Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

A suspensão do processo no oferecimento de exceção sob a ótica de Dinamarco

Análise da hipótese de suspensão processual na visão de Cândido Dinamarco

O Impedimento é a hipótese em que há uma causa suscetível de comprovação por documentos. É o caso de ser cônjuge ou parente próximo de uma das partes ou de seu advogado, ou exercer cargo de direção na empresa que é parte, ou haver atuado na causa como advogado, promotor de justiça, perito ou testemunha, ou mesmo como juiz inferior. Suspeição é a hipótese ligada a situações pessoais, que nem sempre são objetivas como nos casos de impedimento. É a suspeição por motivo intimo, ou seja, com cunho totalmente subjetivo.

Assim, afirma Dinamarco:

 “o impedimento do juiz se funda em situações mais graves e de proximidade maior com a causa ou com os litigantes, conduz o rigoroso poder de abster-se, dando-se por impedido, bem como a nulidade dos atos já praticados no processo. (...) Consequentemente, elas devem ser objeto de exame em qualquer tempo ou grau de jurisdição: ainda quando a parte não haja arguido o ritualisticamente a exceção de impedimento, ele próprio devera abster-se de oficiar ou de prosseguir; não o fazendo, perdura o vício quando o processo sobe aos tribunais.”.

Por outro lado o professor ensina:

 “suspeição recebe um tratamento mais benigno. Tratando-se de casos menos graves de potencial de parcialidade do juiz, com menor poder de conduzi-lo psicologicamente a desvios, prepondera o interesse da parte em seu afastamento. A lei simplesmente aconselha o juiz a abster-se de prosseguir, ao dizer ‘poderá ainda o juiz declarar-se suspeito por motivo intimo’. Nesses casos, tem a parte o ônus de recusa-lo, o que fará mediante a exceção de suspeição; não a suscitando em tempo e pela forma adequada, preclui seu poder de provocar-lhe o afastamento e consequentemente a recusa não mais será possível. Mesmo assim, a qualquer tempo poderá o próprio juiz valer-se do disposto no parágrafo do art. 135 e afastar-se.”.

Nos incidentes processuais citados, a lei impõe o que se chama de suspensão imprópria do processo. Acontece quando se paralisa o curso do procedimento principal, dado incidente processual apresentado ao juízo. O processo não está propriamente suspenso, porque o incidente apresentado, de impedimento ou suspeição, faz parte do principal, e os atos que o concernem, fazem também ao principal.

Nas exceções opostas pela parte, que de impedimento ou de suspeição, o juiz não julga de sua própria parcialidade ou imparcialidade. Como parte nesse incidente, na primeira hipótese ocorre verdadeira abstenção e ele se afasta. E na segunda, os autos são remetidos ao tribunal e a este compete julgar.

Com relação ao Acórdão proferido em função do Recurso Especial nº 790.567 – RS (2005/0175866-9) totalmente cabível a sua análise para ilustrar o assunto em debate.

Com relação à exceção de incompetência, o próprio juiz é o responsável por julgar a exceção oferecida, porém deveria tê-la julgado antes de realizar qualquer ato processual, inclusive audiência de instrução previamente designada.

A referida exceção só pode ser suscitada pela ré, e no primeiro momento que lhe couber falar nos autos, sob pena de preclusão. O Código exige forma específica para ser arguida, devendo ser de forma escrita, em peça separada da contestação, apesar de existirem diversas jurisprudências do STJ no sentido de se aceitar a exceção de incompetência relativa dentro da contestação, sob o fundamento de que isso não causa prejuízo a ninguém. Ela pode ainda ser apresentada antes da contestação, pois a simples protocolização da exceção suspenderá o processo e o prazo para as demais respostas do réu, embora o artigo 306 equivocadamente mencione que essa suspensão se dará apenas com o recebimento dela pelo juiz. Improcedente a exceção, o prazo de resposta retoma o seu curso normal do dia em que parou. Procedente a exceção, ele só voltará a correr da intimação feita pelo novo juízo sobre a chegada dos autos. Em hipótese alguma a exceção poderá ser manejada após a contestação, caso em que haverá a preclusão consumativa e a prorrogação da competência, isto é, o juízo relativamente incompetente se torna competente.

Ao interpretar conjuntamente os artigos. 265, III e 306 do Código de Processo Civil (CPC), os processualistas chegam a conclusões uniformes. Aponta-se que a expressão 'definitivamente julgada' veiculada pelo disposto no art. 306 do CPC possui o condão de suspender o processo até a decisão a ser prolatada em 1º grau de jurisdição, e não até o trânsito em julgado da lide.

 É o que se extrai, por exemplo, dos ensinamentos de NELSON NERY JUNIOR e ROSA MARIA DE ANDRADE NERY. Segundo os autores,

"A suspensão do processo cessa com o julgamento da exceção pelo seu mérito. A de incompetência é definitivamente julgada quando o juiz de primeiro grau a acolhe ou rejeita; as de impedimento ou suspeição são definitivamente julgadas quando o tribunal as acolhe ou rejeita. Para caracterizar-se a definitividade,no sentido empregado e querido pela norma sob comentário, não há necessidade de que a decisão sobre o mérito da exceção transite em julgado. (...)" (Código de Processo Civil Comentado. 9ªEd. São Paulo: RT, 2006, p. 504).

No mesmo sentido, JOSÉ CARLOS BARBOSA MOREIRA indica que:

"vale observar que o 'definitivamente' aí não significa 'por decisão irrecorrível', pois o recurso cabível contra a decisão que julga a exceção é o agravo (v. infra, 4), quem em princípio 'não obsta o andamento do processo' (art. 497); ademais, o art. 311, que se refere ao procedimento no juízo a quo, é expresso em determinar que, julgada procedente a exceção, os autos sejam remetidos ao órgão competente." (O Novo Processo Civil Brasileiro. 25ª Ed. Rio de Janeiro: Forense, 2007, p. 42).

Também ANTONIO CARLOS MARCATO aponta:

"a locução definitivamente julgada empregada pelo art. em pauta merece reparo: como a exceção de incompetência é julgada por decisão do juiz perante o qual foi oposta (art. 309) e, as demais, por acórdão do órgão superior competente (art. 314) - e sem que tal julgamento represente a apreciação do objeto do processo em virtude delas suspenso -, não se pode ligar tal locução ao fenômeno da coisa julgada e nem mesmo ao da preclusão, segundo a melhor doutrina. (...) Assim, considera-se julgamento definitivo da exceção o proferido pelo órgão jurisdicional ao qual competir imediatamente tal mister, mesmo que contra a decisão respectiva venha a ser interposto recurso." (Código de Processo Civil Interpretado. São Paulo: Atlas, 2004, p. 951).

Em análise ao explanado logo acima, podemos claramente perceber que o referido processo deveria estar suspenso até o determinado julgamento de competência, o que evidentemente não ocorreu, e a audiência de instrução e julgamento foi procedida, mesmo erroneamente, e desta forma, com a ausência da ré, que evidentemente acreditava que o referido processo estava suspenso devido à interposição de exceção de incompetência, foi constatada confissão ficta.

Assim, a ser observada a regra legal, não se realizaria a audiência de instrução anteriormente designada, pelo menos enquanto não fosse definitivamente julgada a exceção de incompetência. Porém, apesar do início da referida audiência, sem antes ser proferida a decisão que rejeitou a exceção de incompetência, durante o período de suspensão do processo, são declarados nulos, todos os atos proferidos pelo juiz durante a suspensão do processo por efeito de exceção de incompetência.

Temos, portanto, que não há razão que se sobreponha a suspensão do processo no tocante a exceção levantada. Uma vez que todos os atos processuais serão nulos caso a mesma seja julgada procedente, pela própria situação que se encontra o judiciário e a constante busca por uma maior celeridade processual, bem como a necessidade de atender o enorme número de processos existentes, efetuar atos que estão sob a possibilidade de serem suspensos é um completo desproposito.

Ainda que se entenda que a levantada possibilidade possa ser interpretada como litigância de má-fé, no intuito de apenas protelar o curso do processo, a decisão deve ser definida rapidamente, tornando curta a suspensão do processo e não ignorando a possibilidade e adotando uma política de trabalho dobrado.

O impedimento e a suspeição são institutos que visam proteger os princípios fundamentais do direito, são remédios garantidores da transparência do judiciário e da efetiva celebração da justiça imparcial, pautada nas normas e nas diretrizes com as quais o ordenamento jurídico foi embasado.

Assim sendo, deve-se respeitar e aguardar a referida decisão, deve-se analisar com profundidade as influências alheias ao processo e decidir com o correto discernimento, visando a proteção da justiça.

Bibliografia:

DINAMARCO, Cândido R. Instituições de direito processual civil. 6. Edição. São Paulo: Malheiros, 2009.

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!