A Pessoa Jurídica é uma entidade que, assim como a Pessoa Física, é detentora de direitos e obrigações e, portanto, possui uma personalidade jurídica própria, podendo adquirir bens e contrair dívidas sem que estes se comuniquem com os de seus sócios.

Infelizmente, isso acaba permitindo práticas indevidas, como amealhar dívidas em nome da empresa, enquanto o patrimônio é adquirido em nome dos sócios, impedindo que os credores possam atingir o patrimônio.

Para evitar que a separação entre os direitos e obrigações da Pessoa Jurídica e de seus sócios seja usada indevidamente, a lei prevê hipóteses nas quais se faz possível a quebra desta personalidade conferida à Pessoa Jurídica.

Estas hipóteses estão previstas no Código Civil, no Código de Defesa do Consumidor, na nova Lei Antitruste, na Lei dos Crimes Ambientais e no Código Tributário Nacional. Todavia, o atual Código de Processo Civil é omisso quanto ao procedimento a ser adotado para aplicação deste instituto. Diante disso, os princípios gerais de direito, a doutrina e a jurisprudência são os únicos balizadores desse procedimento, o que acaba causando algumas divergências.

Uma das novidades do novo Código de Processo Civil, que entrará em vigor em março deste ano, é, justamente, a regulação do procedimento pelo qual se dará a desconsideração da personalidade jurídica.

A primeira novidade é que não será mais possível a determinação da desconsideração de ofício pelo juiz, mas apenas quando requerida pela parte ou pelo Ministério Público.

A segunda é a previsão expressa da “desconsideração inversa”, considerada uma nova modalidade do instituto, aplicada quando se pretende buscar no patrimônio da Pessoa Jurídica a satisfação das dívidas dos sócios.

Outra inovação é a previsão de que o procedimento se dará por ação autônoma, ficando suspensa a ação principal, porém, apenas quando o processo já estiver em andamento, sendo dispensada a instauração do incidente quando o requerimento de desconsideração for realizado na peça inaugural.

Talvez a novidade mais significativa e que causará maiores discussões é a necessidade de citação do sócio ou da pessoa jurídica para se manifestar e requerer provas. Esta é uma novidade que trará maior segurança jurídica, todavia, poderá prejudicar a celeridade processual, o que afetará uma das principais finalidades do instituto, qual seja, o combate à fraude contra credores.

Ressalta-se, ainda, a previsão de que o incidente se resolverá por decisão interlocutória, da qual caberá recurso de Agravo de Instrumento ou, em segundo grau, Agravo Interno.

Desta forma, o judiciário deverá estar atento para não permitir que este procedimento venha a dificultar a satisfação de créditos e facilitar fraudes à execução, porém, de maneira geral, é possível considerar a novidade trazida pelo novo CPC como um avanço positivo, afinal, esse é um instituto muito utilizado, para o qual não havia previsão processual legal.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0