Emissão de cheque gera, necessariamente, duas relações jurídicas: uma cambiária e outra civil ou comercial.

CHEQUE: RELAÇÃO JURÍDICA CARTULÁRIA (OU CAMBIÁRIA) VERSUS RELAÇÃO CIVIL OU COMERCIAL

Prof. Guilherme CABRAL

CÓDIGO CIVIL: art. 888. A omissão de qualquer requisito legal, que tire ao escrito a sua validade como título de crédito, não implica a invalidade do negócio jurídico que lhe deu origem.

Por esse artigo do Código Civil, percebe-se claramente que, sempre que há a emissão de um título de crédito, existirão duas relações jurídicas.

Quando emito um cheque em favor de uma pessoa, fatal e invariavelmente, teremos uma relação cambiária (ou cartulária) e outra relação civil ou comercial.

Exemplo: Guilherme Cabral compra um carro de Valtir de Sousa e emite um cheque de R$ 50.000,00 à ordem de Valtir de Sousa. Houve uma relação civil de compra e venda de coisa (veículo). Se um de nós fosse comerciante de carros, haveria para esse comerciante uma relação comercial.

Assim, teremos duas relações jurídicas: a primeira, de compra e venda civil de um veículo, onde Guilherme Cabral figura como devedor da compra e Valtir de Sousa figura como credor da venda.

Agora, na emissão do cheque, em pagamento da compra e venda, na relação cartulária, Guilherme Cabral, titular da conta corrente e emitente do cártula de cheque, é o CREDOR, o Banco é o DEVEDOR e Valtir de Sousa é o favorecido ou beneficiário da quantia representada pelo cheque.

Vamos à lei do cheque (Lei 7.357, de 2 de setembro de 1985):

São requisitos do cheque: art. 1o O cheque contem:

I - omissis

II - A ORDEM incondicional de pagar quantia determinada.

Obs.: veja que se trata de uma ORDEM e não de um pedido. O Credor, emitente, ORDENA ao Banco (devedor).

III - o nome do BANCO ou da INSTITUIÇÃO FINANCEIRA que DEVE pagar (sacado).

Obs.: veja que o BANCO está recebendo uma ordem. Em português claro, quem DEVE PAGAR algo é o DEVEDOR. Ao revés, quem tem a receber é o CREDOR.

É um pouco difícil para o leigo, em primeiro momento, conseguir distinguir a diferença entre a relação cambiária da relação civil (ou comercial).

A conta corrente é uma rubrica contábil do BANCO. É, também, chamada de funding ou operação passiva do banco. Daí, por que a conta corrente apresenta CRÉDITO quando depositamos e DÉBITO quando sacamos. Isso, porque a nossa conta corrente é uma rubrica do PASSIVO do banco. As contas do passivo, quando entram valores, são CREDITADAS e quando saem valores, são DEBITADAS (exceto as contas retificadoras do passivo, que não objeto deste artigo).

Quando depositamos em um banco, o BANCO passa a ser DEVEDOR da pessoa que depositou.

Veja, de forma singela, o texto abaixo, retirado do link:

http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20090907231442AAnhgN4

“Uma empresa ou pessoa física é considerada credora quando possui aplicações/recursos disponíveis no seu cadastro junto a uma instituição financeira ou quando empresta dinheiro/equipamentos a terceiros.

O devedor por consequência é aquele que se utiliza dos recursos dos credores, por meio de empréstimos.

EX. Você é correntista de um banco e possui várias aplicações, entre fundos de investimentos, CDB e poupança junto a esta instituição, portanto você é credor deste banco. O banco paga a você a rentabilidade sobre os valores aplicados, hoje a taxas de 0,55% a 0,80% a.m., mas de onde vem o dinheiro para pagar essa rentabilidade?

O seu dinheiro é emprestado pelo banco a outras pessoas por meio de empréstimos, utilização de cheque especial, financiamento imobiliário etc. Essas pessoas são os devedores dos bancos, e com os ganhos dos empréstimos, onde as taxas variam de 1,5% a.m. até 12% a.m. no caso do cheque especial, são utilizados para pagar a rentabilidade de suas aplicações.

E a diferença entre a taxa dos empréstimos e a das aplicações, para onde vai? 

Essa diferença, que compõe o chamado SPREAD bancário, é utilizada para o custeio da estrutura dos bancos, e o que sobra (que é muito) é o lucro das instituições financeiras”.

Assim, numa análise perfunctória (e nem precisa mesmo ser aprofundada), percebe-se que SEMPRE, ao emitir um cheque, existirão duas relações jurídicas. Assim, confirma o art. 888, do Código Civil.

O artigo 888 quis dizer que: se o cheque que Cabral emitiu a Valtir não tiver fundos bancários, nem por isso a compra e venda será nula. Se Guilherme Cabral já passou o carro para seu nome, Valtir terá que entrar pela via judicial para tentar receber a quantia representativa do cheque, colocando no polo passivo, como executado, Guilherme Cabral, que é o emitente e DEVEDOR NA RELAÇÃO CIVIL (dívida essa, representada pelo título de crédito). Óbvio que o BANCO não tem nada a ver com a relação civil e, também, por óbvio ululante, não poderá figurar no polo passivo da execução, mas tão-somente o emitente do cheque.

Agora, se Guilherme Cabral possui fundos bancários e o Banco não cumpre a ordem, o banco figurará no polo passivo de uma cobrança judicial e, eventualmente, por danos morais, por não ter pago o cheque de Guilherme Cabral, sendo que havia saldo. O Banco é devedor de Guilherme Cabral e não de Valtir de Sousa.

Veja que já caiu em prova do CESPE a seguinte afirmativa: “UM CHEQUE SÓ PODE SER ACEITO CAMBIÁRIAMENTE, SE CONTIVER OS REQUISITOS DA LEI”.

GABARITO: ERRADO. Por quê? Porque o cheque NÃO admite o aceite cambiário NUNCA.

Art. 6o da Lei do Cheque: “O cheque NÃO admite aceite, considerando-se como não escrita qualquer declaração com esse sentido”.

Veja que o CESPE deixou claro que se trata de ACEITE CAMBIÁRIO. Daí, ACEITE não tem nada a ver com ACEITAR um cheque, do português.

O que é o ACEITE CAMBIÁRIO: “Art. 2o, da Lei 5.474, de 18.07.1968: “ACEITE CAMBÍARIO é a declaração do reconhecimento da exatidão de um título de crédito e da obrigação de pagá-lo, a ser assinada pelo comprador, como aceite cambial”.

O aceite cambial só é admitido na DUPLICATA e na LETRA DE CÂMBIO, que são títulos emitidos pelo CREDOR/VENDEDOR, contra o devedor, que deverá dar a sua concordância.

Também, por isso, o cheque tem natureza jurídica QUESÍVEL ou quèrable e a Letra de Câmbio tem natureza Levável ou portable.

O cheque é quesível porque o favorecido do crédito consubstanciado no cheque vai ao DEVEDOR (que é o banco) receber a ordem de pagamento.

Já a letra de câmbio e a duplicata, o DEVEDOR é quem vai ao credor pagar, por isso, de natureza levável.

 Espero ter esclarecido mais essa dúvida dos meus alunos. Fiquem atentos para a relação cambiária/bancária/cartulária.

Guilherme Cabral é professor de curso preparatório há 36 anos, bacharel em Direito pela UNIMONTES, Especialista em Direito Empresarial, com especialização em Títulos de Crédito e monografia final da pós graduação cujo tema foi: OS TÍTULOS DE CRÉDITO E SUAS NUANÇAS.

Ex professor universitário por oito anos, em Direito Comercial II - Títulos de Crédito (UPIS, CESUBRA, UNIP e UNICEUB - todas em Brasília - DF).


Autor

  • Guilherme Castro Cabral

    Professor de curso preparatório há 36 anos, bacharel em Direito pela UNIMONTES, Especialista em Direito Empresarial, com especialização em Títulos de Crédito e monografia final da pós graduação cujo tema foi: OS TÍTULOS DE CRÉDITO E SUAS NUANÇAS. Ex professor universitário por oito anos, em Direito Comercial II - Títulos de Crédito (UPIS, CESUBRA, UNIP e UNICEUB - todas em Brasília - DF).

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria