Entenda o que é o crime de latrocínio e qual a diferença pra homicídio

“A proximidade entre latrocínio e homicídio é muito latente”, ressalta André Luís Alves de Melo (Jus Navigandi, 2012). Entenda a diferença.

O Código Penal prevê pena de reclusão de 4 a 10 anos e multa para o crime de roubo (art. 157): “Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistência”. Conforme última parte do §3º do mencionado artigo, a pena será de reclusão de 10 a 30 anos, sem prejuízo da multa, se da violência resulta morte, que é o que a doutrina chama de “latrocínio”.

Willian Alessandro Rocha (Jus Navigandi, 2009) explica que “o latrocínio encontra-se no capítulo destinado aos crimes contra o patrimônio, sendo regulado no mesmo artigo que trata do roubo, o que torna forçoso concluir que o delito em tela não deixa de ser uma espécie do gênero roubo”. Damásio Evangelista de Jesus explica que o latrocínio "é o fato de o sujeito matar para subtrair bens da vítima".

A acadêmica Larissa Cerqueira Ferraz (Jus Navigandi, 2014) ressalta que “o que caracteriza o latrocínio não é se a morte ocorreu antes ou depois do roubo. O que o caracteriza é que a morte é o meio para que o criminoso alcance seu objetivo, no caso, o roubo, por isso trata-se de um crime contra o patrimônio, não contra a vida.”

O homicídio, portanto, é o crime de “matar alguém”, previsto no art. 121 do Código Penal, e é “crime contra a vida”, julgado pelo Tribunal do Júri, quando doloso. O latrocínio, por sua vez, é “crime contra o patrimônio”, julgado pelo juiz sigular. André Luís Alves de Melo (Jus Navigandi, 2012) esclarece que “a separação entre homicídio e latrocínio na prática é complexa e depende do desígnio subjetivo do agente”, ou seja, da vontade do criminoso. 


Texto elaborado por Bruna Ibiapina



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria