A elevação de princípios jurídicos efetivam valores metajurídicos de inegável relevância à dignidade humana firmando-se como elemento central do desenvolvimento do neoconstitucionalismo.

1 Introdução

A aceleração da vida social é marca notável no século XXI. E a sociedade civil produz, a passos largos, incessantemente, uma gama de hábitos, valores e culturas de dimensões inimagináveis. Por sua vez, a estrutura jurídica (o direito posto, positivado) não acompanha a dinâmica das realizações humanas. A incerteza jurídica encampa a vida cotidiana das pessoas e representa, talvez, a maior consequência da pós-modernidade para os operadores da ciência jurídica. É nesse contexto que se anuncia a crise pela qual atravessa o Direito.

E a tentativa de superar o descompasso normativo leva à produção de novas perspectivas jurídicas. Este trabalho analisa alguns vetores de interpretação que permeiam a conformação das decisões judicias, atentando-se para o que se denominou de “neoconstitucionalismo” e “bloco de constitucionalidade”.

2 Princípio como vetor do neoconstitucionalismo

A postura do operador do Direito, particularmente no século XXI, recusa a análise isolada da lei, postura marcadamente positivista que vigorou no Brasil até o final do século XX.

A distância entre legalidade e justiça ocupa espaço peculiar na pauta política do Poder Judiciário. E a estrita observância da lei constitui um paradigma a ser afastado pelo próprio Estado.

Com relação a essa preocupação, vale destacar a seguinte passagem de Dalmo de Abreu Dallari:

A primeira grande reforma que deve ocorrer no Judiciário, e sem dúvida a mais importante de todas, é a mudança de mentalidade. Embora se tenha tornado habitual, na linguagem comum do povo, a referência ao Judiciário como sendo ‘a Justiça’, o fato é que na grande maioria das decisões judiciais, sobretudo dos tribunais superiores dos Estados e do país, fica evidente que existe preocupação bem maior com a legalidade do que com a justiça.[1]

O apego exagerado ao formalismo da lei compromete a efetivação da justiça e também é destacado por Dalmo de Abreu Dallari:

Extensas e minuciosas discussões teóricas, farta citação de autores e de jurisprudência, acolhimento ou refutação dos argumentos dos promotores e advogados, tudo isso gira em torno da escolha da lei aplicável e da melhor forma de interpretar um artigo, um parágrafo ou mesmo uma palavra. São frequentes as sentenças e os acórdãos dos tribunais recheados de citações eruditas, escritos em linguagem rebuscada e centrados na discussão de formalidades processuais, dando pouca ou nenhuma importância à questão da justiça. [2]

E a sociedade civil não mais tolera a afirmação de que o magistrado seria o “escravo da lei”. O sentimento de justiça desponta e a estrita legalidade perde seu status jurídico de dogma inquestionável.

Exige-se, hoje, um olhar para além da lei, sem desconsiderar, é claro, o direito posto. A lei, portanto, atuaria como ponto de partida importante para o operador jurídico.

Firma-se a noção de interpretação segundo a unidade do sistema jurídico, com o objetivo precípuo de efetivação dos direitos fundamentais.

Noutras palavras, significa dizer que é insuficiente a mera disposição formal de direitos. É preciso, no Estado Democrático de Direito, concretizá-los. É, nesse contexto, então, que surge a noção de neoconstitucionalismo, também denominado pós-positivismo.

A propósito, veja-se a noção de pós-positivismo desenvolvida por Pedro Lenza:

O pós-positivismo busca ir além da legalidade estrita, mas não despreza o direito posto. Procura empreender uma leitura moral do Direito, mas sem recorrer a categorias metafísicas. A interpretação e aplicação do ordenamento jurídico hão de ser inspiradas por uma teoria da justiça, mas não podem comportar voluntarismos ou personalismos, sobretudo os judiciais.[3]

E na perspectiva pós-positivista torna-se corrente o uso da expressão “bloco de constitucionalidade”.

Tal expressão foi examinada durante o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 595-ES (STF, Inf. 258 – Min. Celso de Mello) e compreende o seguinte conteúdo: Constituição Federal; Emendas à Constituição; Tratados, convenções ou pactos internacionais sobre direitos humanos; preceitos e princípios decorrentes da Constituição; e, por fim, a ordem constitucional global (valores suprapositivos).

O conteúdo do bloco de constitucionalidade não apresenta hierarquia, certo que o operador do Direito, ao solucionar o caso concreto, deve apoiar-se numa análise sistemática de seus elementos.

O bloco de constitucionalidade, em apertada síntese, presta-se a subsidiar o controle de validade de leis e demais atos normativos.

Cuida-se de um sistema de análise da compatibilidade vertical (sistema de verticalidade hierárquica) entre leis ou atos normativos editados pelo Poder Público e a Constituição Federal. Os atos considerados incompatíveis com a Constituição, ou melhor, com o bloco de constitucionalidade, sob o ponto de vista formal ou material, serão declarados nulos pelo Poder Judiciário, com a indicação dos respectivos efeitos (Ex.: ex nunc, ex tunc ou, ainda, a partir de outra modulação adotada no caso concreto).

É no interior do bloco de constitucionalidade que ganha relevo a temática principiológica.

O princípio surge como vetor de interpretação da realidade normativa e constitui elemento de preponderância no jogo das relações de força que se estabelecem durante a atividade hermenêutica.

A primazia do princípio relativamente à lei é festejada por significativa parte da comunidade jurídica. Anota-se, a propósito, a célebre passagem de Celso Antônio Bandeira de Mello:

Violar um princípio é muito mais grave que transgredir uma norma. A desatenção ao princípio implica ofensa não apenas a um específico mandamento obrigatório, mas a todo o sistema de comandos. É a mais grave forma de ilegalidade ou inconstitucionalidade, conforme o escalão do princípio violado, porque representa insurgência contra todo o sistema, subversão de seus valores fundamentais, contumélia irremissível a seu arcabouço lógico e corrosão de sua estrutura mestra.[4]

Vale ressaltar, portanto, pelo interesse didático, a analogia construída por Bandeira de Mello, no sentido de considerar que o sistema jurídico assemelha-se a um vasto edifício, que se ergue a partir da combinação de vários elementos. O princípio constituiria a sua viga mestra, o seu alicerce. Uma vez atingido, o edifício tenderia a ruir. A lei, ao contrário, seria semelhante à janela. Atingida, o edifício não teria o mesmo grau de comprometimento.

Logo, pode-se afirmar, com todo vigor, que o princípio constitui um vetor da mais alta envergadura interpretativa e ocupa uma condição de primazia em relação à lei. Um enunciado, implícito ou explícito, que vincula a aplicação do Direito.

Mas não é só. A avaliação principiológica é de suma importância no plano da colisão de direitos fundamentais e faz viabilizar a penetração de conteúdo moral ao direito positivo, o que, de certa forma, é garantido pela adoção da temática dos princípios fundamentais em várias Constituições modernas, como a nossa Constituição de 1988.

Dessa forma, ao introduzir no Texto Maior a enumeração de princípios (expressos e implícitos), busca-se a necessária implicação entre moralidade e Direito. Veja-se a afirmação de Ralf Dreier:

As constituições políticas de determinados Estados, ao incorporar certos princípios (dignidade da pessoa humana, solidariedade social, liberdade e igualdade) ao direito positivo como princípios juridicamente válidos e como expressão da ética política moderna, estabeleceram uma relação necessária entre direito e moral, já que graças a ela se exige, por direito próprio, em casos de vaguidade e colisão, aproximar a noção do direito, como ele é, do direito como ele deve ser. [5]

E todas essas transformações fazem com que, aos poucos, se construa uma nova categoria jurídica intimamente ligada à concretude de princípios e valores: o pós-positivismo.

3 Conclusão

No Brasil, as últimas décadas ilustram o amadurecimento político-jurídico da nova ordem constitucional de 1988, de nítida matriz principiológica, inspirada em movimentos humanísticos que deflagraram diversas revoluções a partir do século XVIII.

A efetivação das promessas constitucionais, ainda com certo patinar  jurisprudencial,  passa  a compor a preocupação de todos os atores sociais envolvidos com a solidificação do Estado Democrático de Direito.

O abandono de paradigmas jurídicos afetos ao positivismo é uma realidade. E a estreita plataforma legal, isolada, que suportava as decisões judicias não mais tende a prosperar.

A expansão da jurisdicional constitucional é incontestável. E com isso, torna-se presente a elevação de princípios que, de alguma forma, efetivam valores metajurídicos de inegável relevância à dignidade humana. É, assim, o papel desempenhado pelos princípios na dinâmica social de construção do pós-positivismo nos Estados modernos, de feições democráticas.

4 Bibliografia

BARROSO, Luís Roberto. Curso de Direito Constitucional. 2ª ed., São Paulo: Saraiva, 2010.

CANOTILHO, J.J.Gomes. Direito constitucional. Coimbra: Almedina, 1991.

______________. Estudos sobre direitos fundamentais. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

CARNELUTTI, Francesco. Lições sobre o processo penal. Campinas: Bookseller, 2004.

DALLARI, Dalmo de Abreu. O Renascer do Direito. São Paulo: Saraiva, 2010.

______________. O poder dos juízes. São Paulo: Saraiva, 1996.

DREIER, Ralf. Derecho y Justiça. Bogotá: Temis, 1994.

FERRAJOLI, Luigi. Direito e Razão - Teoria do garantismo penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.

NALINI. José Renato. Uma nova ética para o juiz. São Paulo. Evista dos Tribunais. 1994.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 14ª ed., São Paulo: Malheiros, 2002, p. 808.

WEIS, Carlos. Direitos humanos fundamentais. São Paulo: Malheiros, 2006.

WOLKMER, Antonio Carlos. Fundamentos de história do direito. Belo Horizonte: Del Rey, 2009.


  1. O poder dos juízes. São Paulo: Saraiva: 1996, p.80.
  1. O poder dos juízes. São Paulo: Saraiva: 1996, p.80.
  1. LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado.  18ª ed., São Paulo: Saraiva, 2014, p. 76.
  1. Curso de Direito Administrativo. 14ª ed., São Paulo: Malheiros, 2002, p. 808.
  1. Derecho y Justiça. Bogotá: Temis, 1994. p .82-83.

Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso