Tecnologia: Ou é útil ou não serve.

Sempre afirmo categoricamente: Ou a tecnologia é útil ou não serve para nada.

Um exemplo prático, notícia no Conjur:

Juiz na Inglaterra usa Skype para comandar julgamento no tribunal do júri

Além de depoimentos de acusados e testemunhas por videoconferência, a Inglaterra está começando a usar a tecnologia para reduzir também o deslocamento dos juízes. Recentemente, o juiz John Tanzer usou o Skype para comandar o último dia de julgamento num tribunal do júri. Ele estava em um compromisso oficial e decidiu ouvir o veredicto do júri à distância, para não adiar a leitura da sentença. O feito foi notícia na revista da Ordem dos Advogados da Inglaterra.

Fonte: http://www.conjur.com.br/2014-nov-25/juiz-inglaterra-usa-skype-comandar-julgamento-tribunal-juri

Muitos discordarão da notícia, dizendo que não podemos comparar o direito inglês ao nosso e por aí afora.

Contudo, vamos analisar apenas o uso da tecnologia em si.

Tinha que ouvir a pessoa. Seria uma perda de tempo marcar nova audiência apenas para ouvir um veredicto. Fez via skype.

A lição que aprendemos é que a tecnologia encurta distâncias, resolver situações que podem ser resolvidas por meio eletrônico.

Brigamos muito para serem aceitas as vídeo-conferências no Brasil, como se isto fosse algo novo.

Nosso processo eletrônico funciona, mesmo que aos trancos e barrancos, mesmo com suas idiossincrasias.

Usamos arquivos na nuvem, softwares jurídicos web e muito mais no nosso dia a dia e mesmo assim, patinamos em coisas banais, que muitas vezes são oferecidas até gratuitamente.

Qual a tecnologia hoje presente no seu dia?

Qual o uso que você dá a esta tecnologia?

Tem um software jurídico e não usa nem 30% dele…

Tem backup e não sabe se ele vai ou não funcionar porque nunca fez um teste…

Tem smartphone e usa o mesmo para ligar e whatsapp com amigos e não para ter o escritório na sua mão…

Enfim,

Tecnologia: Ou é útil ou não serve.

#Nãoémesmo?
 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria