O presente artigo é fruto de breves comentários sobre o artigo Pasado y Futuro del Estado de Derecho, de Luigi Ferrajoli, no qual o autor de Direito e Razão traça sua visão de neoconstitucionalismo.

Tratando do neoconstitucionalismo, Luigi Ferrajoli, em seu artigo “Pasado y Futuro del Estado de Derecho”, inicia seu pensamento com a distinção entre Estado de Direito em sentido formal (ou débil), que traduz qualquer ordenamento submetido à lei e às formalidades legais (atualmente, todos os ordenamentos jurídicos possuem essas características). Há, ainda, o Estado de Direito em sentido substancial (ou forte), cujo objeto diz respeito, em especial, ao seu conteúdo (FERRAJOLI, p. 13); os ordenamentos que atendem a essa característica, em regra, obedecem aos princípios constitucionais.

Ferrajoli diferencia o Direito pré-moderno do “Estado Legislativo de Direito” e do “Estado Constitucional de Direito”. Para ele, o Direito pré-moderno, de origem pré-positivista, era baseado unicamente na doutrina e na jurisprudência[1]. Por conseguinte, o pensamento jurídico que o validava era jusnaturalista.

Já o Estado Legislativo de Direito substancializa o nascimento do Estado de Direito moderno que, face à influência juspositivista, consagra o princípio da legalidade como critério de existência e validade do Direito (FERRAJOLI p. 16)[2]. Dessa forma, o conteúdo do Direito moderno, a exemplo do resultante da doutrina e da jurisprudência, deixa de ser normativo (como o era no Direito pré-moderno), tornando-se interpretativo, reflexo do juspositivismo, que visa à delimitação do objeto da ciência, a fim de conhecê-lo profunda e adequadamente. A produção jurídico-legal passa a ser monopólio do Estado, em respeito ao princípio da legalidade[3].

Por sua vez, o Estado Constitucional de Direito traduz a supremacia das normas constitucionais como legitimadoras das demais leis. O princípio da legalidade ganha novos contornos, de forma a se observar também o conteúdo da norma a ser aplicada[4]. A existência (ou vigência) e validade das leis são dissociadas, analisadas em planos distintos, podendo uma lei formalmente perfeita ser inválida, se estiver em contradição com as normas constitucionais. Logo, a lei “vale” se é constitucionalmente validada; esta mudança reflete, inclusive, na estrutura da democracia[5].

Após discorrer sobre os Estados de Direito, conclui que há uma ligação entre as instituições e a cultura de uma sociedade, de forma que as transformações institucionais interagem com as transformações culturais,, ou seja, as mudanças políticas, jurídicas e filosóficas refletem as experiências vividas em determinado momento histórico.

Para Ferrajoli, os modelos de Estado de Direito (Legislativo e Constitucional) estão em crise, i) seja pelo retorno à supervaloração da atividade criativa da jurisprudência (típica do Direito pré-moderno), ii) seja pela perda da unidade e coerência das fontes jurídicas, bem como da convivência e superposição de vários ordenamentos jurídicos concorrentes ( FERRAJOLI, p. 21). O primeiro aspecto indica a crise do princípio da legalidade (e, por conseguinte, do Estado Legislativo de Direito), face à contraposição da racionalidade organizacional da lei com a hobbesiana “iuris prudentia” de juízes “desordenados” (FERRAJOLI, p. 20), afetando a certeza jurídica, a eficiência e as garantias do ordenamento.

Outrossim, o segundo aspecto ilustra a crise do “papel garantista de la Constitución em relación com la legislación, que es el rasgo distintivo del Estado Constitucional de Derecho” (FERRAJOLI, pp. 20-21). Tal fato resulta da necessidade cada vez maior de interação entre as nações. O Direito interno, inclusive o Direito Constitucional, não é suficiente para regular as relações político-econômicas (em especial a globalização econômica) e sócio-culturais entre os Estados.

Segundo o autor, seria provável que o direito supranacional ou comunitário fosse regido pela globalização econômica, de maneira que as normas seriam ditadas pelas nações dotadas de maior poderio econômico e bélico – uma soberania externa neoabsolutista (FERRAJOLI, p. 22).

A alternativa à crise do princípio da legalidade passa por sua remodelação, obedecendo-se não mais à reserva da lei, e sim à reserva de código (idem, p. 23). Desta forma, as leis devem ser analisadas, interpretadas e aplicadas em conjunto, aglutinadas pelo seu conteúdo (critério substancial da legalidade).

As propostas para um novo modelo de Estado de Direito confluem-se nas universalidades, ou seja, na existência de regras, garantias, normas e princípios validados por uma lógica universal[6].

Essas propostas teriam por conseqüência a redução ou perda da soberania dos Estados em face de um constitucionalismo internacional, legitimado a limitar quaisquer tendências absolutistas de um constitucionalismo comunitário[7].

Portanto, para Ferrajoli, a construção de um novo Estado de Direito toma contornos científicos e universais, todavia, não se pretendendo a homogeneização cultural, religiosa e social, e sim uma Carta de Direitos e Garantias pautados na universalidade dos direitos humanos[8].

Conclusões e questionamentos

Algumas ponderações merecem ser tecidas.

De fato, as novas dimensões de direitos e garantias fundamentais apontam cada vez mais para a universalização do bem-estar das pessoas (e dos demais entes que as cercam). Ocorre que essa tendência é centrífuga, de dentro para fora, é dizer, do âmbito interno para o internacional. A própria existência de uma teoria da universalização dos direitos e garantias fundamentais já demonstra que estes não são ou não eram inicialmente universais; o que já é universal não precisa ser posteriormente legitimado como tal.

Verifica-se que a proposta de Ferrajoli acerca do Estado Internacional de Direito necessita de uma Constituição para não se retornar à “iuris prudentia” do Direito pré-moderno nem à completa submissão ao princípio da legalidade (e reserva da lei) - Estado Legislativo de Direito. Para tanto, essa Constituição, além de sintética, deve ser “pensada” e permeada de conceitos (cláusulas gerais e abertas), e não de definições. Ademais, a Constituição Internacional carecerá de novos critérios e métodos de interpretação, não podendo ser utilizada a hermenêutica constitucional do Direito interno, sob pena de torná-la contraditória com os diversos ordenamentos jurídicos preexistentes.

Se o Estado Internacional de Direito a surgir pretende ser eficaz e garantista, outros questionamentos de ordem prática podem se formular, a saber: haveria um controle de constitucionalidade das Constituições internas em face das Constituições Comunitárias e Internacional? Como seria legitimado esse controle? Como conciliar a total dependência política para sua criação (vide nota de rodapé nº. 8) com a conotação científico-sociológica do Estado Internacional de Direito (pautada na universalização dos direitos fundamentais)? Qual a garantia de que não será somente institucionalizado um Estado Internacional “Político-Econômico” de Direito?

Não há soluções definitivas no caminho a ser tomado pelo novo Estado de Direito. Há, porém, conseqüências possíveis de serem antecipadas (como se percebe dos questionamentos acima), que devem ser devidamente sopesadas numa perspectiva voltada para a harmonização do bem-estar individual, coletivo e internacional, sob pena de, ao invés do neoconstitucionalismo, legitimar-se o neoabsolutismo.

BIBLIOGRAFIA

FERRAJOLI, Luigi. Pasado y Futuro del Estado de Derecho. In CARBONELL, Miguel (Editor). Neoconstitucionalismo (s). Madrid: Editorial Trotta, 2003, pp. 13-29.


[1] Portanto, não havia de se falar em princípio da legalidade no Direito pré-moderno; poder-se-ia afirmar que o Direito era fruto dos “fatores reais de poder”, preconizados por Lassalle.

[2] É a consagração do dogma do Direito posto em plano superior ao do Direito justo.

[3] O conteúdo, é dizer, a substância jurídico-normativa não sofreu expressivas mudanças; a alteração, portanto, foi basicamente de legitimidade da produção jurídica.

[4] Consoante assevera o prof. Eros Roberto Grau, o Direito posto passa a conviver com o Direito pressuposto.

[5] “La subordinación de la ley a los principios constitucionales equivale a introducir una dimensión sustancial no sólo em las condiciones de validez de las normas, sino también em la naturaleza de la democracia, para la que representa um limite, a la vez que la completa” (p. 19).

[6] Ressalta-se que Ferrajoli defende o caráter universal dos direitos e garantias fundamentais, ao passo que a doutrina majoritária sustenta a relatividade dos mesmos.

[7] Pode-se concluir que o novo Estado de Direito fará parte de uma tríade: constitucionalismo interno, constitucionalismo comunitário e constitucionalismo internacional.

[8] “Nada autoriza a afirmar que la perspectiva de um Estado internacional de Derecho sea, em el plano teórico, irrealizable. Su realización depende únicamente de la política y precisamente de la voluntad de los países más fuertes em el plano econômico y militar” (p. 29)



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0