A dificuldade encontrada pelos Empregadores na aplicabilidade do artigo 482, alínea f, da CLT e o novo posicionamento jurisprudencial acerca da embriaguez crônica.

A embriaguez é o consumo e ingestão excessiva de bebidas alcoólicas, substâncias tóxicas ou entorpecentes e tem se tornado muito frequente no ambiente de trabalho. Hoje, vivemos no momento em que é comum se deparar o empregado com sinais de embriaguez e o empregador fica sem saber qual é o melhor procedimento para abordagem ou controle, socorrendo no mais das vezes pela dispensa por justa causa.

Estudos científicos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) classificam o alcoolismo crônico como doença patológica grave e demonstram a real preocupação pelo aumento significativo da doença na sociedade, como a crescente procura pelo tratamento em clínicas de dependência nos últimos anos.

Assim, com o reconhecimento de uma patologia social, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) vem abordando o tema com muita cautela, preocupando-se com a organização social e visando a valorização da dignidade humana, todavia, as decisões proferidas no sentido de reintegrar o funcionário ao trabalho são antagônicas ao estipulado pela própria norma que confere ao empregador pela dispensa por justa causa em caso de embriaguez habitual.

Muito embora o artigo 482, alínea f, da CLT, constitui expressamente a justa causa para rescisão de contrato a embriaguez habitual ou em serviço, a jurisprudência vigente tem adotado que a norma celetista não pode ser interpretada de forma literal e justificar a rescisão do contrato laboral, sem que haja o encaminhamento do empregado para um tratamento médico adequado ou na concessão do benefício previdenciário caso seja diagnosticado a irreversibilidade da doença.

Ademais, a remansosa jurisprudência também tem atrelado sua decisão com base no artigo 7ª da Constituição Federal, inciso I, pelos princípios constitucionais do direito à vida, à dignidade da pessoa humanada e ao trabalho. Por sua vez, para que seja preservado os direitos constitucionais do empregado, a dispensa por justa causa é a última medida a ser conferida pelo empregador caso haja a recusa do tratamento pelo empregado.

No que tange a embriaguez eventual no trabalho, esta não pode ser classificada como alcoolismo, sendo observado como desvio de conduta e passível de demissão por justa causa.

Deste modo, a embriaguez crônica sido uma das células cancerígenas no meio social e as organizações mundiais tem demonstrado grande preocupação com o tema, porém o que discute-se no âmbito trabalhista não é o fato de ser caracterizada doença patológica ou não, e sim como também assegurar o direito do Empregador quanto aplicabilidade da lei celetista.

Importante se faz mencionar que na esfera do Direito do Trabalho cabe ao empregador o ônus da prova, devendo resguardar de provas documentais, pericias e testemunhas que justifiquem a dispensa, bem como comunicar ao Ministério do Trabalho para não incidir uma futura ação trabalhista, podendo ser condenado por danos morais ou reversão da despedida.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria