O Código tributário Nacional e também a Constituição Federal, garantem a isenção de impostos, à entidade de assistência social que é um direito garantido a entidades que não possuem fins lucrativos, proibindo os Estados e Municípios cobrarem impostos.

INTRODUÇÃO

O Código tributário Nacional e também a Constituição Federal, garantem a isenção de impostos, à entidade de assistência social que é um direito garantido a entidades que não possuem fins lucrativos, proibindo os Estados e Municípios cobrarem impostos sobre estas instituições; portanto, a partir do momento, que cumprem com suas obrigações, obedecendo aos requisitos do art. 14 do CTN, não pagam tributos. Se por algum motivo, deixarem de cumprir as regras legais, passarão a pagar tributos como qualquer cidadão.

IMUNIDADE: ENTENDIMENTO

Como já dito, a Constituição Federal e o Código Tributário Nacional, traz em seu texto a imunidade, que dispõe sobre a proibição do Poder Público de instituir imposto. Segundo doutrinadores do tema entendem que a imunidade é a renúncia fiscal ou vedação de cobrança de tributo estabelecida na constitucional, ou seja, ainda que a terminologia utilizada na Constituição seja isenção (art. 195 § 7°), na verdade se trata de imunidade.

PRECEITOS LEGAIS

A imunidade tributária a entidade de assistência social, está descrita no art. 9° inciso IV, alínea “c” do Código Tributário Nacional e no art. 150, inciso VI, alínea “c” da CF.: 

Art. 9° CTN- È vedado a União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

IV- Cobrar imposto sobre:

C- O patrimônio, a renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e assistência social, sem fins lucrativos, observados os requisitos fixados na seção II deste capítulo.

Importante destacar que, o art. supra tem ligação com o artigo 14 do CTN. Nota-se que, a entidade de assistência social, deverá se atentar para os requisitos do art. 14, para que permaneça com a imunidade:

Art. 14 CTN- o disposto na alínea c do inciso IV do art. 9° é subordinado à observância dos seguintes requisitos pelas entidades nele referidas:

I-   Não distribuírem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer título.

II- Aplicarem integralmente, no País, os seus recursos na manutenção dos seus objetivos institucionais;

III-  Manterem escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar sua exatidão.

Visto que, se a entidade de assistência social deixar de atender aos requisitos supracitados, não será mais imune aos tributos, assim como exposto no § 1° deste artigo.

O art. 150 VI c da Carta Magna, que também trata da imunidade às entidades de assistência social.

Art. 150 CF- Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedada a União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

VI- Instituir impostos sobre:

C- Patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei.


CONCLUSÃO

Concluo que, as entidades de assistência social, para que sejam beneficiadas com a imunidade ou isenção, deverão seguir minuciosamente os critérios estabelecidos em lei. Caso contrário, poderão perder ao benefício, passando assim, a contribuir tributariamente, como qualquer outra instituição.   


Bibliografia:

·         Constituição Federal, art. 195 § 7°; art. 150, inciso VI, alínea “c”; Art. 150 CF.

·         Código Tributário Nacional. art. 14 do CTN; art. 9°; art. 9° inciso IV, alínea “c”.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria