O presente artigo faz uma breve reflexão sobre importância de se interpretar e de se aplicar o Direito, levando-se em consideração não somente a lei, mas os seus princípios, as circunstâncias sociais, os seus fundamentos e os seus valores.

          Observa-se que, na atualidade, o Direito é percebido, por muitas pessoas, leigas e não leigas, como um conjunto de leis, em sentido lato, que regem a vida em sociedade.


                      O Direito vai muito além deste corpo de regras reguladoras da vida entre pessoas. O Direito pode e deve ser visto como expressão dos princípios fundamentais, dos valores, dos sentimentos e das aspirações de uma sociedade, que se materializam por intermédio das normas constitucionais, infraconstitucionais, costumeiras, entre outras, redundando na pacificação, na organização e na racionalização da vida em sociedade. O Direito reflete aquilo que o povo deseja para o presente e para o futuro, não obstante, muitas vezes, ele venha a posteriori regular e corrigir os desvios ocasionados pelos avanços e pelas transformações da sociedade, a exemplo das regras que passaram a disciplinar as relações provenientes do surgimento da Internet, bem como daquelas que tipificaram novos crimes decorrentes de mudanças sociais contemporâneas.


                     O Direito não pode ser interpretado e aplicado pela literalidade da lei. Ao se interpretá-la ou aplicá-la, há de se ter sempre em mente o seu propósito, as razões de sua elaboração, seus fundamentos, os valores que estão sendo tutelados, o seu “espírito”, a sua correlação com a realidade fática e as especificidades do caso concreto sobre o qual recairão as disposições legais.


                     No estágio atual em que se encontra o nosso Direito, não mais se espera que operadores do direito adotem condutas que possam ser classificadas como “positivitas” e legalistas, nos moldes das intelecções e das ações jurídicas ocorridas na 1ª metade do século XX. Eventual constatação deve ser considerada demasiado preocupante, tendo em vista a evolução por que passou o Direito e a Filosofia nas últimas décadas, as quais consagraram a dignidade do homem com o fim último a ser alcançado e dando especial prevalência aos princípios e normas constitucionais, haja vista a filosofia pós-positivista e o modelo neoconstitucionalista vigente no Brasil e na Europa.


                     Importa lembrar que, subjacente a todo e qualquer processo judicial, há sempre o interesse, legítimo ou não, de um ser humano, razão que, por si só, justifica e exige, do ponto de vista moral, ético e jurídico, uma reflexão, por parte do juiz, do promotor, do advogado, do assessor, do serventuário, entre outros, mais aprofundada sobre a questão de fundo que ali se apresenta, levando-se em consideração a complexidade das relações sociais existentes, a fragilidade do homem, a sua singularidade, a multiplicidade dos fatores envolvidos, as causas, os antecedentes e a história sociais, de forma a se concretizar a solução mais justa possível para o caso.


                     Não se pode ignorar que o crescimento do número de demandas e, por conseguinte, de processos a serem julgados, das metas a serem alcançadas, da cobrança dos Órgãos de controle, das exigências da sociedade por tramitações processuais mais céleres, por uma rápida atuação por parte do Ministério Público e por parte dos defensores, da pronta atuação dos meios de comunicação e da afirmação e reafirmação do Princípio do pleno acesso ao judiciário dificultam sobremaneira a concretização deste “olhar jurídico”, objeto da análise em epígrafe.


                    Não obstante os obstáculos listados no parágrafo anterior, a proposta destas breves linhas é a de propor uma reflexão sobre a interpretação e aplicação do Direito no caso concreto, levando-se em consideração que leis estabelecidas a priori, quando aplicadas em sua literalidade a situações diversas, desconsiderando-se as peculiaridades de cada caso, pode gerar uma grande injustiça aos envolvidos.


                   Por fim, ressalta-se que o Direito se constrói e se desenvolve a partir de profundas reflexões sobre seus institutos, sobre suas regras, sobre seus princípios, sobre o “caminhar” da sociedade, acarretando mudanças de prioridades e de valores, sobre a análise cuidadosa de cada caso concreto, seja submetido a julgamento, seja submetido a apreciação do ministério público, seja submetido à análise de um advogado. A sociedade não pode deixar que a operação do Direito ocorra como se fosse um linha de produção e o seu objeto se torne um bem de consumo.


Autor

  • Manfredo Schwaner Gontijo

    Servidor Público Federal do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região. Atua como Assistente Jurídico de Desembargador. Bacharel em Direito e em Administração de Empresas, especialista em Administração de Marketing. Autor do livro "Constitucionalismo: evolução, características e tendências".

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0