Breve escorço que busca delinear, com supedâneo no princípio da primazia do julgamento de mérito, as possíveis posturas do magistrado ante a indicação errônea, por parte do impetrante, da autoridade coatora em sede de ação de mandado de segurança.

1. INTRODUÇÃO

O art. 1º, da Lei n. 12.016/2009, afirma que será concedido mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habeas data, sempre que, ilegalmente ou com abuso de poder, qualquer pessoa física ou jurídica sofrer violação ou houver justo receio de sofrê-la por parte de autoridade, seja de que categoria for e sejam quais forem as funções que exerça.

O art. 6º, do mesmo diploma normativo, informa que a petição inicial, que deverá preencher os requisitos trazidos pela lei processual, deverá indicar, além da autoridade coatora, a pessoa jurídica que esta integra, à qual se acha vinculada ou da qual exerce atribuições.

O presente estudo, de forma sucinta, inquire acerca do comportamento a ser adotado pelo juiz, em sede ação de mandado de segurança, ante a indicação equivocada, pela parte requerente, da autoridade coatora.

2. DESENVOLVIMENTO

Classicamente, entendia-se que a legitimidade para figurar no polo passivo da ação constitucional de mandado de segurança era da autoridade coatora, e não da pessoa jurídica a que integrava.

Referido entendimento deitava raízes, sobretudo, no fato de que não havia, na legislação que regulava a matéria – Lei n. 1.533/51, menção expressa acerca da participação da pessoa jurídica no processo instaurado com o mandado de segurança. A ação era dirigida unicamente em face da autoridade coatora, que deveria prestar informações no prazo da lei.

Dessarte, a jurisprudência tinha posicionamento forte no sentido de que a indicação equivocada da autoridade coatora, no bojo da ação de mandado de segurança, gerava a extinção do processo sem resolução de mérito (vide: STJ, RO no MS 15.124/SC).

Os tribunais, de uma forma geral, baseavam esta interpretação na premissa de que descabe ao juiz alterar, ex officio, os sujeitos que compunham a relação jurídico-processual. Assim, verificada a indicação errônea da autoridade coatora, não restava outra saída ao magistrado senão a extinção do feito sem análise do mérito.

Contudo, a Lei n. 10.910/2004 e, posteriormente, a Lei n. 12.016/2009, passaram a prever que o magistrado, ao despachar a inicial, deveria, de pronto, dar ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, para que, querendo, ingressasse no feito.

Acerca do acima disposto, Eduardo Sodré pontua que:

Há muito, aliás, já sustentávamos a posição de que a parte ré no mandado de segurança era a pessoa jurídica à qual se encontrava vinculada a autoridade coatora. A nova redação dada pela Lei nº. 10.910/04 ao artigo 3º da Lei nº. 4.348/64, todavia, não mais deixa espaço para entendimentos em sentido contrário (SODRÉ, 2007, p. 96)

Na mesma linha, o Colendo Superior Tribunal de Justiça:

3. A autoridade coatora, no mandado de segurança, é notificada para prestar informações, cessando sua intervenção, quando oferecidas estas, razão pelo qual a legitimatio ad processum para recorrer da decisão deferitória do mandamus é do representante da pessoa jurídica a que pertence o órgão supostamente coator.

4. Outrossim, é cediço em sede clássica doutrinária que: "a parte passiva no mandado de segurança é a pessoa jurídica de direito público a cujos quadros pertence a autoridade apontada como coatora. (...) o ato do funcionário é ato da entidade pública a que ele se subordina. Seus efeitos se operam em relação à pessoa jurídica de direito público. E, por lei, só esta tem ''capacidade de ser parte'' do nosso direito processual civil". E continua o referido autor: "A circunstância de a lei, em vez de falar na citação daquela pessoa, haver se referido a ''pedido de informações à autoridade coatora'' significa apenas mudança de técnica, em favor da brevidade do processo: o coator é citado em juízo como ''representante'' daquela pessoa, como notou Seabra Fagundes, e não como parte" Celso Agrícola Barbi (Do Mandado de Segurança, 10ª Edição, Rio de Janeiro: Forense, 2000, p. 125). E "a abertura de vista ao apelado é formalidade essencial" (MOREIRA, José Carlos Barbosa. Comentários ao CPC, Vol. V, Rio de Janeiro: Forense, 7ª Edição, p. 456).

5. "Em tema de mandado de segurança, o coator é notificado para prestar informações. Prestadas estas, sua intervenção cessa. Não tem ele legitimidade para recorrer da decisão deferitória do mandamus. A legitimação cabe ao representante da pessoa jurídica interessada'' (Acórdão unânime da 1ª T., Rel. Min. Soares Muñoz, RE 97.282-9-PA , DJU de 24.9.92).

Acerca do tema, veja o que assentou o Supremo Tribunal Federal:

A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal é no sentido de que a pessoa jurídica de direito público a que pertence a autoridade ou o órgão tido como coator é o sujeito passivo do mandado de segurança, razão por que é ele o único legitimado para recorrer da decisão que defere a ordem (Supremo Tribunal Federal. Agravo Regimental no Recurso Extraordinário nº. 412430 / MS. Rel. Min. Ellen Gracie. Órgão Julgador: Segunda Turma. Julg.: 13.12.2005. DJ de 17.03.2006, p. 40).

Ora, entende-se, atualmente, com supedâneo na legislação de regência, que a legitimidade passiva para figurar a ação de mandado de segurança é da pessoa jurídica de direito público a que pertence a autoridade tido como coatora. Por conta disso, não havendo erro grosseiro, ante a indicação errônea da autoridade coatora, cumpre ao autor emendar a inicial, ou, até mesmo, ao juiz, corrigir de ofício o equívoco cometido pelo impetrante. Não é outro o entendimento esposado pelo Superior Tribunal de Justiça. Senão, vejamos:

PROCESSUAL CIVIL. MANDADO DE SEGURANÇA. INDICAÇÃO ERRÔNEA DA AUTORIDADE COATORA. AUSÊNCIA DE ALTERAÇÃO DA COMPETÊNCIA. POSSIBILIDADE DE EMENDA À PETIÇÃO INICIAL.

A jurisprudência desta Corte orienta-se no sentido de que é possível que haja a emenda da petição do feito mandamental para retificar o polo passivo da demanda, desde que não haja alteração da competência judiciária, e se as duas autoridades fizerem parte da mesma pessoa jurídica de direito público. Agravo regimental improvido. (STJ, AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL No 368.159 – PE. Relator: Ministro HUMBERTO MARTINS, Data de Julgamento: 01/10/2013, T2 - SEGUNDA TURMA).

A legitimidade para figurar no polo passivo da ação de mandado de segurança é, no atual sistema, da pessoa jurídica a que pertence a autoridade ou órgão tidos como coatores, o que determina ao magistrado intimar o impetrante para que proceda à correção da autoridade equivocadamente indicada. Cabe, ainda, ao magistrado, realizar a correção de ofício, sem que, agindo assim, altere a legitimação passiva do processo.

3. CONCLUSÃO

Ante a indicação errônea da autoridade coatora, por parte do impetrante, na ação constitucional de mandado de segurança, não deve o magistrado extinguir o processo sem resolução de mérito. Ao contrário, caso constate vício desse jaez, deve, o juiz, intimar o autor para que proceda à emenda da inicial, podendo, ainda, caso se afigure possível, corrigir de ofício o equívoco cometido, sem que tal expediente consubstancie-se em modificação do polo passivo da ação.

4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF, 5 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ ConstituicaoCompilado.htm>. Acesso em: 01.nov. 2014

BRASIL, Lei 1.533 de 31 de dezembro de 1951. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l1533.htm>. Acesso em: 13.dez. 2014.

BRASIL, Lei 4.348 de 28 de junho de 1964. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4384.htm>. Acesso em: 13.dez. 2014.

BRASIL, Lei 10.910 de 18 de julho de 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.910.htm>. Acesso em: 13.dez. 2014.

BRASIL, Lei 12.016 de 07 de agosto de 2009. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12016.htm>. Acesso em: 13.dez. 2014.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Agravo Regimental no Recurso Extraordinário nº. 412430 / MS. Rel. Min. Ellen Gracie. Órgão Julgador: Segunda Turma. Julg.: 13.12.2005. DJ de 17.03.2006, p. 40. Disponível em: <http://www.stf.gov.br>. Acesso em: 28 jul. 2008.

SODRÉ, Eduardo. Mandado de Segurança. In: DIDIER JR, Fredie (org) Ações Constitucionais. 2 ed. Salvador: Podium, 2007.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria