Trataremos sobre a validade da investigação criminal direta do Ministério Público no contexto do sistema acusatório de Ferrajoli.

Na esfera das Ciências Penais, são identificados como modelos processuais penais os sistemas inquisitório, acusatório e misto, sendo certo que para a corrente majoritária, é adotado o sistema acusatório no Brasil.

A respeito do Sistema Acusatório, caracteriza-se como “todo sistema processual que tem o juiz como um sujeito passivo rigidamente separado das partes e o julgamento como um debate paritário, iniciado pela acusação, à qual compete o ônus da prova, desenvolvida com a defesa mediante um contraditório público e oral e solucionado pelo juiz (...)” (FERRAJOLI, 2006, p. 519 e 520).

Portanto, basicamente, trata-se de um sistema onde o juiz, que utilizando de sua posição imparcial e distante das partes, vai buscar pela verdade baseando-se nas provas apresentadas.

Quanto à questão da validade da investigação criminal direta do Ministério Público nesse Sistema Acusatório, eis que há uma separação entre o juiz e a acusação, exigida pelo axioma A8 nullum iudicium sine accusatione do Sistema Garantista, assim como relata Ferrajoli (2006, p. 522):

Ela comporta não só a diferenciação entre os sujeitos que desenvolvem funções judicantes e os que desenvolvem funções de postulação e o conseqüente papel de espectadores passivos e desinteressados reservado aos primeiros em virtude da proibição ne procedat iudex ex officio – consignado ao órgão da acusação e a conseqüente ausência de qualquer poder sobre a pessoa do imputado.

Porém, esta acusação, que antigamente somente tinha caráter privado, ganhou função de prevenção geral dos crimes e assumiu também seu caráter público, antes através de ações populares e depois com a instituição de um acusador ou do Ministério Público. (FERRAJOLI, 2006, p. 523).

O processo penal, basicamente no sistema acusatório, nada mais é do que um instrumento garantista para as partes, que tem por intermédio o juiz imparcial que ali vai julgar e decidir. Porém, o Ministério Público faz o seu papel de fiscalizador da lei zelando pela ordem e cumprimento democrático das normas constitucionais.

Porém é importante observar que no âmbito da questão investigatória não se pode misturar uma relação entre o Parquet e as Polícias Judiciárias e Militares. O promotor não pode assumir sozinho uma investigação e excluir a Polícia Judiciária de seu papel fundamental, tornando, portanto, ilegítimo o papel investigatório direto do Ministério Público no sistema acusatório (Nucci, 2006, apud MACHADO, 2008).  

Ainda em relação sobre a ilegitimidade do Ministério Público, relata Machado (2008):

Luís Roberto Barroso elenca, de forma sistematizada, os argumentos daqueles que se opõem à legitimidade do Ministério Público, quais sejam: (a) O art.144, § 1º, I e IV, e § 4º, da Constituição atribui de forma expressa às Polícias Federal e Civil a apuração de infrações penais. Cuida-se de exigência do devido processo legal a competência da polícia judiciária no procedimento investigatório criminal. (CF, art. 5º, LIII); (b) A Constituição atribui ao Ministério Público a função de exercer o controle externo da atividade policial (CF, art. 129, VII) e não de substituí-la; (c) O escopo do inciso VI do art. 129 da CF/88 está restrito aos inquéritos civis públicos e outros também de natureza administrativa. O inquérito criminal é tratado em dispositivo diverso (VIII) e nesse ponto, a atuação do Ministério Público se limita à requisição de instauração do próprio inquérito e de diligências investigatórias; (d) A promoção da ação penal não engloba a investigação criminal. Não se aplica a lógica dos poderes implícitos; (e) Apenas uma emenda à Constituição poderia atribuir competência investigatória ao Ministério Público; (f) Em toda evolução histórica do Brasil a competência para realizar as investigações preparatórias da ação penal sempre foi da Polícia. As inúmeras tentativas de modificar esse regime foram frustradas; (g) A atribuição de competência investigatória pelo MP concentraria excessivo poder numa única instituição; (h) A concentração de atribuições prejudica a impessoalidade e o distanciamento crítico que o membro do MP deve manter no momento de decidir pelo oferecimento ou não da denúncia; (i) A ausência de disciplina legal, sujeita os envolvidos ao império dos voluntarismos e caprichos pessoais; (j) O Ministério Público já dispõe de instrumentos suficientes para suprir deficiências e coibir desvios da atuação policial.

Mesmo existindo, por outro lado, a possível legitimidade do Ministério Público em poder exercer diretamente uma investigação, como cita também Machado (2008), o Parquet não poderá decidir sozinho uma investigação sem a participação da Polícia Judiciária:

Segundo Luís Roberto Barroso outros argumentos podem ser sintetizados, a saber, (a) A Constituição atribui ao Ministério Público o poder de expedir notificações, tanto na esfera cível quanto na criminal, nos procedimentos administrativos de sua competência, requisitando informações e documentos pra instrui-los; (b) O sistema do art. 129 CF buscar fornecer ao MP autonomia para levar a cabo a apuração dos fatos necessários ao oferecimento da denúncia; (c) Várias normas constitucionais fundamentam a atribuição dessa competência ao MP, por exemplo, art.127, caput; art.129, II e IX; art.144, caput; arts. 1º, 3º, 5º; (d) A investigação pelo MP só será empregada quando estritamente necessária; (e) A atuação direta do MP pode conferir maior celeridade a atividade investigatória, pois, o contato pessoal com a prova facilita a formação de seu convencimento; (f) A atuação do Parquet é recomendável devido a sua independência em relação aos poderes estatais. Os problemas estruturais que envolvem as corporações policiais e o contato mais direto com a criminalidade, por vezes, resultam no envolvimento de policiais em casos de corrupção e de crime organizado.           

Conclui-se, portanto, que no sistema acusatório e seu contexto, é válida sim a investigação do Ministério Público, porém esta será somente feita indiretamente com a função de um órgão fiscalizador das normas constitucionais e também atuando como auxílio nas atividades da Polícia Judiciária.

Para Ferrajoli “(...) o que se exige, (...) é a autonomia também do poder inquiridor em relação a qualquer poder ou condicionalmente, juntamente com a subordinação de uma polícia eficiente, profissionalizada e por sua vez imune às ingerências do Executivo ou de outros poderes (2006, p.525). Logo, infere-se que a participação do Ministério Público na investigação criminal na fase acusatória é autônoma, porém indireta, pois tal órgão não deve atuar sozinho e sim em colaboração com outros órgãos, como a Polícia Judiciária, desde a fase inquisitória, em que aí sim, atua diretamente.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FERRAJOLI, Luigi. Direito e Razão: teoria do garantismo penal. Prefácio da 1. ed. italiana, Norberto Bobbio. 2. ed. rev. e ampl. – São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2006.

MACHADO, Ivja Neves Rabêlo. Sistema acusatório e investigação criminal pelo Ministério Público, 2008. Disponível em: <http://www.lfg.com.br/public_html/article.php?story=20080429175221259#8>. Acesso em 24 abril 2010.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0