O presente artigo científico, procura discorrer de forma simples e direta os institutos da impronúncia e da absolvição sumária no procedimento do tribunal do júri.

Primeiramente abordarei o tema intrínseco ao instituto da Pronúncia, e mais a frente exploraremos o objeto da absolvição sumária, ambos aplicáveis ao procedimento do tribunal do júri.

A Impronúncia é a decisão judicial tomada na 1ª fase do tribunal do júri, mais conhecida como judicium acusationis, aonde o magistrado, se deparando com os elementos constantes do processo, entende que não há prova suficiente de autoria ou de materialidade para levar o réu até o julgamento do plenário do júri.

A decisão de impronúncia é prevista no artigo 414 do Código de Processo Penal (BRASIL, PLANALTO, 1941):

Art. 414, CPP. Não se convencendo da materialidade do fato ou da existência de indícios suficientes de autoria ou de participação, o juiz, fundamentadamente, impronunciará o acusado.

Parágrafo Único. Enquanto não ocorrer a extinção da punibilidade, poderá ser formulada nova denúncia ou queixa se houver prova nova.

Trata-se de decisão interlocutória mista terminativa, já que acarreta a extinção do processo. Contudo, o parágrafo único do supracitado dispositivo, diz que enquanto não houver a extinção da punibilidade do suposto delito, a esse fato poderá ser intentada nova denúncia ou queixa-crime, desde que sejam acostadas nas provas.

Na Decisão de Impronúncia, assim como em toda a 1ª fase do procedimento especial do júri, deverá se observar o princípio do in dubio pro societae.

A respeito das novas provas que poderão ser acostadas ao processo, assevera Renato Brasileiro (2013, p. 1334), grifo nosso:

Como a impronúncia encerra a relação processual, constituindo-se em verdadeira absolvição de instância, caso surjam provas novas, haverá necessidade de nova peça acusatória, instaurando-se outro processo criminal contra o acusado, processo este que deve tramitar perante o mesmo juiz, que estará prevento para a demanda. Se a peça acusatória for recebida, dar-se-á início a um novo processo, com outra instrução probatória, preservando-se assim o contraditório e a ampla defesa. Nada impede que os autos referentes ao processo anterior em que o acusado fora impronunciado sejam apensados a este novo processo, passando a servir como elementos de informação.

No que pertine ao crime conexo, quando da decisão de impronúncia, deverá o magistrado motivar a sua escolha, demonstrando os motivos que o levaram a impronunciar o réu, sem contudo, adentrar no mérito do crime conexo, devendo remetê-lo para o juízo competente.

Essas são as palavras do renomado doutrinador Norberto Avena (2012, p. 765):

Proferindo o magistrado decisão de impronúncia em relação ao crime doloso contra a vida, não pode se manifestar, desde logo, com referência ao crime conexo que não possua essa natureza. Relativamente a este, deverá, pois, aguardar o trânsito em julgado da sentença de impronuncia para somente julgá-lo, se for o competente, ou então remetê-lo à apreciação do juiz que o seja. Nessa hipótese, portanto, o delito conexo não será julgado pelo tribunal popular, mas sim pelo juiz singular.

No que pertine a Decisão de absolvição sumária, vale ressaltar que em 2008 houve uma significante modificação legislativa, através da lei 11.689/08, que abrangeu ainda mais o rol das hipóteses de sua configuração.

 Antes da mudança legislativa de 2008, as hipóteses hoje previstas como absolvição sumária, eram previstas como hipóteses de impronúncia absolutória.

Destarte, o artigo 415 do Código de Processo Penal (BRASIL, PLANALTO, 1941), após a modificação citada acima, prevê o instituto da absolvição sumária, como sendo:

Art. 415, CPP. O juiz, fundamentadamente, absolverá desde logo o acusado, quando:

I – Provada a inexistência do fato;

II – Provado não ser ele autor ou partícipe do fato;

III – O fato não constituir infração penal;

IV – Demonstrada causa de isenção de pena ou de exclusão do crime;

Parágrafo único. Enquanto não correr a extinção da punibilidade, poderá ser formulada nova denúncia ou queixa se houver prova nova.

A absolvição sumária é cabível quando, de forma inequívoca, constatar o juiz, a partir da prova angariada na fase instrutória, qualquer das hipóteses acima delineadas.

Dessa forma, uma vez verificado qualquer dessas hipóteses pelo juiz da 1ª fase do procedimento do júri, deverá o mesmo absolver desde logo o acusado. Vale lembrar que para que o juiz absolva o réu baseado em qualquer dessas hipóteses, deverá ter um juízo de certeza que o réu esta concatenado em algumas destas hipóteses.

Se depois de efetivada a absolvição sumária do réu, e provier fato novo a respeito daquele mesmo fato, poderá, enquanto não estiver extinta a punibilidade do suposto delito, ser oferecida Denúncia (ação penal pública) ou queixa-crime (ação penal privada).

Isso ocorre porque em caso de dúvida do magistrado, deverá o mesmo pronunciar o acusado, aplicando o princípio do in dubio pro societae.

A respeito disso, assevera Renato Brasileiro (2013, p. 1345):

Para que o acusado seja absolvido sumariamente, é necessário um juízo de certeza. De fato, como se pode perceber pela própria redação dos incisos do art. 415 [...] a absolvição sumária, por subtrair dos jurados a competência para apreciação do crime doloso contra a vida, deve ser reservada apenas para as situações em que não houver qualquer dúvida por parte do magistrado.

A respeito dos crimes conexos, deve-se observar a mesma regra prevista para a decisão de impronúncia, onde o juiz da 1ª fase, após a decisão que decretar a absolvição sumária, deve em regra remeter a julgamento do juiz ordinário competente.

Insta salientar que a decisão de Impronúncia, ou de Absolvição Sumária, poderá ser atacada através do recurso de apelação, conforme previsão expressa do artigo 416 do Código de Processo Penal (BRASIL, PLANALTO, 1941): “Contra a sentença de impronúncia ou de absolvição sumária caberá apelação”.


BIBLIOGRAFIA

AVENA, Norberto. Processo Penal Esquematizado. 4ª Ed. São Paulo: Editora Método, 2012.

BRASIL. Código de Processo Penal. Brasília 03/10/1941. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del3689Compilado.htm>. Acesso em 20 de Março de 2015.

LIMA, Renato Brasileiro de. Curso de Processo Penal. Niterói: Editora Impetus, 2013.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria