Passados 26 anos da criação do CDC, muitos direitos foram assegurados ao cliente bancário, à medida que a exegese da letra da Lei e a redação de normas do Conselho Monetário Nacional evoluíram junto com as necessidades dos consumidores.

Neste domingo, 11 de setembro, o Código de Defesa do Consumidor completa 26 anos de existência. O perfil dos clientes mudou substancialmente ao longo dos anos, demandando das Instituições Financeiras cada vez mais esforços para oferecer produtos e serviços adequados em um setor altamente regulado e competitivo.

Da década de 90 aos dias atuais muita coisa mudou: a estabilidade da moeda foi atingida, o foco nas estratégias de consumo passou do produto para o cliente, o cartão de crédito se popularizou, os órgãos de defesa do consumidor se multiplicaram pelo país, a aplicabilidade do CDC às atividades bancárias foi reconhecida, os papéis do SAC e da Ouvidoria foram regulamentados, a hipoteca deu lugar à alienação fiduciária, a Internet aproximou de vez fornecedores e consumidores.

À medida que os hábitos e o nível de exigência dos consumidores evoluíram, cumprir a legislação e as normas do Conselho Monetário Nacional se tornou apenas uma das etapas que integra o processo de construção de um relacionamento sustentável e harmônico com o usuário do Sistema Financeiro Nacional.

Os bancos modificaram sua governança corporativa e seus modelos de negócios, de forma a conciliar inovação, eficiência, compliance, cultura organizacional e satisfação do cliente. Hoje, tudo o que os bancos fazem deve estar voltado para o consumidor de forma que ele não apenas tenha seus direitos respeitados, mas se sinta realizado por ter confiado a eles seus valiosos recursos.

É dever dos fornecedores de serviços financeiros proporcionar experiências que melhorem a vida dos cidadãos, prestar informações claras sobre os canais de atendimento alternativos, explicar as variações de cesta de serviços existentes, ressaltar a faculdade em obter produtos de fidelização, esclarecer as condições para manutenção de taxas de juros reduzidas e tratar as solicitações em geral de forma tempestiva.

O empregado de qualquer Instituição Financeira deve estar preparado para atender de forma digna e eficiente, com o mesmo grau de excelência, qualquer tipo de consumidor: seja ele jovem ou experiente, lucrativo ou inadimplente, indeciso ou determinado, representado por um empresário renomado ou por um universitário que acabou de entrar no mercado de trabalho.

O Código de Defesa do Consumidor é um instrumento de cidadania que deve estar presente em cada interação do fornecedor com a parte vulnerável da relação de consumo. Por isso, deve existir uma constante preocupação por parte das empresas em prestar informações úteis e claras em todos os seus canais, transmitir obrigações contratuais de forma simplificada, utilizar uma publicidade responsável e contribuir para a educação financeira do público. Todas estas ações elevam o grau de satisfação e aprimoram a experiência do cliente.

É interessante para a imagem e o resultado financeiro da Instituição Financeira que a resolução de conflitos consumeristas ocorra em menor proporção na esfera judicial se mostre mais presente no âmbito administrativo, de maneira preventiva. É desejável que as reclamações sejam solucionadas no próprio ambiente da agência, através do SAC ou da Ouvidoria e até pelo portal criado pela Secretaria Nacional do Consumidor: o consumidor.gov.

No trato com o consumidor moderno, cada detalhe é importante. Por isso, toda atenção é necessária no momento da abertura de conta, na concessão de crédito e renegociação de dívida, no atendimento à distância, na recepção qualificada e até no encerramento do relacionamento com o cliente.

A boa fé e a empatia são elementos-chave que, combinados com o respeito aos direitos do consumidor, garantem uma ótima jornada para o cliente. É necessário que o empresário se coloque do outro lado para entender as necessidades e a agregar valor à rotina daquele indivíduo que gera o significado do seu trabalho.

Se o passar dos anos trouxe uma certeza, é de que o presente e o futuro das organizações estão ligados ao reconhecimento e empoderamento do consumidor. É por meio da obediência às normas, do design cuidadoso de produtos, processos e serviços e do atendimento qualificado que são garantidos um pós-venda tranquilo e a reciprocidade desejada. Afinal, o que é melhor para o cliente é o melhor para o fornecedor.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria