Conhecer as particularidades da banca examinadora é uma das maiores virtudes que um concurseiro pode ter, no entanto, investigando o perfil das seis principais bancas examinadoras foi possível identificar as características mais marcantes das 6 principais

  • Fundação Carlos Chagas (FCC)

A FCC realiza concursos nas esferas municipais, estaduais e também federal. As questões geralmente são muito objetivas, e mesmo que sejam extensas, não têm muitos segredos. As provas de língua portuguesa e de direito são muito equilibradas e exigem um grau de análise e conhecimento das leis. A Carlos Chagas cobra muito letra da lei, principalmente em questões apresentem casos.

Uma “pegadinha” que pode atrapalhar os concurseiros mais desatentos está nos enunciados das questões de múltipla escolha. Eles têm o hábito de pedir para assinalar a alternativa INcorreta, e muitos escorregam nessa casca de banana.

Dica da corujaTreinar bastante a escrita de redações e tentar decorar a letra da lei.

  • VUNESP

A prova de português costuma ser bastante simples, eles dão boa atenção à gramática. Em Direito, assim como a FCC, é importante conhecer bem a letra da lei.

Mas atenção, eles estão querendo mudar seu estilo e isso pode complicar um pouco.

Dica da CorujaSe dedique ao texto das leis e no estudo da gramática. Como de praxe, resolva provas anteriores para sentir o estilo das questões.

  • CESPE

A mais temida pelos concurseiros. As questões são multidisciplinares e complexas. A prova de português é longa e cansativa, mas aí é que se esconde a coruja (não eu) rs.

As questões são do tipo ‘certo e errado’ e isso exige atenção redobrada. A banca anula uma questão certa se marcar alguma errada. Mas nem por isso o candidato deve deixar de chutar. Quer saber como chutar bem?

Eles também cobram muito a jurisprudência, e o candidato precisa estar bem atualizado;

Dica da CorujaNão perca muito tempo lendo os enunciados. Dedique seus estudos principalmente em simulados com perguntas de alternativas.

  • Fundação Getúlio Vargas (FGV)

Essa é a banca da OAB... Ela é de fato imprevisível, não tem padrão, muda muito de uma prova para outra, mas possui características que são frequentes como longos textos para interpretação e gramática. E na parte de direito tem cobrado casos práticos com temas multidisciplinares.

Dica da CorujaEstude bastante o edital, compare com os editais anteriores e vá fazer questões antigas. A FGV já cobrou nota de rodapé acredita? Então, muita atenção com a bibliografia.

  • ESAF

Essa também deixa qualquer um de cabelo em pé. Ela é uma banca polêmica, pois traz temas que não há consenso entre os doutrinadores. O volume de recursos costuma ser grande, o que pode até atrasar o andamento da seleção.

São questões muito bem elaboradas e complexas, com estudo de casos em direito e cobrança da letra de lei. O grau de dificuldade é alto.

Dica da CorujaA Esaf não tem o hábito de cobrar todos os itens do edital, estude os anteriores e veja os pontos em comum. Provas anteriores podem ajudar.

  • CESGRANRIO

Petrobras, bancos, IBGE são os concursos mais tradicionais desta banca.

O nível da Cesgranrio é de médio a elevado. A característica mais marcante é de provas separadas por matérias. São parecidas com as da FCC com cobrança de texto de lei e enunciados, mas não tão complexas quanto os da Cespe.

A prova de inglês é difícil, e o candidato deve ficar atento às questões de interpretação de texto

Dica da CorujaEles tem o hábito de repetir questões antigas. Então, pratique muito com provas de concursos anteriores.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso