Quais os aspectos norteadores da Política Nacional de Mobilidade Urbana? Este texto analisa a produção legislativa federal e no Estado de Santa Catarina sobre o tema.

EMENTA: ANÁLISE LEGISLATIVA. IMPOSIÇÃO DE OBRIGAÇÃO AOS ENTES FEDERATIVOS. PRAZO ESTABELECIDO PARA 2015. AUSÊNCIA DE REGRAMENTOS DELINEADOS. NECESSIDADE.


I. INTRODUÇÃO:

Em análise preliminar observou-se que existe a premente necessidade de se adequar a legislação às exigências sociais na escala evolutiva, todavia existe uma carência de sintonia dos entes federativos neste sentido.

Há muito foi detectada a deficiência na organização dos estados e principalmente dos municípios nestas questões, suscitando um estudo mais apurado desta entidade.

A Constituição Federal de 1988 já havia imposto à União que cuidasse de instituir diretrizes para o desenvolvimento urbano, incluindo nessa responsabilidade a habitação, o saneamento básico e os transportes (art. 21, XX).

Neste sentido, a Carta Magna dedicou especial atenção ao desenvolvimento urbano, visando ordenar o pleno incremento das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus cidadãos (art. 182).

Instituiu assim que o plano diretor para as cidades com mais de 20 mil habitantes seria o instrumento básico de desenvolvimento e expansão urbana (art. 182, § 1º).

Objetivando regulamentar a política urbana inserta na Carta Maior, o Estatuto das Cidades (Lei 10.257/01) estrutura as obrigações acessórias ao planejamento diretor.

Em que pese a lei mencionada não adentrar profundamente nas questões atinentes à mobilidade urbana, faz a ressalva de que o transporte é indispensável ao pleno desenvolvimento das funções sociais e da propriedade urbana (art. 2º, I e V) e salienta que deverá existir um plano de transporte urbano integrado, compatível com o plano diretor ou nele inserido (art. 41, § 2º).

Muito embora o plano diretor seja obrigatório às cidades com população superior a 20 mil habitantes e a exigência acima seja adstrita a cidades com mais de 500 mil habitantes, entende-se absolutamente recomendável sua aplicação abrangente, haja vista que é essencial ao planejamento e organização referendados como de suma importância ao bem-estar dos cidadãos.

Melhor explicando, na concepção atual não se pode tratar de desenvolvimento urbano isoladamente, visto que a mobilidade, o saneamento e tantos outros fatores interferem diretamente, seja positivamente, seja negativamente.

Feitas as explanações acima, é nítido que o tema “mobilidade urbana” influencia de forma intrínseca no desenvolvimento econômico, social e ambiental razão pela qual a sanção da lei 12.587/12 que institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana vem a oxigenar o enfrentamento dessa emblemática questão.

II. DOS PROCEDIMENTOS LEGISLATIVOS

As pesquisas iniciais mostram que o legislador, a bem da verdade nos 22 (vinte e dois) anos seguintes à promulgação da constituição - ou mesmo após o estatuto das cidades – não permaneceu inerte.

Um estudo do IPEA evidencia que ao longo destas duas décadas foram apresentados em torno de 09 (nove) Projetos de Lei, porém o tema tinha grande foco no transporte coletivo.

 No entanto a partir da criação do Ministério das Cidades foi onde, com a participação do Conselho das Cidades, iniciou-se uma discussão mais abrangente sob a denominação “mobilidade urbana”.

Assim percebe-se que apesar de demorada, houve uma longa construção a qual oferece hoje o título “Política Nacional de Mobilidade Urbana”.

Segundo o estudo do IPEA, após a criação o Ministério das Cidades produziu e publicou no caderno MCidades nº 6, linhas mestras que na oportunidade foram denominados Política Nacional de Mobilidade Urbana Sustentável, as quais importa mencionar:

  • acessibilidade universal;
  • desenvolvimento sustentável;
  • equidade no acesso ao transporte público coletivo;
  • transparência e participação social no planejamento, controle e avaliação da política;
  • segurança nos deslocamentos;
  • justa distribuição dos benefícios e ônus decorrentes do uso dos diferentes meios e serviços;
  • equidade no uso do espaço público de circulação, vias e
  • logradouros;
  • prioridade dos modos de transportes não motorizados sobre os motorizados e dos serviços de transporte público coletivo sobre o transporte individual motorizado;
  • integração da política de mobilidade com a de controle e uso do solo;
  • a complementaridade e diversidade entre meios e serviços (intermodalidade);
  • a mitigação dos custos ambientais, sociais e econômicos dos deslocamentos de pessoas e bens;
  • o incentivo ao desenvolvimento tecnológico e ao uso de energias renováveis e não poluentes;
  • a priorização de projetos de transporte coletivo estruturadores do território, entre outras.

Associado à discussões governamentais em conjunto com a sociedade civil, bem como seminários regionais realizados em algumas capitais brasileiras e consubstanciado nesses princípios o executivo encaminha o Projeto de Lei 1687/07.

Com as modificações da câmara especialmente criada para análise no Senado Federal, recebeu a designação de PLC 166/10, a qual foi aprovada ao final de 2011 entrando em vigor no ano de 2012.

A promulgação da lei perfectibiliza a segurança jurídica às medidas necessárias que devem ser adotadas pelos municípios, em especial no que se refere a priorização do transporte alternativo e o transporte público sobre o privado ao passo que impõe obrigações que devem ser criteriosamente observadas.

III – DA ANÁLISE DE LEI 12.587/12

A lei traz em seu bojo um objetivo claro: a integração entre os diferentes modos de transporte e a melhoria da acessibilidade e mobilidade das pessoas e cargas no território do Município (art. 1º), contribuindo assim para o acesso universal à cidade e o fomento e a concretização das condições que possibilitem a aplicação dos princípios e diretrizes com o consequente planejamento e gestão adequados (art. 2º).

Avaliando os primeiros artigos da lei é perceptível a utilização de termos previstos no Código de Trânsito Brasileiro, no sentido de organização da nomenclatura, que determina o modo (motorizados e não motorizados) e sua classificação, assim subdividida:

  • quanto ao objeto (passageiros e/ou cargas);
  • quanto a característica (coletivo ou individual);
  • quanto a natureza (pública ou privada)

Também  estabelece no art. 3º, § 3º quais são as infraestruturas de mobilidade urbana existentes, como sendo:

§ 3o  São infraestruturas de mobilidade urbana: 

I - vias e demais logradouros públicos, inclusive metroferrovias, hidrovias e ciclovias; 

II - estacionamentos; 

III - terminais, estações e demais conexões; 

IV - pontos para embarque e desembarque de passageiros e cargas; 

V - sinalização viária e de trânsito; 

VI - equipamentos e instalações; e 

VII - instrumentos de controle, fiscalização, arrecadação de taxas e tarifas e difusão de informações. 

Segue em seu contexto a traçar as definições de transporte e acessibilidade, bem como define taxativamente sobre os princípios, as diretrizes e objetivos da política nacional de mobilidade urbana.

A exemplo delas, podemos destacar entre outras:

  • acessibilidade;
  • o desenvolvimento sustentável;
  • gestão democrática;
  • segurança;
  • equidade no uso dos espaços públicos;
  • integração de políticas e modos de serviços;
  • mitigação dos custos ambientais;
  • política tarifaria justa.

No que tange a política tarifária justa, foi dado especial ênfase às diretrizes, ao qual o art. 8º foi fracionado em nove incisos e doze parágrafos definindo uma eficácia limitada e programática ao plano de execução, quando do estabelecimento do transporte público coletivo.

Determinada como limitada e programática soe ser simplesmente porque não caberia à esta lei determinar sobre tema que seria de competência e autonomia federativa distinta.

No entanto busca repassar aos municípios a segurança jurídica na contratação do transporte coletivo, decretando as observâncias imprescindíveis para licitação e contrato administrativo.

Por conseguinte, um dos grandes avanços foi a salvaguarda dos direitos do usuários dentro do Sistema Nacional de Mobilidade Urbana, com consequente estipulação das atribuições dos entes federativos para que tais direitos permaneçam preservados.

Assim a lei em tratativa traz em seu bojo princípios, diretrizes e instrumentos para orientar os municípios a planejar o sistema de transporte e de infraestrutura viária para circulação de pessoas e cargas, capaz de atender à população e contribuir para o desenvolvimento urbano sustentável.

Para isso, prevê mecanismos para garantir preços acessíveis no transporte coletivo, vias exclusivas para ônibus e bicicletas, restrição de circulação de veículos privados em determinados horários e cobrança de tarifa para utilização de infraestrutura urbana, como estacionamentos públicos.

No entanto evidencia-se uma carência, haja vista que não há menção específica à circulação de motocicletas, que hoje é componente preponderante a ser considerado na malha viária.

Por fim, instrumentaliza procedimentos de gestão e planejamento dos sistemas de mobilidade aos quais os entes federativos deverão observar, sempre com a premissa de atender as carências da população.

Importante enaltecer que os municípios com mais de 20 mil habitantes devem elaborar o Plano de Mobilidade Urbana – em princípio até abril/2015 - de forma integrada ao plano diretor previsto pelo Estatuto da Cidade sob pena de impedimento para receber recursos federais destinados à mobilidade urbana.

IV – O ESTADO DE SANTA CATARINA

A Constituição do Estado de Santa Catarina, promulgada em 05 de outubro de 1989 e com alterações via emendas em 1999 e 2013  não trouxe qualquer inovação sobre os temas de transporte e mobilidade.

Os temas encontrados sobre transporte são mais voltados para questão tributária, no que concerne a instituição de tributos dentro da competência derivada da própria Constituição Federal.

Outro ponto que merece destaque é a atenção que o texto oferece ao idoso, lhe garantindo a gratuidade na utilização do transporte coletivo, seja em linhas urbanas municipais, como intermunicipais.

No que se refere à legislação ordinária, em pesquisa foram encontrados alguns projetos de lei que sugerem de forma singela o tema de mobilidade. Alguns deles são:

  • PL./0025.0/2011 - Estabelece a obrigatoriedade dos parques de diversões, públicos e privados, terem brinquedos e equipamentos para pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.
  • PL./0036.2/2013 - Dispõe sobre a implantação de bicicletários junto aos prédios em que funcionem órgãos e entidades da Administração Pública Estadual Direta e Indireta.
  • PL./0042.0/2010 - Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida - Art. 141, inciso IV, da Constituição do Estado de Santa Catarina.
  • PL./0048.6/2012 - Torna obrigatória a disponibilização de cadeiras adaptadas em estabelecimentos de ensino no âmbito do Estado de Santa Catarina e adota outras providências.
  • PL./0070.4/2009 - Dispõe sobre a reserva de lugares e a adaptação de cinemas e teatros para acesso e uso de pessoas com deficiência e mobilidade reduzida.
  • PL./0098.5/2011 - Dispõe sobre a implantação do sistema de acessibilidade às praias aos portadores de necessidades especiais no Estado de Santa Catarina e adota outras providências.
  • PL./0107.0/2013 - Cria a Semana Estadual de Mobilidade Urbana.
  • PL./0259.4/2013 - Altera a Programação Físico-Financeira do Plano Plurianual para o quadriênio 2012-2015, aprovado pela Lei n° 15.722, de 2011.
  • PL./0262.0/2013 - Altera a Programação Físico-Financeira do Plano Plurianual para o quadriênio 2012-2015, aprovado pela Lei 15.722, de 2011.
  • PL./0287.8/2012 - Dispõe sobre a prestação do serviço público de transporte de passageiros por táxi à pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida e adota outras providências.
  • PL./0428.3/2003 - Dispõe sobre a infra-estrutura viária, equipamentos, planejamento e gestão das formas de mobilidade não-motorizadas e adota outras providências.
  • PL./0488.4/2007 - Dispõe sobre a obrigatoriedade dos estabelecimentos de diversões públicas destinarem lugares especiais e ou adaptados para uso exclusivo de espectadores portadores de deficiente e ou mobilidade reduzida.
  • PL./0502.7/2007 - Institui a obrigatoriedade de todos os empreendimentos de interesse turístico nos municípios manterem adaptações e acessibilidade a pessoas portadoras de deficiências ou com mobilidade reduzida no âmbito do Estado de Santa Catarina. ------------------------------------------------------------------ Regime de PRIORIDADE - RQS/1183.5/2007
  • PL./0534.4/2007 - Dispõe sobre a infra-estrutura e equipamentos de segurança e acessibilidade para as formas de mobilidade não-motorizadas e adota outras providências. ------------------------------------------------------------------ Regime de PRIORIDADE - RQS/1183.5/2007 Dentro deste projeto foi apensado o PL./0139.8/2008

Pela ementa percebe-se que não abordam o assunto de forma substancial, ou seja, são conservadores na necessária menção das transformações necessárias acerca da infraestrutura.

V – CONCLUSÃO

Ficou evidente durante as pesquisas que desde a promulgação da Constituição Federal de 1988 o poder legislativo não ficou parado e buscou aprimorar a abordagem sobre transportes.

Em paralelo, mas não menos importante, o Código de Trânsito Brasileiro também evoluiu de forma a regulamentar a efetiva utilização de tráfego nas vias, fiscalização do trânsito, nomenclatura e classificações, entre outras matérias.

No entanto, somente a partir da criação do Ministério das Cidades em 2003 que surgiu o conceito de  “mobilidade”, considerando assim sua importância na dinâmica das cidades.

 As diretrizes originárias foram aproveitadas para delinear um plano mais adequado, que culminou com a edição da Política Nacional de Mobilidade Urbana.

Todavia a lei federal, fruto de progressivas e melhoradas evoluções legislativas, deixou legados e obrigações aos entes federativos, os quais não podem ser acanhados nas metamorfoses que por iniciativas próprias necessariamente devem adotar, aperfeiçoando assim suas políticas públicas.

Deve-se reconhecer que existem desafios extremos sobre esse requerido desenvolvimento, que ao nosso ver que circundam nos quesitos:

  • gestão pública;
  • coordenação técnica de acordo com as competências;
  • superação de vaidades políticas;
  • encontro das soluções oferecidas pelo ente público com aquelas oferecidas pela sociedade civil organizada;
  • investimentos;
  • infraestrutura;
  • alterações legislativas;
  • atrativo da atividade privada para atender a demanda;
  • altivez no enfrentamento das mudanças radicais perquiridas.

Ainda que seja uma tarefa árdua, é um caminho necessário e sem volta, que deve ser encarado e enfrentado de frente, sem o qual a mobilidade seguirá para um colapso, com problemas reflexos dos mais variados, afetando a essência da população, melhor dizendo, o íntimo de cada indivíduo que continuará sôfrego sem a solução para esse dilema.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANTÔNIO DE ARRUDA LIMA é advogado, especialista em direito empresarial, com ênfase em planejamento urbano voltado à mobilidade urbana; presidente da Comissão de Transportes e Mobilidade Urbana da OAB/SC gestão 2013-2015. 


Autor

  • Antônio A. Lima

    Formado em 2003, iniciou sua atividade no contencioso administrativo tributário, tratando assim com o empresariado. Ao ingressar na efetiva militância da advocacia, manteve sua prestação profissional voltada às necessidades das empresas, com enfoque nas áreas cível e tributária. No entanto, a partir de 2010, ao ingressar na recém-criada comissão de mobilidade urbana da OAB, seccional de Santa Catarina, partiu para estudos de especialização sobre o assunto, em virtude do interesse na matéria.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria