A situação precária em que se encontram as instituições penitenciarias, bem como as condições degradantes as quais são expostos os presidiários, nos leva a refletir sobre se a função ressocializadora da pena privativa de liberdade está sendo efetivam

RESUMO    

A situação precária em que se encontram as instituições penitenciarias, bem como as condições degradantes as quais são expostos os presidiários, nos leva a refletir sobre se a função ressocializadora da pena privativa de liberdade está sendo efetivamente cumprida. Portanto, nos perguntamos, qual a possibilidade de se obter no cárcere efeitos positivos sobre e para o apenado?

O sistema prisional brasileiro e sua ineficácia na ressocialização do egresso

    É notório que manter encarcerados os delinquentes que não oferecem risco iminente para nossa sociedade é uma medida imprópria que deveria ser ao máximo evitada. Há de se lembrar dos vários desafios enfrentados nas prisões brasileiras, como a superlotação dos presídios, que obriga o convívio entre aqueles que cometeram crimes de menor potencial ofensivo e os considerados verdadeiramente perigosos, transformando uma penitenciaria num verdadeiro meio de aperfeiçoamento da vida delituosa, ou, em outras palavras, uma formadora de delinquentes. Frisa-se: também originam-se no número excessivo de detentos - gerador da grande tensão que eleva o patamar violência entre os presos - as tentativas de fuga, rebeliões e as horrendas condições de higiene e conforto.

   Além disso, deparamo-nos com o paradoxal gasto milionário do Estado com a pena de prisão e com a manutenção propriamente dita das prisões, sem que estas cheguem perto de alcançar algum resquício de resultado satisfatório, visto que, o que nos consta é uma vertiginosa expansão da criminalidade. Nesta mesma senda, nota-se então, que aliada à necessidade do desenvolvimento de melhorias nas condições infraestruturais do cárcere, é imprescindível um trabalho árduo do governo em prover educação, saúde e trabalho a população. É-nos conhecido que grande parte de tal criminalidade é, dentre outros fatores, gerada em grande pela pobreza (não pontual, mas estrutural).

         A prova cabal de que a pena privativa de liberdade não serve como antídoto eficaz na ressocialização do presidiário pode ser notada no alto índice de reincidência dos ex-detentos, calcula-se que no Brasil, em média, em números não oficiais, 90% dos criminosos oriundos do sistema carcerário que retornam ao corpo social voltam a delinquir, e, consequentemente, acabam retornando à cadeia - sendo tal realidade é um reflexo direto do tratamento oferecido durante o encarceramento, juntamente à rejeição, falta de oportunidade e preconceito sob o qual o homem preso é tratado pela sociedade e pelo próprio Estado ao readquirir sua liberdade.

         Cobra-se das autoridades, portanto, a adoção de uma política de apoio ao ex-detento, e que essa ainda corrobore para que o previsto da Lei de Execução Penal seja seguido, pois a insistir e se conservar na degradante forma atual, o egresso permanecerá desassistido e retomará as práticas criminosas, passando a ser o reincidente de amanhã.

          Por fim, não pugnaremos, a priori, pela extinção da pena prisional, mesmo que as suas deficiências sejam escancaradas e múltiplas, como fora relatado ao correr deste artigo. No entanto, é inquestionável a imprescindibilidade de humanizarmos as penas visando, além de proporcionar condições dignas aos condenados, atender seu primordial fim e mais importante: o ressocializador.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRITO, Alexis Augusto Couto de (Coord.). Direito penal: aspectos jurídicos controvertidos. São Paulo: Quartier Latin, 2006. 447 p. [769489] CAM STJ STF 341.5 D598 DPA 35.

BRITO, Alexis Couto de. Execução penal. 2. ed., rev., ampl. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011. 409 p. [917732] SEN PGR STJ STF 341.4352 B862 EPE 2.ED


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria