Atualmente, o Estado de Exceção é Permanente, Global, Exemplar e Hegemônico.

Na relação que se estabeleceu entre Oriente-Ocidente os extremismos se uniram, e, como nenhum deles é radical – sem ver a “raiz” dos fatos –, as saídas propostas acabam sendo a porta de entrada de problemas ainda mais graves. Na verdade, os dois lados têm em comum a “solução” da pena de antecipação da morte . O que está por trás disso é o Imperialismo, a pax americana, e as “novas” formas de colonização. O Estado de Exceção é permanente, global, exemplar e hegemônico, desde as invasões e guerras travadas no Oriente Próximo (Iraque), espalhando a destruição das casas e da vida, a extrema miséria humana e, como retorno, recebendo o profundo horror ao Ocidente. Esta forma-Estado torna-se global à medida em que a maioria do Conselho de Segurança da ONU está envolvida nas ações: França, EUA, Reino Unido.

Portanto, é uma forma-Estado de modelo hegemônico, porque a atenção do homem médio em sua vida comum só observa um lado da moeda. Absortos pelo cotidiano da própria sobrevivência, ficamos chocados com a reação; (in)justamente o que se chama de terrorismo islâmico. Não vemos o modus operandi imposto pela “Guerra ao Terror”, a desestabilização, a desordem, a desintegração dos povos. Ou somos incapazes de relacionar os fatos. Ou simplesmente não queremos ver porque, como cidadãos do sofá, queremos somente curtir a vida ocidental. Apenas em 2014, em uma única incursão, 19 dias, Israel matou mais de dois mil palestinos na Faixa de Gaza.

A cultura da colonização – alardeando-se que os EUA defendem e espalham a democracia e dos direitos humanos – não permite o diagnóstico dos interesses econômicos envoltos na Ásia Central, em que se insiste por à força, como hegemônicos, os valores e o modo de vida ocidental. Como resultado da desagregação das condições de organização sistêmica da vida pública – com crescente violência interna e descontrole do Poder Político local –, os anteriormente muçulmanos pacatos, agora surgem convertidos os jihadistas. A extirpação das torres gêmeas, em 11/09/2001, nos EUA, e o ataque ao pasquim Charlie Hebdo, na França, são apenas bolhas visíveis e que escapam à lógica de controle do Terrorismo de Estado Hegemônico. O Estado Islâmico, com pretensão a Califado, é outra ponta do iceberg. Vem mais névoa por aí.

Em síntese, o Estado de Exceção Permanente alterna força repressiva e ilegalidade com a roupagem do Estado Penal. Assim, utiliza-se de todos os meios lícitos, legais, como o suposto monopólio do uso legítimo da força física e de outros atos anti-jurídicos (e imorais, como a tortura) para a contenção e repressão das forças sociais. Alterna-se a repressão social e o encarceramento em massa. Esta forma-Estado responde a pressões econômicas como ativista do capitalismo dissipativo – em que Estado e capital estão metabolizados e implicam uma visão de mundo política hegemônica e imperial.

Como não se pode prender todos os jihadistas – com exceção dos presos em Guantânamo/Cuba e outras congêneres –, até porque estão imersos na trama de novos atentados, a solução é dizimar suas populações. Enfim, sem saída, porque o capitalismo neo-colonizador não sairá do Oriente Médio, ficaremos acomodados na poltrona para ver em alta definição muitas outras explosões e mortes: de ambos os lados. De um lado obsessão racista, de outro, homens e mulheres-bomba. Esta é uma guerra sem vencedores, todos perdem na soma-zero de que falava Maquiavel (o criador da Ciência Política moderna).


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria