Divulgação Divulgação

Neste texto, reflete-se a respeito da apuração jornalística de fatos e da responsabilidade social que os meios de comunicação devem ter. Jornalistas que criam Tribunais de Exceção correm o risco de ser julgados nas ruas?

Após intenso terrorismo midiático, Sérgio Moro veio a público dizer que Lula não é investigado na Lava Jato.

Três coisas são relevantes neste episódio. O primeiro é o fato dos jornalistas se recusarem a fazer o que deve ser feito.

Se um veículo de comunicação suspeita que uma personalidade pública está sendo investigada a solução é simples. O jornalista pode pedir Certidão de Distribuição Criminal ao órgão judiciário estadual ou federal e o mesmo será obrigado a fornecê-la. O documento indicará se existe um processo e qual o número mesmo. Com a certidão o profissional poderá dizer: não há um processo ou mesmo informar o respeitável público qual a natureza do mesmo depois de consultar os autos (se o caso não estiver correndo em sigilo).

A segunda coisa importante nesta história é a absurda imposição de culpa por suspeita. Alguém suspeita que Lula é investigado e ele se torna automaticamente culpado. O princípio constitucional da inocência presumida deixa de existir antes mesmo de se saber se há ou não uma investigação pouco importando qual será o resultado dela.

Por fim, um não fato que não foi investigado pelo jornalista é transformado em notícia porque o Juiz negou publicamente a existência da investigação. O que não existe passou, assim, a existir como notícia. E ninguém se dá conta do mais importante: não compete ao Juiz dizer publicamente quem é ou não investigado pela Justiça e sim proferir, nos autos dos processos, decisões válidas sobre questões processuais acerca de fatos e pessoas que estão sendo investigadas.

Os jornalistas brasileiros parecem ter enlouquecido da vitória de Dilma Rousseff. Pior, a loucura deles parece estar contaminando a instituição que tem a responsabilidade de cumprir e fazer cumprir a Lei. A segurança jurídica, a paz social e a coexistência pacífica entre pessoas diferentes e grupos políticos que disputam o poder e que, dependendo do resultado das eleições, governam ou fazem oposição decorre de um pequeno detalhe constitucional que tem sido esquecido por jornalistas, políticos e um Juiz: a proibição da existência de Tribunais de Exceção.

Numa conversa sobre este episódio, um colega advogado sugeriu que a imprensa brasileira está empregando as táticas do macartismo. Discordei dele. O caso lembra mais o Brasil dos anos 1920 e 1930:

 "A reação policial à revolta de 1935 foi instantânea e brutal. “Como nas limpezas de 1925 e nas denúncias apresentadas perante o Tribunal de Segurança Nacional, as prisões eram determinadas por uma simples classificação de delito. Não  é a realização do crime, mas a sua expectativa provável fundada na periculosidade construída sobre os delitos perpetrados anteriormente.” Mais adiante o autor detalha melhor o expediente policial: “É o currículo do antigo criminoso ou o potencial criminoso de um suspeito que determina a prisão. É o antigo sonho de uma lei penal que prevê  e impede que o cidadão pratique o crime.” Esta tradição bem brasileira de punir sem processo, julgar sem instrução criminal e incriminar por suspeita poderia render bons filmes." (Resenha do livro As Estratégias da Ilusão, de Paulo Sérgio Pinheiro, que publiquei há algum tempo na internet http://jus.com.br/artigos/25746/estrategias-da-ilusao )

As exceções desejadas pela imprensa (a posse do candidato derrotado, o Impeachment sem causa de Dilma Rousseff, a condenação de Lula por suspeita de investigação, etc...) estão se tornando intoleráveis. Se a imprensa não recuperar a sanidade e serenidade, em algum momento ela mesma será tragada pela violência política organizada que parece estar estimulando.    



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria