A possibilidade de utilização de precatórios para compensação de débitos tributários é uma interessante alternativa para as empresa visando a extinção de dívidas fiscais.

Muitas são as teses tributárias que surgem diariamente no círculo jurídico e que são oferecidas as empresas como solução de todos os problemas fiscais da entidade. Tenho receio e certa reserva sobre estas “teses jurídicas”.

A posição advém de minha experiência profissional durante a qual me deparei com muitas empresas em situação caótica por conta de teses jurídicas inicialmente fabulosas e que se mostraram no futuro um verdadeiro “abacaxi”.

Por isso sempre oriento meus clientes a agirem com cautela diante de certas ofertas, consultando profissional experiente, avaliando os riscos e benefícios e, especialmente, certificando-se de elaborar contrato com as garantias que a situação exige.

Isso não significa, de forma nenhuma, que o mercado não ofereça grandes oportunidades de negócios às empresas. Há muitos profissionais sérios e competentes que tem condição de colaborar com a diminuição da carga tributária das empresas, através de alternativa totalmente legal.

Uma destas hipóteses é a compensação de débitos tributários, especialmente aqueles em fase de execução, com precatórios. E o que são precatórios?

É uma espécie de requisição de pagamento de determinada quantia a que a Fazenda Pública foi condenada em processo judicial, para valores totais acima de 60 salários mínimos por beneficiário. Em outras palavras é a forma em que se executa a sentença judicial condenatória da Fazenda Pública.

A compensação, por sua vez, segue lógica absolutamente óbvia: se a Fazenda deve à empresa o valor do precatório e a empresa deve à Fazenda o valor dos tributos, nada mais pertinente do que a compensação.

Lógico que este é um raciocínio simplista, mas a colocação é válida para o entendimento do assunto. O que importa, na verdade, é que nossos Tribunais vêm encampando a tese e a cada dia surgem novas decisões favoráveis à compensação de tributos com precatórios.

Diante de tantas decisões favoráveis aos contribuintes não há dúvida de que a tese vale a pena ser avaliada pelas empresas.

Fabio Silva


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria