Quando o Delegado de Polícia deixa de recolher à prisão alguém que cometeu um crime de menor potencial ofensivo, na verdade está concedendo liberdade provisória sem fiança

No país do jeitinho brasileiro, ao que parece, tudo pode. E a Lei de Gerson, ao que parece, continua em vigor, inclusive no que tange às ações governamentais. O Estado também quer levar vantagem em tudo, inclusive passando por cima da lei, se preciso for.
Recentemente foi divulgada na imprensa a notícia de que a PRF está fazendo treinamento para realização de Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO).  A alegação é que há uma nova interpretação da lei e que o TCO pode ser lavrado por “qualquer autoridade policial, PRF ou PM”. Ledo engano.

Para confundir a cabeça dos mais desavisados, querem fazer crer à população que o TCO seria um simples formulário e que qualquer um poderia preenchê-lo, sem maiores burocracias. Tudo ao arrepio da lei e das garantias fundamentais.

O que é preciso esclarecer  é que, no caso do TCO, quando o autor se compromete a comparecer ao juizado, o autor do crime só é colocado em liberdade porque ali, naquele momento, o Delegado de Polícia concede ao imputado a liberdade provisória sem o pagamento de fiança. E liberdade provisória só o Delegado de Polícia (Autoridade Policial)  ou o Juiz (Autoridade Judiciária) podem conceder, por expressa disposição legal.

Tanto é assim que, na hipótese de o autor se recusar a firmar compromisso em comparecer ao juizado, o Delegado de Polícia deve sim autua-lo em flagrante e arbitrar fiança. Se ainda assim, o autor se recusar a firmar compromisso e se recusar a prestar a fiança arbitrada, deve a Autoridade Policial mandar recolher ao presídio o autor do delito.

Observa-se, desta forma, que o TCO possui relação direta com o segundo bem mais valioso de um ser humano, ou seja, a sua liberdade. Não foi sem razão que o legislador constituinte estabeleceu que ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei. Quis o constituinte evitar abusos de autoridade.

Aliás, a Lei considera Abuso de Autoridade qualquer atentado à liberdade de locomoção, não estando qualquer cidadão obrigado a assinar termo de compromisso por agente que não tenha competência e atribuição legal para tanto.
É necessário que fiquemos atentos. É necessário que sejamos fiscais da legalidade. É preciso, mais do que nunca,  que os órgãos de defesa dos direitos humanos, a OAB  o Ministério Público e a própria Polícia Judiciária passem a combater tais ilegalidades, sob pena de a Lei passar a ser um mero detalhe.

É preciso ainda a tomada de consciência e o exercício da cidadania. Todo cidadão que se sentir vilipendiado em seu direito de ir e vir. Todo o cidadão que se sentir constrangido pela ação de algum agente que queira obrigá-lo a firmar termo de compromisso, deve procurar imediatamente o Delegado de Polícia e informar acerca do abuso sofrido.

Afinal, o Estado há muito deixou de ser absoluto e deve sempre se pautar pela legalidade estrita de seus atos, de sorte que.......Se o próprio Estado não respeita suas leis, quem o fará?


 



Informações sobre o texto

Ilegalidade da lavratura de TCO por parte de PRF

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria