Houve o aumento de demandas contra médicos e o agravamento da responsabilidade civil dos médicos. Neste artigo buscamos demonstrar o equivocado posicionamento de juristas ao condenarem médicos por danos decorrentes do fato da técnica.

Nos dias atuais nos deparamos com o aumento de demandas contra médicos e o agravamento da responsabilidade civil dos médicos. Neste artigo buscamos demonstrar o equivocado posicionamento de juristas ao condenarem médicos por danos decorrentes do fato da técnica.

            A obrigação do médico na prestação de seus serviços, via de regra, é de meio, ou seja, o médico assume a obrigação de prestar um serviço de acordo com a sua "lex artis" (literatura e regras da ciência), com zelo, cuidado, atenção e diligência exigida pelas circunstancias, de acordo com os recursos que dispõe. Porém este não se compromete com a obtenção de certos resultados/cura.

            Para caracterização do dever de indenizar são necessários alguns requisitos, como: dano ao paciente; a ação do médico; o nexo/ liame de ligação de causa e efeito entre a ação do médico e o dano ao paciente; e culpa do profissional.

            Culpa é a inobservância do dever de cuidado, que pode se materializar através da imprudência, negligência e/ou imperícia. São requisitos da culpa a previbilidade objetiva e a evitabilidade, ou seja, um homem médio que ampara suas condutas no dever de cuidado poderia prever a ocrrência de certos fatos ilícitos e assim poderia adotar medidas capazes de evitar o dano. Somente é evitável o que é previsível.

            Imprudência é o agir com descuido, sem cautela (exemplo: cirurgião que opera paciente sem solicitar risco cirúrgico ou sem examiná-la antes). Negligência é a omissão de comportamentos recomendáveis, derivados da experiência comum ou das exigências particulares da prática médica (exemplo: omissão de instruções necessárias ao paciente, abandono de corpo estranho, acidente anestésico por troca indevida de medicamentos). Imperícia é a falta de conhecimento técnico, descumprimento de regras da profissão (exemplo: secção de ureteres em cesarianas, secção de artéria femoral, nas cirurgias de varizes).

            Para se eximir do dever de indenizar o médico deve provar causas excludentes de responsabilidade, ou seja, desqualificar um dos elementos ensejadores da responsabilidade civil.

            As excludentes de responsabilidade de acordo com o Código de Defesa do Consumidor é ônus de prova do médico. As excludentes constituem motivo de isenção de responsabilidade, por desqualificarem um ou mais elementos ensejadores do dever de reparação civil, as excludentes isentam o agente do dever de indenizar, apesar do dano provado pela vítima.

            Há excludentes tipificadas e amplamente utilizadas pelo judiciário. Contudo, há excludentes ainda pouco utilizadas. As excludentes de responsabilidade médica são complexas, não devem ser vistas como excludentes típicas das relações de consumo, ora, a atividade médica possui diversos fatores aleatórios e complexos que merecem maior estudo técnico e cientifico sobre o assunto.

1. O FATO DA TÉCNICA COMO EXCLUDENTE DE RESPONSABILIDADE

            O fato da técnica é excludente de responsabilidade civil que deve ser analisada no caso concreto pelos julgadores em decorrência da aplicação pós-positivista de princípios constitucionais, como a ampla defesa, igualdade e principalmente a dignidade da pessoa humana.

            Elias Kallas Filho, cita brilhantemente o fato da técnica como um dos motivos de isenção da responsabilidade médica. Esta excludente desqualifica o elemento culpa, ensejador da responsabilidade civil destes profissionais. Em alguns casos a excludente se assemelha a iatrogenia e à ausência de defeito por risco inerente.A caracterização desta excludente depende, portanto, da inevitabilidade do dano, mas não necessariamente de sua imprevisibilidade, ou seja, excluirá a responsabilidade do médico quando verificada que a técnica utilizada, embora predominantemente benéfica, aprovada pela comunidade cientifica e corretamente executada, ocasionou dano ao paciente. Trata-se portanto, da concretização de um potencial danoso inerente a determinada técnica. Este dano proveniente do fato da técnica só poderia ser evitado ou minorado com a evolução da própria ciência.[1]

            Para o autor "o fato da técnica corresponde, portanto, à concretização do potencial danoso inerente a determinada atividade médica[2]".

            Ora, o dano decorre da falibilidade da própria ciência, não podendo o médico responder, até mesmo pela natureza de sua obrigação e de sua responsabilidade. O médico só responde pelo que depender dele, e não pelas limitações da própria ciência. Ora, só não se concretizaria o dano pelo fato da técnica se houver avanço na ciência, e não pela diligência ou perícia do profissional.

            O fato da técnica em suma pode ser conceituado como a concretização de um potencial danoso inerente a determinada técnica médica, sendo inevitável o dano.A inevitabilidade do dano descaracteriza um dos elementos da culpa.

            A causa do dano é o procedimento ou o tratamento médico correto, não há culpa. Por isso não há que se falar em responsabilidade do profissional.

            Como exemplo podemos citar os riscos inerentes a um procedimento, que são esperados e previsíveis, porém inevitáveis, assim, desde que informados ao paciente, não são considerados defeito pelo Código de Defesa do Consumidor, assim não haverá responsabilidade do médico.

            O fato da técnica se difere do caso fortuito e força maior. No caso fortuito e força maior são indispensáveis os requisitos imprevisibilidade e inevitabilidade, esta excludente descaracteriza o nexo de causalidade entre a conduta do agente e o dano experimentado pela vítima. Porém, na medida que a imprevisibilidade e/ ou a inevitabilidade são necessárias à configuração dessa excludente, a culpa do agente também restará descaracterizada. O dano será imputado a um evento imprevisível e/ou inevitável.

            Esta nova excludente deve ser aplicável à responsabilidade civil, uma vez que se tem ocorrido em sentido oposto pelos tribunais, responsabilizando médicos, por riscos inerentes a atividade médica, devido a influências de expedientes de objetivação de sua responsabilidade civil. Ora, estes danos decorrem de riscos próprios aos procedimentos, ainda que executados de acordo com a lex artis e com prudência e diligência exigíveis, afastando, assim, a culpa dos profissionais.

            Com a inversão concedida livremente aos pacientes pelos julgadores caberá ao médico prova negativa de que não agiu com culpa, o que ao nosso ver já é uma das condutas sentimentalistas dos julgadores, demonstrando a erosão de filtros de reparação que não merecem resguardo do direito. Contudo tal discussão será fundamentada em estudo posterior.

            Assim, ao assegurar ao médico a excludente fato da técnica, em vez de uma prova negativa de falta de culpa, caberá ao médico demonstrar que o dano é decorrente da concretização de um potencial danoso inerente à técnica empregada, ao qual o paciente foi submetido.

            Conclui o autor que esta nova excludente não tem como objetivo proporcionar novas conclusões, mas permitir alcançá-las de forma mais direta, dispensando-se as longas construções argumentativas necessárias à demonstração da "não culpa" em certos casos de dano ao paciente.[3]

            O fato da técnica ainda se diferencia da chamada complicação médica, pois a primeira traduz um conceito jurídico e a segunda um conceito médico. O conceito de fato da técnica é mais restrito que a complicação médica, pois complicação é toda consequencia indesejada de um tratamento ou procedimento, e nem sempre exclui a responsabilidade médica, pois pode derivar de imprudência, negligência ou imperícia.

            Contudo, o fato da técnica pode ser caracterizado nas complicações que guardem relação de causalidade com o tratamento ou procedimento, desde que sejam marcados pela característica da inevitabilidade, afastando a culpa do profissional.

            Ora, é notório que a responsabilidade civil médica merece uma releitura dos institutos aplicados a esta relação, pois claramente não se trata de uma relação típica de consumo, há diversos fatores que devem ser levados em consideração pelos julgadores e legisladores.

            A aplicação dos institutos gerais da responsabilidade civil do CDC coloca os médicos em extrema desvantagem na lide, deixando-os a mercê da industria do dano moral, tendo nestas demandas direitos fundamentais desrespeitados, como o princípio da dignidade da pessoa humana, presunção de inocência, ampla defesa, contraditório e igualdade.

            O cenário enfrentado pelo médico em demandas judiciais se demonstra extremamente desfavorável, a aplicação das normas consumeristas ao tema, e a jurisprudência sentimental e intervencionista em que se multiplicam normas e medidas de proteção ao consumidor-paciente, menospreza a realidade da relação instituída.

            Nessa medida evidencia-se a necessidade de adoção de novos critérios para apuração da responsabilidade destes profissionais.

            Há extrema necessidade de melhor conhecimento entre os operadores do direito da falibilidade da ciência e de sua imprecisão. Os fatores aleatórios que cercam a atividade médica merecem ser estudados por nossos juristas, almejando a aplicação e eficácia de princípios fundamentais na apuração da responsabilidade destes profissionais.

             Ora, estes danos decorrem de riscos próprios aos procedimentos, ainda que executados de acordo com a lex artis e com prudência e diligência exigíveis, afastando, assim, a culpa dos profissionais.

            No cenário atual é recomendável uma releitura dos institutos aplicados a esta relação, afastando pré-suposições e sentimentalismos, levando-se em conta o princípio basilar de nosso sistema a Dignidade da Pessoa Humana.

            Os julgadores devem se atentar para os princípios Constitucionais como a Dignidade da Pessoa Humana dos profissionais e igualdade, ora, estes profissionais merecem uma lide justa e igualitária, onde seus direitos também sejam respeitados e protegidos.

            O próprio judiciário deve modificar seus procedimentos e posições, pois o que vemos é o médico sendo diferenciado por pré-suposições perpetradas por nós juristas leigos em medicina, onde foram criadas teorias de culpa presumida, e outras formas de direito descomprometido com a justiça, passando por cima de dogmas médicos, como os fortuitos, complicações e iatrogenias.[4]

            Há algumas decisões que os fundamentos invocados pelo tribunal se aproximam da idéia do fato da técnica, porém não é aplicado com a precisão do conceito visto.

            A verdade é que precisamos de novos estudos e principalmente de revisão de julgamentos engessadores de novas apreciações pelo judiciário. Infelizmente há sim um pré-conceito e um sentimentalismo flagrante em demandas contra médicos, o que acarreta no julgamento subjetivo do julgador, traz como consequência a erosão de filtros de reparação, acarretando insegurança jurídica.

CONCLUSÃO

            A responsabilidade civil médica é tema de grande expressão nos dias atuais e por isso merece maior apoio e estudo perante os juristas. Ainda há dificuldades na apreciação da falibilidade da ciência e do próprio profissional. Muitos aplicadores do direito não diferenciam tal atividade das demais, ora, é certo que a atividade médica conta com fatores aleatórios que devem ser levados em consideração em qualquer julgamento.

            Assim se vê a necessidade de implementação, como já recomendado pelo CNJ- Conselho Nacional de Justiça, de varas especializadas, que conte com médicos encarregados de fornecer informações essenciais ao julgador, evitando assim a injustiça que assombra esta classe em demandas judiciais.

            O fato da técnica deve ser estudado e levado ao fundamento de decisões jurisprudenciais, não se olvida que há uma série de outros fatores excludentes de responsabilidade médica que devem também serem estudados pelos juristas e utilizados pela comunidade jurídica, em busca de maior segurança jurídica e extinção do sentimentalismo jurídico, onde o paciente/consumidor é sempre visto como hipossufienciente e por isto goza de demasiadas proteções.

            O certo é que a desvantagem exagerada e a falta de conhecimento técnico não podem mais condenar profissionais, ora, a era do "justo paga pelo pecador" já se despediu de nosso direito. O Código Civil e a Constituição Federal não admitem mais tal desproporção.  A álea da atividade médica merece respeito pelos juristas.

            O médico já vem sendo exposto pelos pacientes em demandas onde são colocados em situação extremamente desfavorável. Como a aplicação irrestrita e abstrata do Código de Defesa do Consumidor, a importação infundada da teoria da perda de uma chance e demais normas e entendimentos.

            O estudo e a ênfase às excludentes de responsabilidade civil dos médicos trarão maior alento a classe, pois terão resguardados a segurança jurídica e principalmente sua dignidade, haja visto, que a álea de suas atividades deve ser fator preponderante na apuração da responsabilidade civil, ora, estes profissionais não são Deus, não podem responder pelas limitações da ciência e nem pelo organismo do paciente, que muitas vezes é incompreensível.

            A adoção e o estudo sobre a responsabilidade civil do médico e sua álea trará maior clareza aos julgadores e as decisões, e consequentemente maior segurança jurídica.

            A saúde brasileira e os médicos devem ser vistos com o cuidado necessário, antes que o restante que temos de saúde entre em colapso, pois já vemos vários bons profissionais deixando áreas de risco para "fugir"de demandas. Como ficarão nossas emergências, urgências, maternidades? A industria do dano instituído nos Estados Unidos da América contra médicos já deixa uma herança desastrosa para a saúde de diversas regiões daquele país.

            Infelizmente o judiciário ainda prega o protecionismo exagerado ao consumidor, assim os julgamentos ainda são eivados de sentimentalismos, tantos exageros e vícios acarreta a erosão de requisitos essenciais para ensejo do dever de indenizar. A erosão destes filtros de reparação em busca de "fazer justiça" afeta demasiadamente direitos fundamentais dos ditos réus nestas demandas.

            O direito deve-ser, possuir fundamentos técnicos e dogmáticos garantidores da segurança jurídica. O "fazer justiça" eivado de sentimentalismo e proteção pregando que o "justo paga pelo pecador" não deve encontrar guarida sobre nenhum tribunal. Até porque tais fundamentos são contrários ao direito, lesando principalmente direitos fundamentais como a Dignidade da Pessoa Humana, Igualdade, Presunção de Inocência, Ampla Defesa, Liberdade Profissional e Contraditório.

            O direito para fazer justiça deve se orientar por fundamentos técnicos e dogmáticos e com esse trabalho procuramos demonstrar e orientar de acordo com o direito os requisitos indispensável para o dever de indenizar do médico, qual seja, a culpa provada. Desmistificando o direito sentimental e a erosão dos filtros de reparação.

            Ora, os fundamento da responsabilidade civil do médico deve ser utilizados de forma adequada tornando mais segura a decisão, privilegiando a igualdade e a dignidade do profissional.

            Assim, ainda denunciamos o alto preço que a saúde da população brasileira pagará por usar ferramentas desiguais para atacar médicos, pois o medo do processo está levando a classe a abandonar atendimentos de riscos e especialidades ditas mais processadas, tentando evitar o risco de receber um processo.

           BIBLIOGRAFIA

AGUIAR JÚNIO, Ruy Rosado de. Responsabilidade Civil do Médico. In Sálvio de Figueiredo Teixeira (Coord.). Direito & Medicina: aspectos jurídicos da medicina. Belo Horizonte: Del Rey, 2000.

Couto Filho, Antonio Ferreira. SOUZA, Alex Pereira. Instituições de Direito Médico. 2ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro. Ed. Lumen Juris. 2010.

DIAS, José de Aguiar. Da responsabilidade Civil. 11ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

KALLAS FILHO, Elias. O Fato da Técnica: Excludente da Responsabilidade Civil do Médico. R. Dir. sanit. São Paulo, v.14, n.2, p.137-151, jul./out.2013

SCHREIBER, Anderson. Novos paradigmas da responsabilidade civil. 2ed. São Paulo: Atlas, 2009.


[1] KALLAS FILHO, Elias. O Fato da Técnica: Excludente da Responsabilidade Civil do Médico. R. Dir. sanit. São Paulo, v.14, n.2, p.137-151, jul./out.2013.

[2] Ibidem. p.137-151.

[3] KALLAS FILHO, Elias. O Fato da Técnica: Excludente da Responsabilidade Civil do Médico. R. Dir. sanit. São Paulo, v.14, n.2, p.137-151, jul./out.2013.

[4]Couto Filho, Antonio Ferreira. SOUZA, Alex Pereira. Instituições de Direito Médico. 2 ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro. Ed. Lumen Juris.2010.


Autor

  • Amanda Bernardes

    Advogada Especialista em Defesa Médica em Belo Horizonte/MG. Proprietária do escritório de advocacia Amanda Bernardes Defesa Médica; especialista em Direito Médico pelo CEDIN/ IAED – Instituto de Altos Estudos em Direito; pós-graduada em Direito Administrativo pela UCAM- Universidade Candido Mendes; pós-graduada em Direito Médico e da Saúde pela Escola Superior Verbo Jurídico; e associada do Instituto Brasileiro de Direito dos Profissionais e Instituições de Saúde.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

A DESVANTAGEM EXAGERADA EM QUE OS MÉDICOS SÃO EXPOSTOS PERANTE OS TRIBUNAIS BRASILEIROS. RESPONSABILIDADE CIVIL MÉDICA E SEUS ASPECTOS ATÍPICOS.

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0