Dispõe sobre os crimes falimentares em geral.

Introdução

            As disposições penais da Lei de Falências encontram-se no sétimo capítulo, o qual também é o penúltimo. São ao todo onze tipos penais (Fraude a Credores, Violação de Sigilo Empresarial, Divulgação de Informações Falsas, Indução a Erro, Favorecimento de Credores, Desvio, Ocultação ou Apropriação de Bens, Aquisição, Recebimento ou Uso Ilegal de Bens, Habilitação Ilegal de Crédito, Exercício Ilegal de Atividade, Violação de Impedimento e Omissão dos Documentos Contábeis Obrigatórios), além de disposições gerais e acerca do procedimento penal.

            A Lei de Falências criou novos tipos penais, em substituição às condutas típicas descritas no Dec. lei n. 7.661\45, e estes foram tipificados na própria Lei de Falências e Recuperação de Empresas, mesmo porque seria extremamente difícil a inserção desses crimes no Código Penal, principalmente devido ao fato de serem pluriofensivos.

            Antes de adentrarmos a análise dos tipos, faz-se mister notar algo. A denominação “crime falimentar” é obsoleta, já que incorre nestes crimes não só quem está em processo de falência, mas sim sob qualquer dos procedimentos da lei. Do contrário, é sempre valido ressaltar que aqueles que não se encontram tutelados de qualquer modo sob este diploma legal, mesmo que realizem as condutas tipificadas, não cometem esses crimes, dado o fato de serem eles próprios, nos termos do artigo 180 da Lei de Falências. A pessoa, mesmo que não seja o devedor ou o falido, será a ele equiparado se estivar em qualquer das hipóteses do artigo 179 da mesma lei.

Fraude a Credores

Art. 168. Praticar, antes ou depois da sentença que decretar a falência, conceder a recuperação judicial ou homologar a recuperação extrajudicial, ato fraudulento de que resulte ou possa resultar prejuízo aos credores, com o fim de obter ou assegurar vantagem indevida para si ou para outrem.

        Pena – reclusão, de 3 (três) a 6 (seis) anos, e multa.

        Aumento da pena

        § 1o A pena aumenta-se de 1/6 (um sexto) a 1/3 (um terço), se o agente:

        I – elabora escrituração contábil ou balanço com dados inexatos;

        II – omite, na escrituração contábil ou no balanço, lançamento que deles deveria constar, ou altera escrituração ou balanço verdadeiros;

        III – destrói, apaga ou corrompe dados contábeis ou negociais armazenados em computador ou sistema informatizado;

        IV – simula a composição do capital social;

        V – destrói, oculta ou inutiliza, total ou parcialmente, os documentos de escrituração contábil obrigatórios.

        Contabilidade paralela

        § 2o A pena é aumentada de 1/3 (um terço) até metade se o devedor manteve ou movimentou recursos ou valores paralelamente à contabilidade exigida pela legislação.

        Concurso de pessoas

        § 3o Nas mesmas penas incidem os contadores, técnicos contábeis, auditores e outros profissionais que, de qualquer modo, concorrerem para as condutas criminosas descritas neste artigo, na medida de sua culpabilidade.

        Redução ou substituição da pena

        § 4o Tratando-se de falência de microempresa ou de empresa de pequeno porte, e não se constatando prática habitual de condutas fraudulentas por parte do falido, poderá o juiz reduzir a pena de reclusão de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços) ou substituí-la pelas penas restritivas de direitos, pelas de perda de bens e valores ou pelas de prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas.

            Violação de sigilo empresarial

Art. 169. Violar, explorar ou divulgar, sem justa causa, sigilo empresarial ou dados confidenciais sobre operações ou serviços, contribuindo para a condução do devedor a estado de inviabilidade econômica ou financeira.

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

Divulgação de informações falsas

Art. 170. Divulgar ou propalar, por qualquer meio, informação falsa sobre devedor em recuperação judicial, com o fim de levá-lo à falência ou de obter vantagem.

Indução a erro

Art. 171. Sonegar ou omitir informações ou prestar informações falsas no processo de falência, de recuperação judicial ou de recuperação extrajudicial, com o fim de induzir a erro o juiz, o Ministério Público, os credores, a assembleia-geral de credores, o Comitê ou o administrador judicial:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

Favorecimento de credores

Art. 172. Praticar, antes ou depois da sentença que decretar a falência, conceder a recuperação judicial ou homologar plano de recuperação extrajudicial, ato de disposição ou oneração patrimonial ou gerador de obrigação, destinado a favorecer um ou mais credores em prejuízo dos demais:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa.

Parágrafo único. Nas mesmas penas incorre o credor que, em conluio, possa beneficiar-se de ato previsto no caput deste artigo.

Desvio, ocultação ou apropriação de bens

Art. 173. Apropriar-se, desviar ou ocultar bens pertencentes ao devedor sob recuperação judicial ou à massa falida, inclusive por meio da aquisição por interposta pessoa:

        Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

Aquisição, recebimento ou uso ilegal de bens

Art. 174. Adquirir, receber, usar, ilicitamente, bem que sabe pertencer à massa falida ou influir para que terceiro, de boa-fé, o adquira, receba ou use:

        Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

Habilitação ilegal de crédito

Art. 175. Apresentar, em falência, recuperação judicial ou recuperação extrajudicial, relação de créditos, habilitação de créditos ou reclamação falsas, ou juntar a elas título falso ou simulado:

Pena - reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

Exercício ilegal de atividade

Art. 176. Exercer atividade para a qual foi inabilitado ou incapacitado por decisão judicial, nos termos desta Lei:

Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.

Violação de impedimento

        Art. 177. Adquirir o juiz, o representante do Ministério Público, o administrador judicial, o gestor judicial, o perito, o avaliador, o escrivão, o oficial de justiça ou o leiloeiro, por si ou por interposta pessoa, bens de massa falida ou de devedor em recuperação judicial, ou, em relação a estes, entrar em alguma especulação de lucro, quando tenham atuado nos respectivos processos:

        Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

Omissão dos documentos contábeis obrigatórios

Art. 178. Deixar de elaborar, escriturar ou autenticar, antes ou depois da sentença que decretar a falência, conceder a recuperação judicial ou homologar o plano de recuperação extrajudicial, os documentos de escrituração contábil obrigatórios:

        Pena – detenção, de 1 (um) a 2 (dois) anos, e multa, se o fato não constitui crime mais grave.

Disposições Comuns

Art. 179. Na falência, na recuperação judicial e na recuperação extrajudicial de sociedades, os seus sócios, diretores, gerentes, administradores e conselheiros, de fato ou de direito, bem como o administrador judicial, equiparam-se ao devedor ou falido para todos os efeitos penais decorrentes desta Lei, na medida de sua culpabilidade.

Art. 180. A sentença que decreta a falência concede a recuperação judicial ou concede a recuperação extrajudicial de que trata o art. 163 desta Lei é condição objetiva de punibilidade das infrações penais descritas nesta Lei.

Art. 181. São efeitos da condenação por crime previsto nesta Lei:

I – a inabilitação para o exercício de atividade empresarial;

II – o impedimento para o exercício de cargo ou função em conselho de administração, diretoria ou gerência das sociedades sujeitas a esta Lei;

III – a impossibilidade de gerir empresa por mandato ou por gestão de negócio.

§ 1o Os efeitos de que trata este artigo não são automáticos, devendo ser motivadamente declarados na sentença, e perdurarão até 5 (cinco) anos após a extinção da punibilidade, podendo, contudo, cessar antes pela reabilitação penal.

§ 2o Transitada em julgado a sentença penal condenatória, será notificado o Registro Público de Empresas para que tome as medidas necessárias para impedir novo registro em nome dos inabilitados.

Art. 182. A prescrição dos crimes previstos nesta Lei reger-se-á pelas disposições do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, começando a correr do dia da decretação da falência, da concessão da recuperação judicial ou da homologação do plano de recuperação extrajudicial.

Parágrafo único. A decretação da falência do devedor interrompe a prescrição cuja contagem tenha iniciado com a concessão da recuperação judicial ou com a homologação do plano de recuperação extrajudicial.

Prescrição

Observa-se o princípio “novatio legis in mellius”.

A LRE estabelece como marco inicial o dia da decretação da falência, ou da concessão da recuperação judicial ou homologação do plano de recuperação extrajudicial.

A suspensão da falência interrompe o inicio da contagem do prazo, uma vez que a falência está suspensa.

Como visto, a decretação da falência é condição de punibilidade, do mesmo modo sua suspensão é condição de interrupção da prescrição.

Nas hipóteses de concessão de recuperação judicial ou homologação de recuperação extrajudicial e posterior quebra, o prazo servirá como interruptor do prazo prescricional, passando a fluir novo prazo a partir desse momento.

Do Procedimento Penal

Generalidades

A LRF (Lei 11.101/2005), em seu Capítulo VII, traz as Disposições Penais organizadas em três Seções: I - Dos Crimes em Espécie (arts. 168 a 178), II - Disposições Comuns (arts. 179 a 182) e III - Do Procedimento Penal (arts. 183 a 199).

Até a vigência da Lei 11.101/2005, o procedimento especial que deveria ser adotado para o processamento e julgamento de crimes falimentares era aquele disposto entre os arts. 503 e 512 do CPP. Como a nova LRF, o procedimento passou a ser aquele regulado pelos arts. 183 a 188 desta lei, sendo que o previsto no CPP foi regovado expressamente pelo art. 200 da LRF. Obviamente, o CPP deverá ser aplicado subsidiariamente, conforme dispõe o art. 188 da LRF:

Art. 188. Aplicam-se subsidiariamente as disposições do Código de Processo Penal, no que não forem incompatíveis com esta Lei.

Portanto, o que antes era um procedimento especial do CPP, intitulado "do processo e do julgamento dos crimes de falência", passou a ser um procedimento especial penal da legislação extravagante.

Na essência, o procedimento especial previsto na LRF cuida muito mais da fase pré-processual da ação penal do que propriamente do procedimento judicial (rito), como será exposto a seguir.

2.         Fase Pré-Processual Penal

a.         Conhecimento do Fato pelo Ministério Público (MP)

b.         Denúncia (Art. 187)

c.         Queixa-Crime (Art. 184, § único)

3.         Fase Processual Penal

a.         Competência (Art. 183)

b.         Condição Objetiva de Punibilidade (Art. 180)

c.         Rito (Art. 185)

Bibliografia:

ANDREUCCI, Ricardo. A eficácia da lei penal no tempo e os crimes falimentares tipificados pela Lei n. 11.101/2005. São Paulo: Complexo Jurídico Damásio de Jesus, maio 2005. Disponível em:<www.damasio.com.br>.

BEZERRA FILHO, Manoel Justino. Nova lei de recuperação e falências comentada. 4ª edição. São Paulo : Editora Revista dos Tribunais, 2005.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Crimes falimentares (entrevista publicada). Revista Jurídica Consulex, ano IX, nº 204, 15 jul. 2005.

BRASIL. Lei n. 11.101, 2005. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, 2006. Disponível em <www.presidencia.gov.br>.

COELHO, Fábio Ulhoa. Comentários à nova lei de falências e de recuperação de empresas: (Lei n. 11.101, de 9-2-2005). 2. ed. rev. – São Paulo: Saraiva, 2005.

FAZZIO JÚNIOR, Waldo. Nova lei de falência e recuperação de empresas. 2ª edição. São Paulo : Atlas, 2005.

GONÇALVES, Perotta Rios e VENTUROTI, Maria Gabriela; Direito Falimentar; Ed. Saraiva; 3ª Edição; 2010.

LACERDA, J. C. Sampaio de. Manual de direito falimentar. 12ª edição. Rio de Janeiro : Freitas Bastos, 1985.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria