:

O artigo 1571 doCódigo Civil estabelece que o casamento válido se dissolver pelo divórcio.

Art. 1.571. (...)

§ 1oO casamento válido só se dissolve pela morte de um dos cônjuges ou pelo divórcio, aplicando-se a presunção estabelecida neste Código quanto ao ausente.

Com o advento da Emenda Constitucional nº 66/2010, que alterou o §6º do artigo 226 da CF/88, deixou de existir a exigência constitucional de separação de fato por mais de dois anos para concessão do divórcio direto.

Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.

§ 6º O casamento civil pode ser dissolvido pelo divórcio.

No caso concreto, o ajuizado da presente ação representa manifestação inequívoca de que a parte autora não tem interesse no prosseguimento do vínculo matrimonial, o que por si só enseja o deferimento da concessão do divórcio.

DO RITO PROCESSUAL

Os artigos 693 e seguintes do Novo Código de Processo Civil, estabelecem: 

Art. 693.  As normas deste Capítulo aplicam-se aos processos contenciosos de divórcio, separação, reconhecimento e extinção de união estável, guarda, visitação e filiação.

Parágrafo único.  A ação de alimentose a que versar sobre interesse de criança ou de adolescente observarão o procedimento previsto em legislação específica, aplicando-se, no que couber, as disposições deste Capítulo.

Art. 694.  Nas ações de família, todos os esforços serão empreendidos para a solução consensual da controvérsia, devendo o juiz dispor do auxílio de profissionais de outras áreas de conhecimento para a mediação e conciliação.

Parágrafo único.  A requerimento das partes, o juiz pode determinar a suspensão do processo enquanto os litigantes se submetem a mediação extrajudicial ou a atendimento multidisciplinar.

Art. 695.  Recebida a petição inicial e, se for o caso, tomadas as providências referentes à tutela provisória, o juiz ordenará a citação do réu para comparecer à audiência de mediação e conciliação, observado o disposto no art. 694.

§ 1o Omandado de citação conterá apenas os dados necessários à audiência e deverá estar desacompanhado de cópia da petição inicial, assegurado ao réu o direito de examinar seu conteúdo a qualquer tempo.

§ 2o A citação ocorrerá com antecedência mínima de 15 (quinze) dias da data designada para a audiência.

§ 3o A citação será feita na pessoa do réu.

§ 4o Na audiência, as partes deverão estar acompanhadas de seus advogados ou de defensores públicos.

Art. 696.  A audiência de mediação e conciliação poderá dividir-se em tantas sessões quantas sejam necessárias para viabilizar a solução consensual, sem prejuízo de providências jurisdicionais para evitar o perecimento do direito.

Art. 697.  Não realizado o acordo, passarão a incidir, a partir de então, as normas do procedimento comum, observado o art. 335.

Art. 698.  Nas ações de família, o Ministério Público somente intervirá quando houver interesse de incapaz e deverá ser ouvido previamente à homologação de acordo.

Art. 699.  Quando o processo envolver discussão sobre fato relacionado a abuso ou a alienação parental, o juiz, ao tomar o depoimento do incapaz, deverá estar acompanhado por especialista.


DOS PEDIDOS 

Assim, com fundamento no artigo 226 §6º da CF/88, artigos 1.571, §1º e 1581 do CC/2002 e artigos 693 e seguintes do CPC/2015,requer aVossa Excelência:

1) o recebimento da inicial com a qualificação apresentada (cf. artigo 319, inciso II, e §2º e 3ºdo CPC/15[4]);

2) o processamento da ação sob segredo de justiça(cf. artigo 189, inciso II do CPC/15[5]);

3) o deferimento da gratuidade judiciária integral para todos os atos processuais (cf. artigo 98 caput e §1º,§5º do CPC/15[6]);

4) a citação do(a) réu(ré) para comparecer à audiência de conciliação/mediação (cf. artigo 695, §1º do CPC/15[7]) e apresentar contestação no prazo de 15 dias contados da data de sua realização OU do protocolo do pedido de cancelamento pelo(a) promovido(a) (cf. artigo 335, incisos I e II do CPC/15[8]);

5) a designação de audiência de conciliação ou mediação tendo em vista o interesse declarado(a) do(a) autor(a)(s) por via alternativa de solução do litígio (cf. artigo 319, inciso VII do CPC/15[9]); devendo o(a) autor(a) ser intimado pessoalmente da data de realização em virtude não se encontrar assistido por advogado particular, mas sim por Defensor(a) Público(a) Estadual (cf. artigo 334 §3º c/c artigo 186 §2º do CPC/15[10]);

6) a intimação do Ministério Público Estadual para intervir como fiscal da ordem jurídica (cf. artigo 178, incisos I e II do CPC/15[11] c\c artigo 698 do CPC/15[12]);

7) o julgamento antecipado TOTAL de mérito caso: (7.1) não haja necessidade de produção de outras provas OU (7.2) o réu seja revel (artigo 355, incisos I e II do CPC/15[13]);

8) o julgamento antecipado PARCIAL de mérito caso: (8.1) haja pedido(s) formulado(s) incontroverso(s) ou(8.2) haja pedido(s) em condição(ões) de julgamento (cf. artigo 356, incisos I e II do CPC/15[14]);

9) Não ocorrendo nenhuma das hipóteses de julgamento antecipado TOTAL ou PARCIAL de mérito, requer decisão de saneamento e de organização do processo: (9.1) delimitando as questões de fato e definindo a distribuição do ônus da prova e (9.2) designando se necessário de audiência de instrução e julgamento intimação prévia e feita por via judicial da(s) testemunha(s) arrolada(s) pela Defensoria Pública do Estado do Ceará(cf. artigo 357 e artigo 455, §4º, inciso IV do CPC/15[15]);

10) Ao final, proferir sentença de resolução de mérito acolhendo os pedidos de:

10.1) decretação do fim do vínculo conjugal através do DIVÓRCIO,expedindo-se mandado ao Cartório de Registro Civil para que proceda a averbação devida e forneça ao autor a Certidão de Casamento atualizada de forma gratuita (cf. artigo 98, §1º, inciso IX do CPC/15[16]);

10.2) deferimento do retorno do cônjuge virago ao NOME DE SOLTEIRA, expedindo-se mandado ao Cartório de Registro Civil para que proceda a averbação devida e forneça a(o) autor(a) a Certidão de Nascimento atualizada de forma gratuita (cf. artigo 98, §1º, inciso IX do CPC/15[17]);

11)Após o transito em julgado, o(a) réu(a) deverá ser intimado(a) para dar cumprimento voluntário da sentença (cf. artigo 513,§2º do CPC/15[18]).

Protesta provar o alegado por todos os meios de provas admitidas em direito, notadamente depoimento pessoal das partes, oitiva de testemunhas e juntada posterior de documentos.

Termos em pede(m) deferimento.

Juazeiro do Norte/CE, 29 de agosto de 2017.

  _________________________________

  Advogado

 OAB

ROL DE TESTEMUNHAS:

1)    XXX, casado, pintor, portador do CPF; XXXX, capitão domingos, numero 208.

2)    XXXX, casado, pintor, portador do CPF; XXX, Engenheiro José Walter, numero X, são José, cep XX

3)    XXXXX, solteiro, pedreiro, portador do CPF; XXXX Engenheiros José Walter, numero X, cep XX.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso