Alterações e inovações trazidas pela Lei nº 13.058/2014.

A Lei 13.058 sancionada em dezembro de 2014 veio regulamentar a modalidade da guarda compartilhada, introduzida ao Código Civil Brasileiro pela Lei 11.698/2008.

A Lei 11.698/2008 alterou substancialmente a redação dos artigos 1.583 e 1.584 do Código Civil não só para instituir a guarda compartilhada, como para reformular o modelo de relacionamento entre pais separados e filhos, na busca de um ideal de plena proteção e resguardo do melhor interesse desses filhos.

A antiga redação dos referidos artigos impunha a guarda unilateral, aquela atribuída a um só genitor ou a alguém que o substituísse, caso não fosse possível atribuir a um dos genitores. 

A legislação anterior previa que com a dissolução do casamento caberia de comum acordo a guarda a um dos genitores e, na impossibilidade do acordo, caberia ao juiz determinar a guarda àquele que melhores condições apresentasse para exercê-la.

A guarda unilateral era, até a entrada em vigor da Lei nº 13.058/2014, a modalidade de guarda aplicada como regra. A Lei 13.058 trouxe a inversão da regra a ser aplicada quanto a modalidade de guarda, na busca do equilíbrio visando o melhor interesse do menor.

Com guarda compartilhada compete a ambos os pais, qualquer que seja sua situação conjugal, o pleno exercício do poder familiar. O tempo de convívio com os filhos deve ser dividido de forma equilibrada com a mãe e com o pai, sempre tendo em vista as condições fáticas e os interesses dos filhos.

Guarda compartilhada não se confunde com a guarda alternada, aquela em que há apenas um guardião, mas a guarda do menor alterna-se entre os pais, seja por período semanal, mensal, semestral ou anual. Na guarda compartilhada, pai e mãe estão em iguais condições quanto a responsabilidade pelos filhos em relação aos seus interesses.

A guarda compartilhada hoje é a regra, cabendo de forma excepcional a aplicação da guarda unilateral com a inovação da lei quanto a obrigação do genitor que não a detenha de supervisionar os interesses dos filhos.

Na prática, não é porque a guarda compartilhada tornou-se regra que sempre será aplicada. O princípio que sempre norteará qualquer decisão será o melhor interesse do menor.

Principais inovações trazidas pela lei:

  • Sendo ambos os genitores aptos a exercer o poder familiar – será aplicada a guarda compartilhada que, passa a ser a regra;
  • A guarda unilateral anteriormente estabelecida pode ser revista judicialmente, o pedido deve ser feito ao juiz, por meio de uma ação requerendo guarda compartilhada;
  •  A guarda deve ser exercida na cidade base de moradia dos filhos ou naquele que, melhor atenda aos interesses da criança. Destarte, havendo impedimento temporário ao convívio, devido à distância, os meios de comunicação ajudam a manter a aproximação.  Não obstante, podendo haver uma compensação durante períodos de férias escolares e feriados prolongados;
  • A guarda compartilhada presume-se a divisão da responsabilidade entre os pais;
  • A fixação de pensão alimentícia poderá ocorrer caso não haja consenso, tudo a depender do caso concreto;
  • Pela novidade introduzida pela Lei, verifica-se como uma obrigação, a fiscalização e supervisão dos interesses do filho por qualquer um dos pais, tendo em vista o exercício regular do poder familiar;
  • Outra inovação está na imposição de multa diária a qualquer estabelecimento público ou privado que se negue a prestar informações sobre o filho a qualquer dos genitores. A multa pode variar de R$ 200,00 (duzentos reais) a R$ 500,00 (quinhentos reais).

O que se pode perceber é que com a Guarda Compartilhada busca-se a preservação do convívio harmonioso entre filhos e pais separados, tendo em vista, tratar-se de interesses de um menor em formação e que, para tanto carece de um plano familiar estruturado ou que melhor se aproxime desse ideal.

A guarda compartilhada é regra, mas, não é sempre que será aplicada, cabendo sempre a análise do caso concreto.

Base Legal

  • Código Civil Brasileiro, Lei n° 10.406/2002
  • Lei 11.698/2008
  • Lei 13.058/2014


Informações sobre o texto

Informativo.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

3

Livraria