O intuito desse artigo é averiguar os fatores que surgiriam caso a legalização das drogas fosse aprovada. Esse tema é muito discutido, pois muito se debate sobre o aspecto de remover o fator crime, o fator punição das drogas, mais precisamente da maconha.

Com a legalização das drogas, iríamos enfrentar essa grande problema de cara, pois a proibição serve apenas para mascarar o problema, então eliminando essa proibição, estaríamos disseminando o tráfico de drogas, que hoje é liderado por milhões de pessoas.

Se o tráfico hoje, com a sua produção e uso de drogas fossem legalizados, estaríamos vendo de perto, pois com a proibição esse mercado gera bilhões de dólares, e a legalização obriga esse crime organizado a sair das sombras, a sair desse comércio ilegal, exterminando seu bem mais precioso, seu dinheiro e consequentemente sua renda. Tendo suas rendas na ponta do lápis, regularíamos o mercado, usufruindo de tributos, pois com estes, o preço seria outro, também deixaríamos o produto licenciado, evitaríamos o consumo de drogas por parte dos menores de idade etc.

O projeto da legalização da maconha é um meio que os legisladores veem para a diminuição do tráfico, que é alimentado pela compra, já com a legalização não teria tanto esse crime, pois cada cidadão poderia plantar, cultivar, além de que a maconha é uma planta medicinal que pode ser usada para criação de remédios, blusas, entre outras coisas. O Brasil viu por meio de outros países que a legalização pode ajudar a diminuir vários índices que hoje estão lá em cima, ou seja, por conta de uma ação que parece ser de fim negativo, traga bons proveitos para uma sociedade num todo.

A legalização seria uma boa opção? Teríamos duas opções, que seria patrocinar uma melhora significativa para o aperfeiçoamento nas áreas da saúde, na estrutura familiar e uma estrutura mais eficaz, intensa e melhor na área de tratamento de dependentes de usuários de drogas ilícitas. A outra opção seria um aparato, estrutura e um melhor reforço nas áreas da polícia.

Por conta do aumento de usuários, que por ventura iram aparecer na rua por sua legalização, acabam surgindo certos meios que possam atrair e levar uma briga e até mesmo uma discussão, e com a legalização o governo seria obrigado a investir em segurança, dinheiro esse que seria arrecadado com o imposto sob as drogas. Um usuário normalmente não mede as consequências, então está sujeito a fazer qualquer coisa que tiver com vontade.

Temos que fazer o seguinte questionamento: Por que proibir? As drogas sempre foram um fator existente, e em poucos tipos foram aceitos. Os EUA foi o primeiro país a implementar um sistema antidrogas, que foi em 1914, que foi chamado de “Ato de Narcóticos”, devido e um período com decorrentes problemas com a cocaína e o ópio. Por volta de 1918, um grupo criado pelo próprio governo concluiu que a procura e o tráfico de drogas  aumentou significativamente, que o mercado se adaptou de uma foma tão forte, que conseguiria distribuir tranquilamente essa mercadoria, e o uso aumentou de forma extraordinária. Com isso o governo viu que a proibição não apenas teve um fracasso referente a quantidade de usuários e o tráfico, e sim houve um aumento grande no uso e no tráfico.

Um exemplo de país que optou pela legalização das drogas e que obteve um grande sucesso foi Portugal. O país tirou o fator crime de todas as drogas, e por mais incrível que seja, e por mais que muitos não acreditem, o número de usuários despencou de forma considerável. O país possui por volta de 15 mil usuários que estão passando por tratamento para dependentes químicos. Antes do país aderir a legalização, possuiam cerca de 100 mil pessoas que consumiam drogas. O país pensou fora da caixa, tendo um pensamento contrário ao de prender essas pessoas, eles quiseram tratar essas pessoas a além disso, quiseram mostrar uma forma mais recente de cuidados e tratamentos. O mesmo foi o pioneiro no quesito legalização da plantação, que seria o cultivo, a venda e comercialização, conseguindo um marco de suma importância, que foi conseguir reduzir a zero o índice de mortes referente a drogas e afins.

O fator “proibição” não ajuda em basicamente nada, até porque se resolvesse, existiria uma diminuição considerável no consumo e nas vendas, e isso é uma coisa que não acontece. A legalização obviamente não seria o remédio para combater todos os males referentes a tráfico, consumo e uso, mas com certeza assistiríamos de perto todos os seus passos, desde a produção, passando pela venda e e até o consumo.

Queremos deixar bem claro e evidente que a aprovação do projeto de legalização não é e nem vai ser a solução dos problemas referentes a drogas, independente do país que há a legalização.

Sabemos muito bem da fragilidade do nosso país em vários aspectos, como na educação, na segurança e na precariedade da saúde, o nosso país não consiga suportar a legalização. Pode ser que com a legalização as coisas possam piorar, mas como estamos em um momento complicado, em que o tráfico está cada vez maior e o número de usuários não para de crescer, e melhorar a segurança se tornaria muito mais caro, e valeria a pena optar pela legalização, teríamos um retorno melhor, assistiríamos de perto, e claro que não teríamos o controle absoluto do problema, mas passaríamos a ter mais controle do que antes.

Sim, a legalização seria uma solução para o nosso país, mesmo estando passando  por uma crise financeira, tendo em vista que com a legalização, se teria uma economia relevante, com custas processuais e muitos auxílios que os reeducandos recebem, além de descarregar um pouco os complexos prisionais.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

Drogas: proibir é legal?, Outubro de 2007. ARAÚJO, Tarso

          http://super.abril.com.br/historia/drogas-proibir-e-legal

GLOBO, PAÍSES QUE LIBERARAM MACONHA, 11/12/2013.

          globo.com



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso