Neste artigo faço algumas reflexões sobre a situação da Grécia, Estado que deixou de ser soberano e que é dotado de um governo que não tem autonomia para governar.

Tenho feito aqui algumas reflexões sobre a Grécia e sua crisehttp://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/esquerda-volver-marcham-os-gregos-por-fabio-de-oliveira-ribeiro e http://www.jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/grecia-2015-dc-uma-nova-corcira-427-ac. Volto ao assunto porque há novidades.

Intensamente pressionado pela União Européia, o governo grego capitulou. A austeridade continua. A reação do povo grego já pode ser vista nas ruashttps://www.facebook.com/RTvids/videos/1043323199011266/?pnref=story.

A crise grega tem todos os ingredientes de uma crise bem maior. A democracia, fundada na soberania popular, já não é ou não pode ser uma realidade política. O poder avassalador dos Bancos se colocou acima de qualquer controle republicano e é capaz de submeter totalmente a vontade dos Estados. Os territórios continuam tendo fronteiras e povos, mas a existência de organização política não significa nada. A soberania deixou de ser um atributo estatal. Na prática a Grécia já vive sob uma rígida bancocracia transnacional. O governo eleito não governa, o voto popular não tem qualquer valor real. Apenas os interesses dos banqueiros podem se expressar através das políticas públicas daquele país.

Sou advogado e há décadas estudo o Direito Constitucional. Em razão disto, me parece que estamos diante de uma crise de paradigmas. E o resultado dependerá da solução do conflito entre as forças de segurança gregas e a população que não quer aceitar ou não pode aceitar a o golpe de estado bancocrático imposto à Grécia pela UE.

Ao ver as imagens do conflito na Praça Syntagma não fiquei surpreso. Os arquitetos financeiros da UE e o governo grego também não devem ter ficado surpreendidos. A reação da população é previsível e decorre, de certa maneira, da própria reação eleitoral à austeridade imposta ao povo pelo governo anterior.

A esperança é a última que morre! - diz um ditado popular. Na Grécia a esperança morreu primeiro, pois o Mercado não acredita em direitos humanos e não se importa em distribuir infelicidade.

Distante dos fatos e das interpretações deles que tem sido vendidas pela imprensa pró-Mercado, não posso deixar de notar uma tripla injustiça cometida pela UE. A Grécia foi invadida pela Alemanha e não foi compensada. A UE não foi criada para interferir severamente nos países membros e não ousa fazer isto no caso da França, Itália e Espanha. No momento em que a Grécia está passando por grande fragilidade, a UE se recusa a ajudar o país de maneira incondicional.

Pouco antes do fim da II Guerra Mundial, já escondido em seu bunker sob a Chancelaria do Reich, Adolf Hitler decretou a “terra devastada”, política que preconizava a destruição de toda a infra-estrutura que ainda existisse na Alemanha. O encarregado de implementar esta diretriz foi Albert Speer, mas ele sabotou a ordem do seu líder apesar de ter sido fiel ao nazismo antes da guerra e durante a mesma.

Os banqueiros e as autoridades da UE submetem os gregos à uma política financeira de “terra arrasada”. A única solução para o conflito entre a democracia grega e a bancocracia internacional que governa o país é uma guerra civil, uma guerra externa ou ambas, que também resultarão em... “terra arrasada”. Curiosamente, não há um só europeu capaz de seguir o exemplo de Albert Speer. O bem estar mínimo do povo grego não tem qualquer significado ou representação. A submissão deles à “terra arrasada” é um imperativo categórico, uma verdade impossível de ser questionada.

A crise grega tende a piorar. Afinal, é impossível fazer uma escolha racional entre duas opções igualmente aterradoras. Neste caso, é bem provável que o ódio supere a razão. Aqueles que se sentem abandonados e/ou traídos ou se vêm acuados geralmente decidem vender caro a própria destruição. As imagens da Praça Syntagma são apenas o começo do fim da UE? Esta, meus caros, é a verdadeira pergunta.

Nas livrarias européias, norte-americanas e brasileiras proliferam obras que pretendem revelar os segredos da economia, administração de empresas, mercado financeiro, etc... utilizando como pano de fundo a obra de Sun Tzu. O neoliberalismo nega a validade conceitual da "guerra de classes" forjada por Karl Marx, mas na sua estrutura mais profunda admite a mesma ao tratar a criação e concentração de riqueza como uma dimensão da "arte da guerra".

Economia é guerra e os generais tem seus duplos no campo neoliberal: os economistas, os capitalistas e os burocratas da UE. Um estadista francês, Georges Clemenceau se não me engano, dizia que a guerra é um assunto muito sério para ser deixada nas mãos dos generais. Impossível não admitir, portanto, que a economia é um assunto muito sério para ser deixado nas mãos dos economistas, capitalistas e burocratas da UE. A submissão da Grécia a diretriz da "terra arrasada", que pode levar os gregos a arrasar política e economicamente seu país e alguns países da UE se mergulhar numa guerra civil e/ou externa, é uma prova da incompetência deles.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria