A controvérsia sobre a aplicação da Reserva do Possível pelo Estado objetivando legalizar sua omissão na implementação das políticas públicas utilizando o argumento da escassez de recursos como limite para tutelar direitos humanos tem sido muito presente.

A controvérsia sobre a aplicação da Reserva do Possível pelo Estado objetivando legalizar sua omissão na implementação das políticas públicas utilizando o argumento da escassez de recursos como limite para reconhecer e tutelar os direitos humanos tem sido algo muito presente.

Para melhor entendimento acerca do conceito de direitos humanos, João Batista Herkenhoff preceitua que:

[...] direitos humanos ou direitos do homem são, na modernidade, entendidos como os direitos fundamentais que o ser humano possui pelo fato de ser homem ou mulher, por sua própria natureza humana, pela dignidade que a ela é inerente. São direitos que não resultam de uma concessão da sociedade política. Pelo contrário, são direitos que a sociedade política tem o dever de consagrar e garantir. [1]

Já Paulo Henrique Figueiredo traz que:

[...] os direitos humanos, também chamados direitos fundamentais, são o conjunto de comandos legais que visam a garantir à pessoa humana, seu direito à vida, à liberdade, à igualdade, à dignidade, bem como ao pleno desenvolvimento de sua personalidade. Sendo naturais, universais, indivisíveis e independentes, conforme a opinião de Ricardo Lobo Torres, os direitos naturais são sinônimos de direitos humanos.[2]

             Assim temos que direitos humanos são aqueles inerentes à pessoa, aqueles que buscam assegurar ao ser humano o seu mínimo existencial e o seu pleno desenvolvimento, são eles fundamentais por sua própria natureza.

            Desse modo, infere-se que esses direitos não devem sofrer limitações pelo Estado na sua prestação, haja vista sua relevância à dignidade da pessoa humana.

            Ocorre que, o Estado vem utilizando o argumento da escassez de recursos financeiros, como forma de não dar eficácia aos direitos humanos, através do que se intitula reserva do possível.

Consoante preleciona Canotilho, a efetivação dos direitos dentro de uma “reserva do possível” traz dependência dos recursos econômicos, de modo que a elevação do nível da sua realização estaria sempre condicionada pelo volume de recursos suscetível de ser mobilizado para esse efeito.[3]

Já José Afonso da Silva assevera que:

(...) a eficácia jurídica consiste na possibilidade de sua aplicação, no sentido da capacidade de serem atingidos os objetivos traduzidos na norma. Já a eficácia social ou efetividade refere-se à efetiva aplicação da norma no mundo dos fatos[4]

Ou seja, os direitos que exigem uma prestação de fazer estariam sujeitos à reserva do possível de modo que o individuo estaria sujeito às condições socioeconômicas e estruturais do Estado para poder ter seus direitos assegurados.

Note-se que tal fator, deixa por vezes e (quase sempre) a sociedade a mercê da inércia do Legislativo e da falta de fiscalização do Judiciário, sendo os cidadãos obrigados à suportar todo o ônus de ter seus direitos humanos completamente desrespeitados.

Consoante Dirley Cunha Junior:

(...) nem a reserva do possível, nem a reserva de competência orçamentária do legislador podem ser invocados como óbices, no direito brasileiro, ao reconhecimento e à efetivação de direitos sociais originários a prestações.[5]

Assim, resta claro que os direitos humanos devem ser protegidos e assegurados a todos os indivíduos, não cabendo ao Estado valer-se do Princípio da Reserva do Possível para não atendê-los, abstendo-se do seu dever constitucional de provedor das necessidades da sociedade, e se assim o fizer, estará utilizando o referido princípio como limitador à efetividade dos direitos humanos.


[1] Curso de Direitos Humanos – Gênese dos Direitos Humanos. V.1. São Paulo: Acadêmica, 1994. p. 30.

[2] Os Direitos Humanos e sua manifestação na transação tributária http://www.webartigos.com /articles/ 21561/1/Os-Direitos-Humanos-e-sua-Manifestacao-na-Transacao Tributaria/pagina1.html#ixzz1L3Tn yZkJ

[3] CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 5ª ed. Coimbra: Livraria Almedina, 2001.

[4] SILVA, José Afonso da. Aplicabilidade das Normas Constitucionais. São Paulo: Malheiros, 1998.

[5] CUNHA JR, Dirley da. Curso de direito contitucional, 2008.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria