CONSIDERAÇÕES FINAIS

Vimos no presente estudo como o trabalho escravo nasceu nas civilizações mais remotas, como se desenvolveu e como, cada dia mais, encontra seu declínio perante a nova perspectiva mundial sobre o tema.

Vimos ainda como o combate a esta prática no exterior, através das Organizações de proteção ao trabalho reflete de forma positiva no ordenamento jurídico brasileiro, que progressivamente cria mais mecanismos de proteção ao trabalhador e, ao mesmo tempo, de repressão aos empregadores infratores, para levar à extinção dessa repugnante prática.

A nosso ver, os esforços, apesar de louváveis, ainda são insuficientes, seja por falta de servidores públicos engajados no combate do crime de redução à condição análoga à de escravo, seja porque a legislação em vigor ainda é relativamente branda com os sujeitos ativos do crime ora em estudo.

Apesar de serem notórios os avanços encontrados no Brasil no combate, ainda há um longo caminho a ser trilhado rumo à repressão com verdadeira eficiência do crime. Para tanto, é necessário investimento substancial por parte do Estado, de modo a equipar seus agentes e qualificá-los, além, é claro, de aumentar o contingente. Além disso, é imprescindível a participação de toda sociedade, através de denúncias aos órgãos competentes e também ao boicote aos autores desse crime bárbaro e vil.


Referências bibliográficas

ABREU, Lília Leonor, ZIMMERMANN, Deyse Jacqueline. Trabalho escravo contemporâneo praticado no meio rural brasileiro abordagem sociojurídica. Revista LTr, 67, n. 11, p.1306-1313, nov. 2003.

ARAÚJO JÚNIOR, Francisco Milton. Dano moral decorrente do trabalho em condição análoga à de escravo: âmbito individual e coletivo. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, Belém , v.39, n. 77, p. 97-113, jul./dez. 2006.

ARRUDA, Kátia Magalhães. trabalho análogo à condição de escravo um ultraje à Constituição. Genesis, Curitiba v. 6, n. 36, p. 683-689, dez. 1995.

BRITO FILHO, José Claudio Monteiro de. Trabalho decente: análise jurídica da exploração do trabalho : trabalho forçado e outras formas de trabalho indigno. São Paulo: LTr, 2004. 134p.

BRITO FILHO, José Cláudio Monteiro de. Trabalho com redução do homem à condição análoga à de escravo e dignidade da pessoa humana. [online] Disponível na Internet via WWW.URL:<http://www.pgt.mpt.gov.br/pgtgc/publicacao/download.wsp?tmp.arquivo=182> Arquivo capturado em 17 de Setembro de 2008

CESÁRIO, João Humberto. Legalidade e conveniência do cadastro de empregadores que tenham mantido trabalhadores em condições análogas à de escravo compreendendo a "lista suja". Suplemento Trabalhista, São Paulo v. 42, n. 015, p. 59-65, 2006.

Congresso_Nacional. Consolidação das Leis do Trabalho. [online] Disponível na Internet via WWW. URL: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del5452.htm > Arquivo capturado em 17 de Setembro de 2008

Congresso_Nacional. Constituição da República Federativa do Brasil. [online] Disponível na Internet via WWW. URL: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm> Arquivo capturado em 17 de Setembro de 2008

DELGADO, Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 6ª edição. São Paulo: LTr, 2007.

FAVA, Marcos Neves. Ação Civil Pública Trabalhista. São Paulo:LTr, 2005

LEITE, Carlos Henrique Bezerra. A ação civil pública e a tutela dos interesses individuais homogêneos dos trabalhadores em condições análogas à de escravo. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, Brasília v. 71, n. 2, p. 146-173, mai./ago. 2005

LOTTO, Luciana Aparecida. Ação Civil Pública Trabalhista Contra o Trabalho Escravo no Brasil. São Paulo:LTr, 2008

MARQUES, Christiani. A Proteção ao Trabalho Penoso. São Paulo:LTr, 2007

MELO, Luis Antonio Camargo de. As atribuições do Ministério Público do Trabalho na prevenção e no enfrentamento ao trabalho escravo. Revista LTr, 68, n. 4, p. 425-432, abr. 2004.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO: coordenadorias temáticas / Organização, Ricardo José Macedo de Britto Pereira; texto de abertura, Sandra Lia Simon – Brasília: ESMPU, 2006

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Informações acerca da competência do MTE no combate ao trabalho escravo, Portaria nº 540/2004 e "lista suja" atualizada em 17.7.2007. [online] Disponível na Internet via WWW. URL <http://www.mte.gov.br/trab_escravo/default.asp.> Arquivo capturado em 17 de Setembro de 2008

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Termo de Cooperação do Trabalho Escravo. Disponível na Internet via <http://www.mte.gov.br/trab_escravo/default.asp>.Arquivo capturado em 17 de março de 2009

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO; CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO, 89, 2001. Não ao trabalho forçado: relatório global do seguimento da Declaração da OIT relativa a Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho. Brasília: OIT, 2001

PAULO, Vicente. Resumo de Direito do Trabalho. Rio de Janeiro: Impetus, 6ª edição, 2007

PRADO, Adonia. Trabalho escravo hoje. [online] Disponível na Internet via WWW. URL: <http://www.pgt.mpt.gov.br/pgtgc/publicacao/engine.wsp?tmp.area=217&tmp.texto=1020> Arquivo capturado em 17 de Setembro de 2008

PRADO, Erlan. Trabalho escravo e Estado Brasileiro. [online] Disponível na Internet via WWW.URL:<http://www.pgt.mpt.gov.br/pgtgc/publicacao/download.wsp?tmp.arquivo=183>. Arquivo capturado em 17 de Setembro de 2008

PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 13ª REGIÃO. Coordenadoria Nacional de Combate ao Trabalho Escravo (Conaete). Disponível na Internet via <http://www.prt13.mpt.gov.br/coortrabalhoescravo.html>. Arquivo capturado em 17 de março de 2009.

REVISTA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO– Brasília, Ano XIII – nº. 26- setembro 2003

SENTO-SÉ, Jairo Lins de Albuquerque. Trabalho Escravo no Brasil na Atualidade, São Paulo:LTr, 2001

SÜSSEKIND, Arnaldo. Instituições de Direito do Trabalho, Volume I. São Paulo:LTr, 1999

VELLOSO, Gabriel. Trabalho escravo contemporâneo: o desafio de superar a negação.São Paulo: LTr, 2006


Notas

  1. Comentários ao Código Penal, volume VI, página 199, 5ª edição, Editora Forense).
  2. OLIVIERI, ANTONI CARLOS. Trabalho compulsório ainda existe no Brasil [online]. Disponível na internet via WWW. URL: < http://educacao.uol.com.br/historia-brasil/ult1702u64.jhtm >. Arquivo capturado em 16 de Março de 2009.
  3. SÜSSEKIND, Arnaldo. Instituições de Direito do Trabalho, Volume I, P.29-30 . São Paulo:LTr, 1999
  4. FLORIAN, EUGENIO, Trattato Di Diritto Penale. Casa Editrice Dott. Francesco Vallardi. 1936, PP.284-5
  5. MARQUES, Christiani, A Proteção ao Trabalho Penoso. LTr.2007, PP.32
  6. MELO, Luis Antônio Camargo de. Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo (Conaete). Ministério Público do Trabalho: coordenadorias temáticas, 2006. PP. 37.
  7. LEITE, Carlos Henrique Bezerra. A ação civil pública e a tutela dos interesses individuais homogêneos dos trabalhadores em condições análogas à de escravo. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, Brasília v. 71, n. 2, p. 146-173, mai./ago. 2005
  8. OIT. Convenção 29 sobre o trabalho forçado ou obrigatório [online]. Disponível na internet via WWW. URL: < http://www.oitbrasil.org.br/info/download/conv_29.pdf >. Arquivo capturado em 01° de Março de 2009.
  9. PAULO, Vicente. Aulas de Direito Constitucional. , 9ª edição, Rio de Janeiro: Impetus, 2007- p. 105-106
  10. PEDROSO, DANIELA. Competência da Justiça Federal para julgar o crime de redução à condição análoga à de escravo. [online] Disponível na Internet via WWW. URL: <http://www.lfg.com.br/public_html/article.php?story=20081022161338621&mode=print> Arquivo capturado em 17 de Março de 2009
  11. ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO; Trabalho escravo no Brasil do século XXI. [online] Disponível na Internet via WWW. URL <http://www.oitbrasil.org.br/download/sakamoto_final.pdf> Arquivo capturado em 17 de Março de 2009.
  12. RIBEIRO JÚNIOR, José Hortêncio. Tutela inibitória nas ações coletivas – instrumento eficaz na preservação da dignidade da pessoa humana e na erradicação do trabalho escravo ou degradante. op. cit., p. 154.
  13. (in Dano moral decorrente do trabalho em condição análoga à de escravo: âmbito individual e coletivo – Revista do TST, Brasilía, vol. 72, nº 3, set/dez/2006, p. 99).
  14. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Histórico do FAT [online] Disponível na Internet via WWW. URL < http://www.mte.gov.br/fat/historico.asp> Arquivo capturado em 17 Março de 2008
  15. CALVET, Otavio Amaral. Não corre prescrição durante o trabalho escravo . Jus Navigandi, Teresina, ano 10, n. 878, 28 nov. 2005. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/7617>. Acesso em: 17 mar. 2009.
  16. FAVA, Marcos Neves. Lista do DEOPS, lista suja, lista de Schindler, lista da OAB-SP, in www.anamatra.org.br. Acesso em 17 de Março de 2009.
  17. VIANA, Márcio Túlio. Trabalho escravo e "lista suja": um modo original de se remover uma mancha. Revista Ltr, Vol. 71, nº 8, agosto de 2007
  18. 18 PINTO, Melina Silva. A constitucionalidade da "lista suja" como instrumento de repressão ao trabalho em condições análogas à de escravo no Brasil . Jus Navigandi, Teresina, ano 12, n. 1695, 21 fev. 2008. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/10970>. Acesso em: 18 de Março de 2009
  19. PINTO, Melina Silva. A constitucionalidade da "lista suja" como instrumento de repressão ao trabalho em condições análogas à de escravo no Brasil . Jus Navigandi, Teresina, ano 12, n. 1695, 21 fev. 2008. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/10970>. Acesso em: 18 de Março de 2009
  20. SENTO-SÉ, Jairo Lins de Albuquerque. Trabalho Escravo no Brasil na Atualidade. Editora: LTr, São Paulo 2001 – pág 113
  21. MELO, Luis Antônio de, Premissas para um eficaz combate ao trabalho escravo. Rev. MPT – Brasília, Ano XII – nº. 26 – setembro 2003. PP. 18.
  22. SENTO-SÉ, Jairo Lins de Albuquerque. Trabalho Escravo no Brasil na Atualidade. Editora: LTr, São Paulo 2001 – PP. 114
  23. SENTO-SÉ, Jairo Lins de Albuquerque. Trabalho Escravo no Brasil na Atualidade. Editora: LTr, São Paulo 2001 – PP. 118
  24. SENTO-SÉ apud LOTTO. Ação Civil Pública Trabalhista Contra o Trabalho Escravo no Brasil. LTr, São Paulo, 2008, PP.78
  25. SENTO-SÉ apud LOTTO. Ação Civil Pública Trabalhista Contra o Trabalho Escravo no Brasil. LTr, São Paulo, 2008, PP.80
  26. LOTTO, Luciana Aparecida. Ação Civil Pública Trabalhista Contra o Trabalho Escravo no Brasil. LTr, São Paulo, 2008, PP.80
  27. SENTO-SÉ, Jairo Lins de Albuquerque. Trabalho Escravo no Brasil na Atualidade. Editora: LTr, São Paulo 2001 – PP. 120
  28. SENTO-SÉ apud LOTTO. Ação Civil Pública Trabalhista Contra o Trabalho Escravo no Brasil. LTr, São Paulo, 2008, PP.80-81
  29. SENTO-SÉ, Jairo Lins de Albuquerque. Trabalho Escravo no Brasil na Atualidade. Editora: LTr, São Paulo 2001 – PP. 119
  30. SENTO-SÉ, Jairo Lins de Albuquerque. Trabalho Escravo no Brasil na Atualidade. Editora: LTr, São Paulo 2001 – PP. 122
  31. MARTINS FILHO, I.G.S. A defesa dos interesses coletivos pelo Ministério Público do Trabalho – p.15
  32. MANCUSO, R.C. Interesses difusos, p.62
  33. TAPETY, A.M.F. A ação civil pública para a tutela de interesses difusos.Rev do MPT, p.50
  34. RODRUIGUES, D.A. A ação civil publica e a defesa de interesses difusos. Rev. do MPT, p.144
  35. SENTO-SÉ, Jairo Lins de Albuquerque. Trabalho Escravo no Brasil na Atualidade. Editora: LTr, São Paulo 2001 – PP. 126
  36. Procuradoria Regional do Trabalho da 13ª Região. Coordenadoria Nacional de Combate ao Trabalho Escravo (Conaete). Disponível na Internet via <http://www.prt13.mpt.gov.br/coortrabalhoescravo.html>. Arquivo capturado em 17 de março de 2009.
  37. Comissão Pastoral da Terra (CPT): sociedade civil, sem fins lucrativos, ligada à Igreja Católica, com sede em Goiânia.
  38. Ministério do Trabalho e Emprego. Termo de Cooperação do Trabalho Escravo. Disponível na Internet via <http://www.mte.gov.br/trab_escravo/default.asp>.Arquivo capturado em 17 de março de 2009

Autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

BREMER, Felipe Fiedler. Análise didática do trabalho escravo no Brasil. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 14, n. 2166, 6 jun. 2009. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/12944. Acesso em: 23 jul. 2019.

Comentários

0