O novo CPC não está vigente, mas já sofrerá mudanças.

O Novo Código de Processo Civil ainda não está vigente em nosso País, todavia, o texto originalmente aprovado começa a sofrer alterações importantes.

Desde a aprovação do texto final, deu-se início a uma série de estudos, palestras, e trabalhos apresentados sobre o novo codex.

Sem contarmos a infinidade de artigos e da vasta produção de obras jurídicas específicas sobre a nova lei, que inundaram as prateleiras das livrarias.

Enquanto os advogados buscam conhecer melhor o novo CPC e suas novidades, em Brasília, os deputados através da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovaram, em 18/11/2015, o projeto de lei da Câmara (PLC) 168/2015, que altera e revoga dispositivos do novo Código de Processo Civil (CPC – Lei 13.105/2015), com entrada em vigor prevista para 17 de março de 2016.

Notem que o termo acima utilizado (data prevista) é o correto para este caso. Isto porque existem movimentos que se proliferam pelo país solicitando a dilação deste prazo, eis que o texto traz em seu bojo mudanças significativas para todas as partes.

Assim, ante a aprovação de cada alteração no texto já aprovado, faz-se necessário um aprofundado estudo sobre o impacto destas mudanças.

Segundo publicação no site do Senado Federal, o autor do PLC 168/2015, o deputado federal Carlos Mannato (SD-ES), destacou seu objetivo de “restabelecer e aprimorar a sistemática do juízo prévio de admissibilidade do recurso especial e extraordinário, suprimida pelo Novo Código de Processo Civil”.

Conforme argumentou, esse juízo de admissibilidade atua como um “filtro” junto aos tribunais locais e poupa o Superior Tribunal de Justiça (STJ) de receber cerca de 48% dos recursos especiais interpostos, o que representa um contingente de 146.800 recursos.

Por óbvio, o autor não está sozinho neste projeto. Os senadores pelo PSDB Aloysio Nunes (SP) e Aécio Neves (MG) concordaram com a necessidade de se manter esse “filtro de admissibilidade” dos recursos especial e extraordinário junto aos tribunais estaduais. A preocupação é que o fim dessa barreira abarrote o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e, assim, inviabilize sua atuação.

Os recursos extraordinário e especial estão previstos no Novo Código de Processo Civil no art. 1.029 e seguintes. Todavia, a maior alteração está prevista para o art. 1.030 que apresenta, hoje, a seguinte redação:

"art. 1030. Recebida a petição do recurso pela secretaria do tribunal, o recorrido será intimado para apresentar contrarrazões no prazo de 15 (quinze) dias, findo o qual os autos serão remetidos ao respectivo tribunal superior.

Parágrafo único. A remessa de que trata o caput dar-se-á independentemente de juízo de admissibilidade."

Assim, a alteração do dispositivo acima mencionado faz-se urgente diante da proximidade da data de início de vigência do novo CPC.

Para o relator do projeto, “essa triagem desempenhada atualmente pelos tribunais locais e regionais consegue poupar o STF e o STJ de uma quantidade vertiginosa de recursos manifestamente descabidos. Suprimir esse juízo de admissibilidade, como pretende o texto atual do novo CPC, é entulhar as Cortes Superiores com milhares de milhares de recursos manifestamente descabidos.”.

Mas nem apenas do retorno do juízo de admissibilidade vive o novo CPC, eis que outras mudanças estão previstas no texto legal.

Uma destas mudanças diz respeito a alterar a ordem cronológica de julgamentos, até então prevista no novo diploma de obrigatória para preferencial.

A ordem dos processos está prevista no art.12, do Novo CPC:

art. 12. Os juízes e os tribunais deverão obedecer à ordem cronológica de conclusão para proferir sentença ou acórdão.

Ao efetuar tal alteração, o legislador busca estabelecer um relaxamento da regra anteriormente criada, pois, indubitavelmente, tratava-se de uma obrigação.

Outra alteração que o projeto de lei apresenta diz respeito à possibilidade de saques de valores pagos a título de multa antes do trânsito em julgado da ação.

A preocupação do autor do projeto diz respeito ao perigo do saque antecipado da multa, eis que a recuperação destes valores — caso haja uma reversão do julgamento na instância extraordinária — poderia se tornar inviável materialmente. Pelo menos neste quesito, a mudança me parece salutar.

É importante frisar que, se o texto da Câmara se mantiver inalterado durante a análise, pelo Plenário do Senado, seguirá direto à sanção presidencial.

Ou seja, no Brasil, é assim... esqueça o que você acabou de ler ou de aprender sobre o Novo Código de Processo Civil, pois o texto de hoje poderá não ser o texto de amanhã.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria