Em razão da omissão do Judiciário, só restou aos brasileiros uma saída: recorrer preventivamente aos organismos internacionais para evitar o genocídio programado pelo governo Michel Temer.

A renda da população brasileira aumentou um pouco durante os governos Lula e Dilma Rousseff. As oportunidades de ascensão social também melhoraram graças aos programas sociais que estão sendo rapidamente desmantelados pelo interino.

O resultado da votação no Senado deveria ser encarado como um sinal de alerta, mas a população segue sendo anestesiada pela imprensa anti-petista. Além de cancelar vários programas sociais, o novo tirano pretende aprovar modificações que rebaixarão a participação dos salários no PIB e que dificultarão a obtenção de benefícios previdenciários. Não bastasse isto, o Ministro da Saúde em exercício já começou a sucatear o SUS preparando-o para a privatização.

Os ideólogos da nova ditadura civil (dentre os quais se destacam os jornalistas que apóiam o golpe de estado) acreditam que as inovações provocarão um maior fluxo de capitais. A natureza predatória destes capitais, porém, nunca é levada em consideração.

Uma invasão do mercado brasileiro por especuladores pode até fazer o Brasil a voltar a crescer. Mas a qualidade deste crescimento será perversa e sem inclusão social. Os novos investimentos financeiros não se traduzirão em aumento da renda da população. Muito pelo contrário, o mais provável é que o rebaixamento da participação dos salários no PIB passará a ser encarados como uma condição “sine qua non” para que os investidores não parem de especular na BOVESPA. E para piorar quanto mais o Estado gastar com juros menos poderá investir em serviços públicos.

A fragilidade estrutural do Brasil e de sua rede de proteção social era evidente antes de Lula e Dilma Rousseff. Isto ficou bem claro durante a onda de fome que ceifou milhares de vidas nordestinas durante o governo FHC. Em pouco tempo aquele fenômeno voltará a ser realidade e o mal será reforçado mediante a destruição das lideranças petistas e da cassação do registro eleitoral do PT.

O resultado previsível será um aumento do abismo entre ricos e pobres. Os muito pobres voltarão a ser condenados a passar fome junto com seus filhos. Quanto ficarem doentes eles não poderão usar o SUS. Como não terão condições de pagar planos de saúde, dezenas de milhões de brasileiros voltarão a morrer de fome e de falta de cuidados médicos.

Nesse contexto, é evidente que o governo provisório tem apenas um objetivo: provocar um genocídio silencioso. O que farão os órgãos internacionais (Comissão Interamericana de Direitos Humanos, Tribunal de Direitos Humanos da ONU e o Tribunal Penal Internacional)? Eles deixarão a nova tirania neoliberal matar milhões de brasileiros de fome e por falta de cuidados médicos ou agirão preventivamente?

Várias instituições estão se colocando contra o golpe (CNBB, Comissão de Justiça e Paz, CUT, Sindicatos etc...). Mas até o presente momento ninguém submeteu o “genocídio silencioso programado” pelo neoliberalismo de Michel Temer às autoridades internacionais. O que os amigos do Brasil e inimigos do golpe estão esperando? Que os brasileiros comecem a morrer como moscas para só então provocarem os órgãos internacionais?



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso