A Convenção 189 — Convenção sobre Trabalho Doméstico da OIT —, para os brasileiros, não todos, mas para a maioria, é mais uma "lei de papel", como a Lei Maria da Penha, por exemplo.

Em outro artigo escrevi sobre "Senzalas e serviçalismo: o fim da empregada doméstica secular". Dizer que a mentalidade brasileira em relação aos empregados domésticos não é de serviçalismo é criar uma ilusão de que o Brasil jamais teve escravos, guerras civis etc.

Há sempre uma verdade incontestável sobre o Brasil, mas que muitos, principalmente os darwinistas sociais, pois os tempos mudaram e os direitos humanos estão se consolidando, ainda teimam em dizer que não existe: o Brasil é uma máquina de moer pessoas. Nas redes sociais, principalmente, é fácil encontrar acontecimentos dignos dos tempos da escravidão negra "Made in Brasil". Que o digam os artistas afrodescendentes, os quais são chancelados dos mais absurdos termos racistas e preconceituosos.

Pois bem, o darwinismo social [câncer social] ainda está muito presente em nosso país, quer dizer, no âmago brasileiro. Numa matéria da BBC Brasil, as empregadas domésticas brasileiras que vivem nos EUA — atentem o que vai ser escrito — estão se recusando a trabalhar para os patrões brasileiros. Como assim? Sim, caro leitor, os trabalhadores domésticos brasileiros que moram nos EUA estão se recusando a trabalhar para os patrões brasileiros que também moram nos EUA. Motivo? A imagem fala por si:

Imagem: LATUFF CARTOONS

"Elas (patroas) pegam no pé, acham que a gente tem que trabalhar como as empregadas delas no Brasil."

A escravidão brasileira terminou, na Lei de Papel, em 1888, com a Lei Áurea. Todavia, como muitas outras leis, a arraigada concepção teórica de darwinismo social continua presente, muitíssimo presente.

A Convenção 189 — Convenção sobre Trabalho Doméstico da OIT —, para os brasileiros, não todos, mas para a maioria, é mais uma "lei de papel", como a Lei Maria da Penha, o ECA, a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, a CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO RACIAL (1968) — deixei em fontes maiúsculas para demonstrar que, mesmo com a Convenção, o Brasil jamais terminou com o darwinismo social. Abaixo, transcrevo parte do meu artigo "Senzalas e serviçalismo: o fim da empregada doméstica secular":

Escravos havia em quantidade. O conjunto de servos de um sobrado tipicamente patriarcal compunha-se, no Brasil dos meados do século XIX, de cozinheiros, copeiros, amas de leite, carregadores d´água, moleques de recado, mucamas. Estas dormiam nos quartos de suas amas, ajudando-as nas pequenas coisas da toalete, como catar piolhos, por exemplo. Às vezes, havia escravos em exagero. [...] (FREYRE, 1977, p. 67-68).

Longa conversa com a velha Rundle (née Maxwell) sobre o Brasil do meado do século XI. A velhinha deve ter nascido por volta de 1840. Terá agora seus oitenta e tal anos. Está lúcida. É um encanto de velhinha. Inteligente e fidalga.

Mostra-me fotografia antiga do palacete dos Maxwell no Rio: vasto palacete. Belo arvoredo. Aspecto de grandeza. Fala-me com saudade do Rio do tempo de Pedro II ainda moço. Ela frequentava os melhores salões da corte brasileira, filha que era de Maxwell, o então rei do café. Quem lê os livros e jornais da época encontra referências numerosas ao nome desse famoso escocês abrasileirado. Era na verdade um nababo: imensamente rico. Escocês encantado pela natureza do Brasil e pelas maneiras, pelos costumes e me diz a velha Rundle que muito particularmente pelos doces e bolos brasileiros. E ao contrário dos escoceses típicos, um perdulário. Sua era uma das melhores carruagens do Rio no meado do século XIX. Seus pajens e escravos primavam pelos belos trajos. Suas mucamas, também. A velha Rundle cresceu como uma autêntica sinhazinha: ninada, mimada, servida por mucamas, negrinhas, negras velhas que lhe faziam todas as vontades. “Como não ter saudades de um Brasil onde fui tão feliz?”, pergunta-me ela servindo-me vinho do Porto. “E por que não voltou ao Brasil?”, pergunto-lhe eu. Mas não insisti na pergunta: a velhinha chorava. Chorava seu Paraíso Perdido, e esse Paraíso Perdido foi o Rio de 1850 – com todos os seus horrores; mas a que entretanto não faltavam grandes encantos. São assim as épocas: todas têm seus encantos e não apenas horrores de epidemias, imundície, crueldade. (FREYRE, 2012, p. 129).


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0