Neste artigo é criticada a forma como a Suprema Corte dos EUA utilizou o casamento gay para recuperar sua imagem a fim de seguir desumanizando os adversários do militarismo norte-americano.

A decisão tomada pela Suprema Corte dos EUA em relação ao casamento gay está sendo intensamente comemorada pela esquerda brasileira. Não tenho receio de dizer que sou indiferente à questão.

Os “moralismos politizados”, que no GGN chamei de “fashionismos”, não representam necessariamente uma evolução da esquerda. Muito pelo contrário, talvez estejam sendo a causa da sua destruição. Isto explica porque são incentivados pela extrema direita, cuja união é baseada em nascimento, dinheiro e posição social.

Mesmo assim, sou capaz de bater palmas para a Suprema Corte dos EUA. A cúpula do judiciário norte-americano é extremamente hábil. Conseguiu agradar a esquerda “fashionista” e se tornar uma referência humanitária mesmo se recusando a conferir direitos humanos aos prisioneiros de Guantanamo. O "respeitável público gay" pode agora deixar de exigir o impensável: que os “outros” seres humanos, aqueles que são torturados pelos EUA ou que serão despedaçados nas novas guerras norte-americanos sejam considerados titulares das garantias inscritas na Declaração Universal dos Direitos do Homem.

Julian Assange (prisioneiro sem condenação por causa dos segredos diplomáticos e militares dos EUA que despejou na internet e escancarou nos jornais), Edward Snowden (exilado em virtude de ter comprovado e comprometido o programa de vigilância massiva norte-americano) e Bradley Manning (condenado a 35 anos de prisão por causa de um CD contendo algo mais perigoso do que músicas da Lady Gaga) já podem comemorar o casamento gay. Será que eles não tem coisas mais importantes com que se preocupar?

A decisão da Suprema Corte dos EUA merece ser aplaudida. É fácil fazer política com a toga. Difícil mesmo é reverter o desumano militarismo norte-americano quando este é desejado, ignorado ou escamoteado pela cúpula judiciária dos EUA.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

4

  • 0

    Marcus Paula Félix

    Concordo que o militarismo americano e desumano e que a Suprema Corte americana embasa juridicamente essa injustiça mas o que o reconhecimento da validade do casamento entre pessoas do mesmo sexo tem a ver com isto? Não entendo!

  • 0

    eliane nunes do amaral

    não entendo o que um assunto tem haver com o outro, deveriamos nos preocupar com nosso brasil corrupto e cheio de bandidos petrolão lava jato pt roubando até o que ja foi roubado, se preocupar com casamento gay americano é a coisa mais uó pra nao dizer homofobica que ja vi até agora.

Livraria