Nenhuma

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA JUIZADO ESPECIAL DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DA COMARCA DE XXX.  

Inquérito nº: xxx

Autor: xxx

Denunciado: xxx.  

XXX, já qualificado nos autos do inquérito em epígrafe, por intermédio da DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE CEARÁ, nos termos dos artigos 310, incisos I e III do Código de Processo Penal, vem à ínclita presença de Vossa Excelência apresentar

RELAXAMENTO DE PRISÃO c/c LIBERDADE PROVISÓRIA

com fulcro no artigo 5º, inciso LXV da Constituição Federal bem como nos artigos 312 e 313 do Código de Processo Penal, pelas razões de fato e de direito a seguir expostas:


I – FATOS

Segundo o inquérito XXX da Delegacia Regional de Crato, o senhor XXX foi autuado em flagrante delito no dia XX de maio de XXX, por volta das XX sob acusação de ter agredido com socos e puxões a sua genitora, existindo contra o mesmo Medida Protetiva de Urgência do qual impede a sua aproximação por menos de 200 metros. Haja vista que não existir nenhum documento judicial que a comprove tal Medida Protetiva conforme os depoimentos no Inquérito.

Em síntese, são os fatos.


II – MÉRITO

1) RELAXAMENTO DE PRISÃO EM FLAGRANTE

Prender em flagrante é capturar alguém no momento em que comete um crime. Flagrante é o delito. A flagrância é uma qualidade da infração: o sujeito é preso ao perpetrar o crime, preso em – a comissão de – um crime flagrante, ou seja, atual. É o delito que está se consumando. Logo, conclui-se que prisão em flagrante delito é a prisão daquele que é surpreendido cometendo uma infração penal.

Vejamos os ditames do Código de Processo Penal em seu artigo 306, §1°:

Art. 306. A prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre serão comunicados imediatamente ao juiz competente, ao Ministério Público e à família do preso ou à pessoa por ele indicada.

§1º Em até 24 (vinte e quatro) horas após a  realização da prisão, será encaminhado ao juiz competente o auto de prisão em flagrante e, caso o autuado não informe o nome de seu advogado,     cópia integral para a Defensoria Pública.

Destaca-se ainda os ditames do artigo 310 do mesmo diploma processual:

Art. 310. Ao receber o auto de prisão em flagrante, o juiz deverá fundamentadamente:

I - relaxar a prisão ilegal; ou

II - converter a prisão em flagrante em preventiva, quando presentes os requisitos constantes do art.   312 deste Código, e se revelarem inadequadas ou             insuficientes as medidas cautelares diversas da        prisão; ou

III - conceder liberdade provisória, com ou sem  fiança.

Sobre o prazo da conversão prisão em flagrante em prisão preventiva, vejamos o que ensina o professor Eugenio Pacelli de Oliveira, Procurador da República:

“Penso que o Juiz deve despachar ou decidir em 24 horas após o recebimento do APF. Assim, teríamos uma regra geral de 48 horas (24 para a lavratura do APF e 24 horas para a decisão). Esse entendimento se justifica, sobretudo, em razão da natureza coercitiva e excepcional da prisão”.

Logo, devido à ausência da conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva no tempo hábil, a prisão do réu passou a configurar uma prisão ilegal, haja vista que se trata de restrição da liberdade de locomoção do indivíduo sem observância das normas vigentes. Vejamos o que nos mostra o artigo 5º, inciso LXV da Constituição Federal:

Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

(...)

LXV - a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária;

O enunciado do dispositivo constitucional deixa evidente o cabimento do pedido de relaxamento da prisão sempre que a prisão se apresentar ilegal e, por essa razão, requer que seja concedido o réu o RELAXAMENTO DE PRISÃO EM FLAGRANTE, sob pena de violação dos artigos 306 e 310 do Código de Processo Penal e do artigo 5º, incisos II e LIV da Carta Magna.

2) LIBERDADE PROVISÓRIA SEM FIANÇA

Liberdade Provisória é um instituto que permite ao acusado responder ao processo em liberdade até a sentença penal condenatória transitada em julgado. Este instituto possui algumas espécies, dentre as quais se encontra a Liberdade Permitida, ela ocorrerá nos casos em que não é possível a Prisão Preventiva, ou seja, quando não existirem as hipóteses em que não seja cabível esse tipo de prisão, o juiz deverá determinar de imediato a Liberdade Provisória.

A configuração da prisão preventiva requer o preenchimento de requisitos pré-determinados, sendo necessário prova da materialidade de crime e indícios suficientes de autoria – Fumus Commissi Delicti – bem como a existência o Periculum Libertatis, que seriam os motivos motivadores, sendo eles discriminados no artigo 312 do Código de Processo Penal:

Art. 312. A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria.

Além dos requisitos pré-determinados pelo artigo 312 do diploma processual penal, existem as causas legitimadoras da prisão preventiva presentes no artigo 313 do supracitado diploma.

O artigo 313 do CPP reza que só será decretada a prisão preventiva em crimes dolosos que tenham pena privativa de liberdade máxima superior que quatro anos, de reincidência em crime doloso com sentença transitada e julgado, ou ainda para garantir a execução de medidas protetivas de urgência em crimes que envolvem violência doméstica e familiar contra a mulher, criança, idoso, enfermo, adolescente ou pessoa com deficiência.

Portanto, como não há o preenchimento dos requisitos pré-determinados pelo artigo 312 e muito menos as causas legitimadoras apresentadas pelo artigo 313, ambos do Código de Processo Penal, não há que se falar em decretação da prisão preventiva. Logo, não sendo possível a prisão preventiva, torna-se necessária a determinação imediata da Liberdade Provisória.

Resta também comprovado, pelas razões expostas a seguir, que não existem quaisquer indícios de que o indiciado buscaria se livrar de eventual sanção penal, se condenado.

  • O indiciado é primário, não constando em seu nome nenhuma sentença transitada em julgado, conforme folha de antecedentes criminais em anexo (fls. 14).

Vejamos o que diz o entendimento do Superior Tribunal de Justiça acerca de tal tema:

SÚMULA 444 - É vedada a utilização de inquéritos policiais e ações penais em curso para agravar a pena-base.

(Súmula 444, TERCEIRA SEÇÃO, julgado em 28/04/2010, DJe 13/05/2010)

Não sendo a primariedade suficiente como, acrescenta-se que:

  • O indiciado possui residência fixa.

Acrescenta-se o fato que o mesmo é hipossuficiente não tem condições de pagar quaisquer fianças que seja arbitrada pela autoridade em virtude de suas condições financeiras, haja vista que o mesmo encontrasse desempregado, que é a razão pela qual a medida deve ser concedida SEM O ARBITRAMENTO DE FIANÇA, vejamos os ditames do artigo 350, caput, do Código de Processo Penal:

Art. 350. Nos casos em que couber fiança, o juiz, verificando a situação econômica do preso, poderá conceder-lhe liberdade provisória, sujeitando-o às obrigações constantes dos arts. 327 e 328 deste Código e a outras medidas cautelares, se for o caso.

Vejamos agora o entendimento dos tribunais pátrios acerca deste tema:

“EMENTA. HABEAS CORPUS - PRISÃO EM FLAGRANTE - FURTO - LIBERDADE PROVISÓRIA - PRESTAÇÃO DE FIANÇA - PACIENTE SEM CONDIÇÕES PARA PAGAR A FIANÇA ARBITRADA - CONCESSÃO INDEPENDENTE DO PAGAMENTO.

De acordo com o art. 350 do Código de Processo Penal, será concedida a liberdade provisória ao paciente que não tiver condições financeiras para prestar a fiança arbitrada, mediante compromisso de comparecer a todos os atos do processo. Ordem concedida.

(TJMG: 100000950568590001 MG 1.0000.09.505685-9/000(1) Resumo: Habeas Corpus - Prisão em Flagrante - Furto - Liberdade Provisória - Prestação de Fiança - Paciente Sem Condições Para Pagar a Fiança Arbitrada - Concessão Independente do Pagamento. Relator(a): ANTÔNIO ARMANDO DOS ANJOS Julgamento: 29/09/2009 Publicação: 20/10/2009)” (grifos nossos).

Entendimento idêntico tem o Tribunal de Justiça de São Paulo, ao dispor o seguinte julgado:

“Ementa. Habeas Corpus - Furto Tentado - Pedido de liberdade provisória - Arbitramento de fiança - Impossibilidade financeira - Concessão da ordem.

(TJSP - 3293363020108260000 SP Relator(a): Souza Nucci Julgamento: 25/11/2010 Órgão Julgador: 14ª Câmara de Direito Criminal Publicação: 10/12/2010)”

(grifos nossos).

Requer, portanto, pelos fatos e fundamentos acima expostos, que seja concedida a LIBERDADE PROVISÓRIA sem o pagamento de fiança em favor do requerente nos termos do artigo 321 e 350, caput, ambos do CPP.


III - PEDIDO

Ante todo o exposto, requer que Vossa Excelência, se digne à:

A conceder o RELAXAMENTO DE PRISÃO EM FLAGRANTE, devido à ausência de realização da audiência de custódia no prazo determinado em lei, sob pena de violação dos artigos 306 e 310 do CPP e artigo 5º, incisos II e LIV da Lex Mater;

A concessão da LIBERDADE PROVISÓRIA, sem pagamento de fiança, sob pena de violação do artigo 321 e 350, caput – ambos do CPP – em virtude da primariedade e circunstâncias judiciais favoráveis, bem como pela ausência do preenchimento dos requisitos pré-determinados e das causas legitimadoras da prisão preventiva.

Caso assim não se entenda, desde já postula também a concessão da LIBERDADE PROVISÓRIA cumulada com as medidas cautelares previstas no art. 319 do CPP.

Nestes termos,

pede e aguarda deferimento. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria