Um dos problemas que as empresas tem lidado é com a alienação de recebíveis, mais especificamente com a alienação fiduciária de duplicatas, que pode por em risco toda a operação da empresa e trazer consequências trágicas para toda a sociedade brasileira.

Um dos problemas que as empresas tem lidado é com a alienação de recebíveis, mais especificamente com a alienação fiduciária de duplicatas, que pode por em risco toda a operação da empresa e trazer consequências trágicas para toda a sociedade brasileira.

Isso porque, ante a necessidade de crédito e manter o capital de giro a empresa contrai empréstimos junto a instituições financeiras, dispondo de títulos de crédito como garantia para a operação creditícia. Ocorre que com a atual lógica produtiva e principalmente com a ação muitas vezes predatória de algumas instituições financeiras, o risco da operação de financiamento prejudicar o desenvolvimento da empresa, inclusive ocasionando sua quebra, é muito grande, prejudicando a economia e a sociedade como um todo.

Nesse sentido, o presente estudo busca tecer breves considerações acerca dessa problemática, apresentando o tema da alienação fiduciária de duplicata e demonstrando como a prática diária do sistema de alienação de recebíveis pode provocar danos sistêmicos a economia nacional.

Cumpre destacar, primeiramente, que a alienação fiduciária é um instituto jurídico cuja natureza é a garantia de uma operação de compra e venda constituída por meio da propriedade resolúvel de um bem.

Segundo Haroldo Malheiros Duclerc Verçosa 

o negócio fiduciário em geral corresponde àquele segundo o qual uma das partes (fiduciário), havendo recebido de outra (fiduciante) a propriedade de um bem, assume a obrigação de dar-lhe determinada destinação, e, comumente, restituí-lo ao segundo depois de ter sido realizado o objeto proposto naquela convenção (g.n.). [1]

Já segundo Francisco Cláudio de Almeida Santos 

a alienação (dita fiduciária) em garantia, no direito brasileiro, é pois negócio jurídico típico, pelo qual o devedor, fiduciante, com escopo de garantia, contrata a transferência ao credor, fiduciário, da propriedade resolúvel do bem móvel ou imóvel, tudo na conformidade das definições extraídas da legislação pertinente. [2]

Dessa maneira, é inerente ao instituto jurídico da alienação fiduciária de bem imóvel a transferência da propriedade, de modo que o fiduciante deixa de ser proprietário do bem alienado, exercendo tão somente sua posse direta.

Pode-se dizer que são características do negócio fiduciário: a) é um negócio jurídico típico; b) constitui direito de garantia real; c) sua essência está na transferência da propriedade resolúvel; d) pode ser concretizada em bem móvel ou imóvel; e e) apesar de previsão no Código Civil de 2002, seu regramento está espalhado na legislação extravagante.

Quanto ao seu registro legal, a alienação está prevista nos artigos 1.361 a 1.368-A do Código Civil, que traça normas gerais sobre o instituto, no Decreto-Lei nº 911/69, que trata acerca da alienação fiduciária de bem móvel, na Lei Federal nº 9.514/97, que trata da alienação fiduciária de bem imóvel, e em outras disposições esparsas.

Tendo em vista ser a duplicata um título de crédito, sua própria natureza é a de mobilidade, ou seja, é possível ser transportada para quaisquer locais sem perda substancial de seu conteúdo, forma ou valor. Portanto, considerando o escopo do presente estudo, passa-se tão somente a avaliar as características da alienação fiduciária de bens móveis.

Importante frisar que o bem precisa ser infungível, pois, de outro modo, a relação cairia na vala comum dos contratos sub-rogados por terceiro [3].

O contrato que constitui a alienação fiduciária deve ser registrado, nos termos do artigo 1.361, §1º, do Código Civil, no Cartório de Registro de Títulos e Documentos do domicílio do devedor/fiduciante.

Já o artigo 1.362 trata dos requisitos de validade do contrato de alienação fiduciária de modo genérico. O contrato deve conter: 1) o total da dívida, ou sua estimativa; 2) o prazo, ou a época do pagamento; 3) a taxa de juros se houver; e 4) a descrição da coisa objeto da transferência, com os elementos indispensáveis à sua identificação. Esse é o mesmo teor do artigo 66 da 4.728/65, alterado pelo Decreto-Lei nº 911/69.

Se o fiduciante quitar todas as prestações, então a propriedade é resolvida, passando-a definitivamente para ele. No caso de inadimplência, a mora opera-se ex re, ou seja, não é necessária a interpelação judicial ou extrajudicial para a constituição em mora do fiduciante.

Nesse momento que a alienação de recebíveis ganha proporção. Especificamente sobre o tema, a empresa contrata algum financiamento bancário, geralmente constituído por meio de uma Cédula de Crédito Bancário, no qual é formada uma carteira de duplicatas alienadas fiduciariamente, no intuito de garantir a dívida. Desse modo, as duplicatas que constituem recebíveis da empresa saldam primeiro a dívida junto à instituição financeira e depois entram no caixa.

Fazendo uso dos recebíveis para garantir um contrato de financiamento aumenta-se o risco de desequilibrar a saúde financeira da empresa, pois parte da renda que normalmente entraria no caixa para então saldar os haveres é automaticamente direcionada para amortizar o empréstimo.

Utilizemos um exemplo: a empresa “A” realiza firma um empréstimo com o banco “B” no valor de R$ 120.000,00 (cento e vinte mil reais), parcelando em 24 parcelas mensais de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), garantido pela alienação fiduciária de um ou mais duplicatas no valor total de R$ 60.000,00 (sessenta mil reais). Se no mês de janeiro a empresa for receber R$ 10.000,00 (dez mil reais), metade desse valor já é direcionado para saldar o financiamento. Agora, se no mês de fevereiro os recebíveis forem de R$ 3.000,00 (três mil reais), o caixa da empresa começa altamente prejudicado, pois ao invés de deixar de quitar a parcela, mesmo incidindo em mora, e manter algum capital disponível, nada terá para o mês, devendo novamente contratar financiamento bancário.

Assim, no caso de inadimplência da empresa, o credor fiduciário torna-se proprietário dos títulos de crédito, ou seja, das duplicatas, o que pode levar a bancarrota do devedor fiduciante. Veja-se que o credor, no caso o banco, não detém os títulos, as tem o dever de vender o bem por meio de leilão judicial ou extrajudicial, nos termos do artigo 1.364, Código Civil. A função aqui do leilão é saldar todos os débitos, inclusive aqueles de cobrança da dívida. [4]

O que a prática tem demonstrado é que esses leilões não conseguem saldar o débito, que persiste e acaba sendo cobrado da empresa pela via judicial. Agrava-se essa questão quando se considera a possibilidade de arrematação desses títulos de crédito por valor muito inferior ao expresso na cártula.

Ocorre que a falência da empresa não traz consequências somente para os sócios. A instituição financeira e os demais credores da empresa sofrem o elevado risco de integral insolvência dos seus créditos, aumentando o custo para obtenção de financiamento. Os empregados, por sua vez, perdem sua principal fonte de renda, reduzindo seu consumo. Trata-se de um efeito sistêmico na economia, ou seja, um efeito dominó: quando cai a primeira peça todas as demais são derrubadas. A crise financeira dos EUA teve origem semelhante (não idêntica, frise-se) a essa problemática de alienação de recebíveis.

Portanto, tem-se um tema bastante controverso e complexo sobre a alienação de recebíveis. A alienação fiduciária e sua modalidade para títulos de crédito é de importância fundamental para as relações contemporâneas, ao ponto de não se imaginar as relações comerciais sem esse direito de garantia. Todavia, o mau uso dessa garantia ou a errônea avaliação dos riscos de alienação de recebíveis pode provocar um problema econômico de larga escala.

Referências:

[1] VERÇOSA, Haroldo Malheiros Duclerc Verçosa. Direito Comercial. V. 5. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014, p. 62.

[2] SANTOS, Francisco Cláudio de Almeida Santos. A regulamentação da alienação fiduciária de imóveis em garantia. DTR\1999\22, p. 6.

[3] TATURCE, Flávio. Manual de Direito Civil. Volume único. 4ª ed. São Paulo: Método, 2014, p. 1090.

[4] TATURCE, Flávio. Manual de Direito Civil. Volume único. 4ª ed. São Paulo: Método, 2014, p. 1091.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria