O artigo traz nossos comentários sobre a importância de um advogado especializado em Direito Aduaneiro considerando o atual cenário político-econômico brasileiro.

Não obstante a desconexão político-econômica brasileira[1] é inegável a importância do comércio exterior para o desenvolvimento do Brasil e, por consequência, das empresas que aqui operam. A complexidade do assunto se demonstra pela quantidade de normas que o regem, tais como Acordos e Tratados Internacionais que regulamentam as transações comerciais entre países, a ampla legislação interna de competência privativa da União Federal[2] ou a constante mudança normativa trazida pela fiscalização e controle do Ministério da Fazenda[3].

Ainda que sua enorme relevância seja evidente, há ainda quem trate o Direito Aduaneiro e as operações de comércio exterior como ramo subsidiário ao Direito Tributário, entendimento esse que não partilhamos. Ao contrário, há fundamentação constitucional específica para regulamentar o comércio exterior brasileiro, o que, por si só, demonstra sua individualidade. Não somente isso, vemos que as áreas são segregadas pela competência legislativa, uma vez que tanto a União, Estados e Distrito Federal[4] podem legislar sobre o Direito Tributário, enquanto tal atividade no Direito Aduaneiro é privativa da União Federal.

Desta forma, merece destaque a excepcional conclusão do Prof. Roberto Caparroz: “Assim, podemos concluir que, se o constituinte quisesse incluir as normas de direito aduaneiro no âmbito de outro subsistema, não lhe teria reservado características e competências próprias”[5].

Buscamos, por enquanto, introduzir que o Direito Aduaneiro é – e deve ser – tratado como área de direito autônoma e específica, o que, por si só, exige uma expertise jurídica especializada acerca das regras que regulamentam as operações de importação e exportação no Brasil. E, como ponto central deste texto, queremos abordar a importância do conhecimento e das medidas jurídicas nas operações de comércio exterior.

Sabemos que a Constituição Federal descreve o advogado como profissional que desempenha função essencial para a justiça[6] e seu papel é de extrema importância para as empresas. Ocorre que, atualmente, o advogado tem deixado o papel de resolver conflitos e adquirido espaço garantindo assertividade jurídica nas operações, inclusive em complexas negociações internacionais. E, pensando nas transações aduaneiras de importação e exportação – que mensuram a balança comercial do país – o conhecimento jurídico passa a ser peça fundamental para nortear as decisões da empresa e agregar valor aos profissionais responsáveis pelas operações.

O conhecimento especializado das operações de comércio exterior, a maturidade e experiência jurídica permite ao advogado aduaneiro somar qualidade técnica às empresas que usualmente importam e exportam mercadorias e serviços, seja atuando na forma de consultoria preventiva ou através de litígios buscando constantemente benefícios aos seus clientes. Vale a ressalva que o papel do advogado aduaneiro permite aprimorar veementemente as operações de importação e exportação, assegurando conhecimento atualizado acerca da legislação e mitigando riscos de autuações por parte da Receita Federal em valores exorbitantes.

E, ainda que vejamos a especialização na área aduaneira como elementar, o mercado jurídico é carente de profissionais que se dediquem exclusivamente para a atuação nessa área. Como mencionamos anteriormente, muitos profissionais ainda tratam a matéria como subsidiária ao direito tributário.

Não há tempo a perder no comércio internacional e, desta forma, considerando o dinamismo do comércio exterior brasileiro, suas atividades ininterruptas e a constante atualização da legislação aduaneira – por exemplo, notícias SISCOMEX que são regulamentos diários para as operações – é mandatório que o profissional do Direito se mantenha constantemente atualizado e esteja pronto para prestar serviços de forma dinâmica, eficaz e eficiente. Daí a importância de um especialista. O correto cumprimento das normas aduaneiras previne penalidades, otimiza operações e, por consequência, garante o gerenciamento assertivo dos custos e riscos financeiros.

Concluímos, para tanto, que o Advogado especializado em Direito Aduaneiro é de extrema importância no dinamismo do atual mercado brasileiro e deve ser visto como aliado ao time operacional, parceiro do despachante aduaneiro e profissional atualizado capaz de assegurar às empresas direcionamento adequado nas questões envolvendo importação e exportação com orientações eficazes e defesas eficientes.


[1] Tal raciocínio se dá por conta da crise política que enfrenta o atual governo, o conflito partidário nos Poderes Executivo e Legislativo, as manifestações populares que têm ocorrido no país, as constantes notícias de corrupção veiculadas em âmbito mundial e os esforços fiscais que o Ministério da Fazenda tem aplicado para regularizar a economia brasileira.

[2] Constituição Federal, 1988, artigo 22, inciso VIII: “Compete privativamente à União legislar sobre: (..) VIII – comércio exterior e interestadual”.

[3] Constituição Federal, 1988, artigo 237: “A fiscalização e o controle sobre o comércio exterior, essenciais à defesa dos interesses fazendários nacionais, serão exercícios pelo Ministério da Fazenda”.

[4] Constituição Federal, 1988, artigo 24: “Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: I – direito tributário, financeiro, penitenciário, econômico e urbanístico (...)”

[5] CAPARROZ, Roberto. Comércio internacional e legislação aduaneira esquematizado – 2ª ed. rev., atual. e ampl. – São Paulo: Saraiva, 2014. – página 679

[6] Constituição Federal, 1988, artigo 133: “O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei”.


Autores


Informações sobre o texto

Elaboramos o texto por conta de várias questionamentos sobre a importância do advogado na cadeia de operações de comércio exterior.

Este texto foi publicado diretamente pelos autors. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria