Modelo baseado em fato reais.

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da ....ª Vara Criminal da Comarca ....1

“O”, já devidamente qualificado nos autos do processo-crime nº. ..., que lhe move a justiça pública, por seu advogado (procuração anexa), vem, respeitosamente, à presença de Vossa Excelência apresentar as suas

ALEGAÇÕES FINAIS POR MEMORIAIS

com fundamento no art. 403, § 3o, do Código de Processo Penal, nos seguintes termos:

1. DOS FATOS

            “O” foi acusado de manter em cárcere privado “S”, seu sobrinho, durante dois dias, sem autorização expressa de seus pais. Quando estes descobriram o paradeiro do filho, acionaram a polícia e “S” foi libertado.

Processado, como incurso nas penas do art. 148, § 1.º, IV, c/c art. 61, II, f, do CP, finda a instrução, o juiz negou o pedido da defesa para oitiva de testemunha considerada essencial para o desvende do crime, e também indeferiu o pedido de realização da perícia dos vestígios do local do crime, alegando sua desnecessariedade, diante das provas da materialidade e autoria que já foram colhidas anteriormente.

2. DO DIREITO

2. Das preliminares

2.1. Do cerceamento de defesa

            A paridade das armas é um dos princípios norteadores do processo penal, este visa garantir que haja proporcionalidade entre a defesa e a acusação, além desse princípio temos outros que também são fundamentais, como o princípio da ampla defesa (art. 5º, LV, CFRB/88) e do devido processo legal (art. 5º, LIV, CFRB/88), ambos garantidos constitucionalmente, devido à importância que tem um processo penal, que pode acarretar prejuízos inestimáveis à quem o sofra injustamente. Porém, mesmo diante de tamanha proteção legal, ocorreu neste processo um ato que prejudicou a defesa técnica do acusado. A testemunha que não foi ouvida durante a instrução criminal, era fundamental para o desenvolvimento da tese da defesa. Por esse motivo, deve ser anulado o presente processo desde a instrução, onde houve a referida nulidade, com fundamento no artigo 564, inciso IV do CPP.

2.2. Do indeferimento da prova pericial

            Em mais um momento Vossa Excelência deixou de apreciar um pedido essencial à garantia constitucional da ampla defesa, assim como violou determinação literal de Lei federal. O artigo 158, do Código de Processo Penal Brasileiro determina que nos crimes que deixam vestígios é indispensável o exame de corpo de delito. Devendo, portanto o processo ser anulado com fulcro no artigo 564, inciso III, alínea “b”, do CPP.

3. DO MÉRITO

3.1. Quanto ao mérito, o órgão acusatório somente conseguiu demonstrar a tipicidade do fato, o que não se nega. Porém, longe está de se constituir crime. Pois, para se caracterizar o cárcere privado, a vítima deveria estar sendo obrigada ou constrangida de alguma forma a ficar no local, o que não foi o caso, já que o sobrinho do acusado foi de livre e espontânea vontade e assim também permaneceu esses dias na casa do tio.

3.2. Diante da ausência elemento essencial da tipificação do crime, no caso, o sequestro ou o cárcere, já que a vítima poderia sair e voltar na hora que bem entendesse, resta provado que a conduta do acusado não constitui crime.

3.3. Ainda mais, não há que se falar em circunstâncias agravantes, já que o menino já é maior de 18 anos, não morava na mesma casa do acusado e há muito tempo que nem o visitava. Sendo assim, deve ser afastada a circunstância agravante alegada pela acusação.

4.    DO PEDIDO

Ante o exposto, requer:

4.1. A absolvição do réu, com fundamento no art. 386, III, do Código de Processo Penal, visto que o fato narrado efetivamente não constitui crime. Ou;

4.2. A anulação do processo desde o momento da Instrução Criminal, onde houve o cerceamento de defesa, mediante o indeferimento da oitiva de testemunha essencial à defesa, nos termos do Art. 564, inciso IV, do CPP;

4.3. Se os pleitos acima não forem acatados, subsidiariamente, pleiteia-se o afastamento da agravante do art. 61, II, f, do Código Penal;

4.4. Caso Vossa Excelência entenda pela condenação do acusado, que fixe a pena base no patamar mínimo legal, pois o acusado é primário e portador de boas circunstâncias judiciais nos termos do art. 59, do CP;

4.5. Requer ainda, a substituição por penas alternativas (art. 44, CP) e o direito de recorrer em liberdade, de acordo com princípio da presunção de inocência (art. 5º, inciso LVII, da CFRB/88), pois assim fazendo estar-se-á realizando JUSTIÇA.

Comarca, data.

_______________

Advogado
               OAB n...



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0