Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

Considerações acerca da carta testemunhável

A carta testemunhável é uma espécie de Recurso, que tem por finalidade o reexame da decisão que denega ou não dá seguimento ao recurso interposto, , conforme expressa o artigo 639 do Código de Processo Penal.

De acordo com Guilherme de Souza (2014), a carta testemunhável “cuida-se de um recurso peculiar, destinado a provocar o processamento ou o conhecimento de outro recurso, para que este possa ser devidamente encaminhado à instância superior (arts. 639 a 646, CPP) ”.[1]

Nesse sentido podemos dizer que é uma espécie de Recurso, que tem por finalidade o reexame da decisão que denega ou não dá seguimento ao recurso interposto, conforme expressa o artigo 639 do Código de Processo Penal, verbis:

Art. 639.  Dar-se-á carta testemunhável:   

I - da decisão que denegar o recurso; 

II - da que, admitindo embora o recurso, obstar à sua expedição e seguimento para o juízo ad quem.

Assim, a motivação pelo qual se denega o recurso, ou a razão para obstaculizar o seguimento ao recurso interposto – seja pela falta de interesse de agir, pela ilegitimidade de parte ou pela intempestividade – não impede o recebimento da carta testemunhável, que será admitida sempre que estiverem presentes as hipóteses descritas na legislação processual penal, conforme acima indicadas.

A respeito disso, Guilherme de Souza (2014), ainda menciona que:

Se o juiz obstar o prosseguimento do recurso em sentido estrito ao tribunal, sem amparo legal a tanto, cabe à parte interessada interpor carta testemunhável. Esta é utilizada quando não houver outro recurso cabível. Ex.: se o magistrado indeferir o processamento de apelação, cabe recurso em sentido estrito (art. 581, XV, CPP), logo, inexiste razão para interpor carta testemunhável. Porém, se indeferir o processamento de recurso em sentido estrito, o caminho é a carta.

Podemos perceber nesse tipo de recurso um caráter subsidiário, pois nunca será cabível quando a legislação tiver estabelecido um outro remédio para a resistência à decisão denegatória do recurso, ou que obsta o seu seguimento.

Nas sabias palavras de Eugênio Pacelli (2011, p. 833):

Contra a denegação de apelação, por exemplo, cabe recurso em sentido estrito, nos termos do art. 581, XV, do CPP. Contra a decisão que não admite recurso extraordinário ou especial, cabe agravo de instrumento (art.28, lei 8.038/90). Assim, a carta dirigia-se basicamente, contra a denegação do recurso em sentido estrito.[2]

Neste sentido, chama-se atenção para a possibilidade de, em nome do Princípio da Fungibilidade dos Recursos, de receber-se a Carta Testemunhável como se Recurso em Sentido Estrito fosse.

Vejamos os seguintes julgados:

CARTAS TESTEMUNHAVEIS INTERPOSTA AO INVES DE RECURSO EM SENTIDO ESTRITO - REJEICAO POR INADEQUACAO - PRINCIPIO DA FUNGIBILIDADE (ART. 579, DO CPP) - CONCESSAO DE ORDEM DE HABEAS CORPUS. SE O REU, EQUIVOCADAMENTE, INGRESSOU COM CARTA TESTEMUNHAVEL CONTRA A DECISAO QUE DENEGOU RECEBIMENTO AO SEU RECURSO DE APELACAO, PODE E DEVE O JUIZ, SEGUNDO O PRINCIPIO DA FUNGIBILIDADE INSITO NO SISTEMA PROCESSUAL (ART. 579, DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL), RECEBER A PETICAO COMO DE RECURSO EM SENTIDO ESTRITO, QUE E O TECNICAMENTE ADEQUADO (ART. 581, XV, IDEM), DESDE QUE SATISFEITO O REQUISITO DA TEMPESTIVIDADE. LEGISLACAO: CPP - ART 579 . CPP - ART 581, XV. CP - ART 155, PAR 4, IV. CP - ART 29 . JURISPRUDENCIA: RT 598/427.(grifos meus).[3]

APELAÇÃO CRIMINAL. LESÃO CORPORAL CULPOSA NA DIREÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR. REJEIÇÃO DA DENÚNCIA. INTERPOSIÇÃO PELO MINISTÉRIO PÚBLICO DE RECURSO EM SENTIDO ESTRITO. NÃO-RECEBIMENTO. CARTA TESTEMUNHÁVEL. TURMA RECURSAL. RECURSO CONHECIDO COMO APELAÇÃO E PROVIDO. PROSSEGUIMENTO DO FEITO. APELO MINISTERIAL. ENVIO DOS AUTOS AO TJRS. Trata-se de delito previsto no artigo 303, caput, da Lei nº 9.503/97, em que foi rejeitada a denúncia, tendo a acusação interposto recurso em sentido estrito, desta decisão, o qual não foi recebido pela magistrada monocrática, ensejando o requerimento de carta testemunhável pelo Parquet. Sobreveio, então, decisão da Turma Recursal Criminal, que conheceu do recurso interposto como apelação, pelo princípio da fungibilidade, determinando o regular prosseguimento do feito, nos termos da Lei. Apresentadas razões pelo Ministério Público e contrarrazões pela Defesa, subiram os autos a este Tribunal. Todavia, esta Colenda 2ª Câmara Criminal não possui competência para processar e julgar o presente recurso, cabendo tal atribuição à Turma Recursal Criminal, consoante prevê o artigo 82 da Lei 9.099/95. À UNANIMIDADE DECLINARAM DA COMPETÊNCIA. (Recurso em Sentido Estrito Nº 70037935319, Segunda Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Rosane Ramos de Oliveira Michels, Julgado em 27/08/2013) (grifos meus).[4]

CARTA TESTEMUNHAVEL. E O RECURSO ADEQUADO CONTRA O DESPACHO QUE DIZ SER INCABIVEL O PROTESTO POR NOVO JURI, EM RAZAO DO REU TER SIDO CONDENADO A PENA SUPERIOR A VINTE ANOS, MAS EM CONCURSO MATERIAL. PRINCIPIO DA FUNGIBILIDADE DOS RECURSOS. DEMONSTRADO QUE NAO HOUVE MA-FE QUANDO DA INTERPOSICAO DO PROTESTO POR NOVO JURI, CONHECIDO DEVE SER O RECURSO ORA INTERPOSTO E MANDAR PROCESSAR O PROTESTO COMO APELACAO. (Carta Testemunhável Nº 689007730, Primeira Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Saulo Brum Leal, Julgado em 12/04/1989).[5]

Cabe aqui ressaltar o disposto no art. 814 do Regimento Interno do TRF5:

Art. 814. Em matéria criminal, dar-se-á carta testemunhável em primeira instância:

I - da decisão que denegar o recurso em sentido estrito ou o agravo em execução;

II - da decisão que, embora tenha admitido o recurso ou o agravo, obste a sua expedição ou seguimento ao Tribunal;

III- da decisão que não admitir o protesto por novo júri.

Assim, considerando as hipóteses dos julgados anteriores, o cabimento da Carta Testemunhável está restrita à decisão que denega ou bloqueia o seguimento para o tribunal competente do Recurso em Sentido Estrito, e do Agravo em Execução – em sede de execução penal - já que para essas hipóteses não há outra alternativa contemplada em lei.    

Podemos dizer ainda que a Carta Testemunhável é uma forma de evitar abusos de juízes, que impedem que um recurso siga seu caminho natural, tanto que ele é encaminhado ao escrivão (que se não fizer a carta andar normalmente é suspenso) e não ao próprio juiz. Conforme artigo 640 do CPP, que seja:

Art. 640. A carta testemunhável será requerida ao escrivão, ou ao secretário do tribunal, conforme o caso, nas quarenta e oito horas seguintes ao despacho que denegar o recurso, indicando o requerente as peças do processo que deverão ser trasladadas.

Assim, o prazo para interposição de tal recurso – conforme doutrina e jurisprudência dominantes – é de 2 dias, e corre a partir da intimação da decisão denegatória do recurso.

Temos igual entendimento no disposto do art. 815 do Regimento Interno do TRF5, que seja:

Art. 815. A carta testemunhável será requerida ao escrivão, no prazo de quarenta e oito horas; não positivada a hora da intimação, a dilação será de dois dias. Parágrafo único. Na petição, o testemunhante indicará as peças do processo que deverão ser trasladadas.

No que diz respeito ao seu processamento a Carta Testemunhável será processada em autos apartados, cabendo ao recorrente indicar as peças do processo que formarão o instrumento que deverá subir ao tribunal para julgamento, quais sejam: recurso denegado ou obstruído, decisão denegatória ou ato impeditivo do recurso, certidão sobre a tempestividade recursal, além de outras peças processuais que sejam necessárias ao julgamento do mérito do recurso denegado ou obstado.

Em seguida o escrivão terá 5(cinco) dias para extrair, conferir e consertar o instrumento, entregando-o ao testemunhante para o oferecimento de razões, por 2(dois) dias, de acordo com o disposto no art. 641 do CPP e art. 816 do Regimento Interno do TRF5:

Art. 641.  O escrivão, ou o secretário do tribunal, dará recibo da petição à parte e, no prazo máximo de cinco dias, no caso de recurso no sentido estrito, ou de sessenta dias, no caso de recurso extraordinário, fará entrega da carta, devidamente conferida e concertada.

Art. 816. A carta será entregue em prazo não superior a cinco dias.

Após igual prazo para o testemunhado, os autos vão conclusos ao juiz, que, também em 2 (dois) dias, reformará seu despacho, dando prosseguimento ao recurso obstado, em juízo de retratação, ou o sustentará, seguindo-se o rito dos artigos 588 a 592(recurso em sentido estrito). Entendimento este constante no art. 818 do Regimento Interno do TRF5:

Art. 818. Autuado o instrumento, o escrivão abrirá vista ao testemunhante, para que ofereça suas razões no prazo de dois dias; em igual prazo, a parte contrária poderá oferecer sua resposta.

Uma vez extraído e autuado o instrumento a Carta Testemunhável terá o mesmo rito do recurso denegado, como dispõe o art. 645 do CPP, sendo admissível o juízo de retratação, quando se tratar de denegação de Recurso em Sentido Estrito.

Reza o art. 644 do Código de Processo Penal:

Art. 644. O tribunal, câmara ou turma a que competir o julgamento da carta, se desta tomar conhecimento, mandará processar o recurso, ou, se estiver suficientemente instruída, decidirá logo, de meritis.

E ainda o art. 820 do Regimento Interno do TRF5:

Art. 820. A câmara, dando pela procedência da carta, mandará processar o recurso em sentido estrito ou o agravo, conforme o caso; se a carta estiver suficientemente instruída, a turma julgadora decidirá desde logo o mérito.

Assim sendo, seguirá o rito do recurso que não foi recebido, seguindo o princípio da economia processual.

Saliente-se, por fim, que a Carta Testemunhável não tem efeito suspensivo, de acordo com o art. 646 do CPP e art. 821 do Regimento Interno do TRF5, portanto, uma vez admitido, não impede o seguimento do recurso principal, o Tribunal mandará processar o recurso denegado a fim de que ele suba à instância superior para ser apreciado ou, por economia processual, e havendo possibilidade, decidirá o mérito do recurso indeferido – daí a importância de a Carta Testemunhável estar suficientemente instruída.


[1] NUCCI, Guilherme de Souza. Prática Forense Penal. – 8. ed. rev., atual. e ampl. – Rio de Janeiro: Forense, out. /2014.

[2] OLIVEIRA, Eugênio Pacelli de. Curso de Processo Penal. 14º Ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

[3] TJ-PR - HC: 1020031 PR Habeas Corpus Crime - 0102003-1, Relator: Luiz Cezar de Oliveira, Data de Julgamento: 20/03/1997, Primeira Câmara Criminal (extinto TA)).

[4] TJ-RS, Relator: Rosane Ramos de Oliveira Michels, Data de Julgamento: 27/08/2013, Segunda Câmara Criminal

[5]TJ-RS - CT: 689007730 RS , Relator: Saulo Brum Leal, Data de Julgamento: 12/04/1989, Primeira Câmara Criminal, Data de Publicação: Diário da Justiça do dia.

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre a autora
Helloá Rodrigues Cidrão

Bacharel em Direito pela Faculdade Paraíso do Ceará - UNIFAP-CE Estagiária do TJCE na 1ª vara criminal da Comarca de CratoCE. Pós- graduada em Ciências Criminais pela CERS.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!