Artigo sobre tecnologia

“Uma pesquisa feita nos Estados Unidos revelou que 89% dos advogados usam e-mail para enviar informações confidenciais a seus clientes. Mas apenas 22% deles – isto é, 2 em cada 10 advogados – usam criptografia para impedir que essas comunicações “privilegiadas” sejam bisbilhotadas por intrusos”, conforme notícia do portal Consultor Jurídico.

Vamos estabelecer o básico: Email todos sabemos o que é, não é mesmo?

Agora, criptografia, o que vem a ser?

Segundo a Wikipédia:

Criptografia (Do Grego kryptós, “escondido”, e gráphein, “escrita”) é o estudo dos princípios e técnicas pelas quais a informação pode ser transformada da sua forma original para outra ilegível, de forma que possa ser conhecida apenas por seu destinatário (detentor da “chave secreta”), o que a torna difícil de ser lida por alguém não autorizado.

Uma informação não-cifrada que é enviada de uma pessoa (ou organização) para outra é chamada de “texto claro” (plaintext). Cifragem é o processo de conversão de um texto claro para um código cifrado e decifragem é o processo contrário, de recuperar o texto original a partir de um texto cifrado.

E confidencial?

Para muitos advogados, tudo é confidencial. Contudo, o paradoxo do tudo (que sem definição equivale a nada) demonstra que não há categoria para o que pode ser publicizado ou não.

Basta pensar no processo judicial. Não sendo segredo de justiça, ele é público, qualquer um pode ter acesso.

Contudo, existem muitas informações que não podem ser colocadas num email ou sistema sem que haja efetiva segurança.

Mais um trecho da reportagem revela:

De acordo com a pesquisa da LexisNexis Legal & Professional, a única medida de precaução tomada por 77% dos advogados, em suas comunicações privilegiadas, é acrescentar no fim do e-mail uma “declaração de confidencialidade” – uma espécie de lembrete a invasores de que não têm o direito de ler o conteúdo do e-mail e documentos anexados.

Esses advogados estão tratando as informações confidenciais do cliente com o mesmo cuidado que um adolescente posta uma mensagem no Facebook, diz osite NetworkWorld. Em termos de segurança, isso é virtualmente o mesmo que nada.

“Imagina se eu deixo um documento em minha mesa, com o título “Meus segredos mais profundos e sombrios”, com uma nota que diz: Por favor, não leia esse documento, se não lhe for pedido para fazê-lo. Que proteção isso me daria?”, pergunta o advogado Robert Ambrogi, que escreve sobre segurança no blog LawSites.

(leia a notícia completa: http://www.conjur.com.br/2014-jun-08/eua-apenas-22-advogados-protegem-mails-criptografia)

Neste quesito, o que anda circulando nos emails do escritório ou empresa?

Você acompanha, sabe ou monitora?

Sabe se não há informações realmente confidenciais sendo enviadas para fora da corporação?

Não controlar é quase como deixar o número do cartão de crédito no email, qualquer um pega, qualquer um usa.

O mesmo vale para sistemas jurídicos: Você troca a senha com regularidade? Usa senhas complexas?

Uma senha de 8 dígitos tipo:

12345678

87654321

00000000

Ou outras deste tipo não demonstram segurança alguma.

Ou pior: Cria uma senha complexa e boa, mas cola num papel no monitor ou anota na agenda…

Ou ainda, diz que tudo é seguro, usa até certificação digital, mas qualquer arigó da empresa sabe a senha…

Mais do que email, tecnologia, criptografia, senhas e sistemas: Segurança é inteligência.

#Usecomsabedoria


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria